Postagem em destaque

CONPORTOS CASSA CERTIFICADO DE SEGURANÇA DOS TERMINAIS DA RODRIMAR NO PORTO DE SANTOS

Comissão Estadual de Segurança Pública nos Portos encontra falhas nos sistemas de segurança desde 2016 e a empresa não apontou soluçõe...

sábado, 8 de dezembro de 2012

0

DEICMAR É OUTRO TERMINAL SUSPEITO DE FAVORECIMENTO



Vieira contrariou procuradoria da Antaq

 

SEGURANÇA PÚBLICA PORTUÁRIA / POLÍCIA FEDERAL
OPERAÇÃO PORTO SEGURO LEVANTA SUSPEITA NA CONCESSÃO DE ÁREA À TERMINAIS PORTUÁRIOS DE SANTOS.
TERMINAL DEICMAR





A influência do diretor da Agência Nacional de Águas (ANA), Paulo Rodrigues Vieira, preso e afastado do cargo depois que a Polícia Federal deflagrou a Operação Porto Seguro, pode ter se estendido a um número maior de empresas no porto de Santos. Antes de ser nomeado para a ANA, Vieira ocupou por cinco anos o cargo de ouvidor-geral da Agência Nacional de Transportes Aquaviários (Antaq). O Valor teve acesso a um parecer deste período no qual Vieira, contrariando posições da Procuradoria-Geral da agência, defendeu interesses da Deicmar, companhia que movimenta carros no porto de Santos, em uma discussão sobre incorporação de áreas pela empresa.

A Antaq e a ANA instauraram procedimentos internos para apurar fatos e responsabilidades de Vieira nas agências. A sindicância da Antaq, que tem 30 dias para chegar a uma conclusão, deverá analisar o caso do parecer em que Vieira atuou em favor da Deicmar. Procurada para confirmar se a Deicmar faz parte da investigação da Operação Porto Seguro, a Polícia Federal (PF) disse que não informa nomes de pessoas físicas e jurídicas investigadas. Segundo a PF, os diretores de agências reguladoras que foram presos continuam sob custódia e foram detidos em razão da vigência de mandado de prisão preventiva.

Paulo Vieira, apontado como suposto chefe de uma organização criminosa que se infiltrou em diversos órgãos federais para a obtenção de pareceres técnicos fraudulentos com o fim de beneficiar interesses privados, é um deles. Procurado, o advogado de Vieira não retornou a ligação.

O maior negócio flagrado na operação da Polícia Federal foi a aprovação para construção de um complexo portuário com investimento de R$ 2 bilhões na Ilha de Bagres, ao lado de Santos, segundo noticiou ontem a “Folha de S. Paulo”. A empresa responsável pelo projeto, a São Paulo Empreendimentos Portuários (SPE), conseguiu o aforamento oneroso da Ilha de Bagres. A ilha fica no estuário de Santos, mas fora da área do porto organizado, portanto não está sob a alçada da Companhia Docas do Estado de São Paulo (Codesp). A SPE pretende investir R$ 2 bilhões na construção de um complexo privativo de cerca de 1,2 milhão de metros quadrados que inclui estaleiro de reparos navais e instalações de apoio offshore.

O Valor apurou que a demissão do procurador-geral da Antaq, Glauco Alves Cardoso Moreira – um dos três funcionários da agência demitidos na terça por decisão da presidente Dilma Rousseff -, foi motivada por parecer jurídico encaminhado à Advocacia Geral da União (AGU) relacionado à declaração, para fins de utilidade pública e desmatamento, da área da Ilha de Bagres. Fontes entendem que, embora o projeto de Bagres esteja no centro da investigação, outros casos poderão vir à tona.

O caso da Deicmar ocorreu em 2008, quando Vieira ainda estava no primeiro mandato como ouvidor-geral da agência. Em setembro daquele ano, o ex-procurador-geral da Antaq, Aristarte Gonçalves Junior, emitiu parecer solicitando instauração de processo administrativo contencioso (PAC) para apurar supostas irregularidades em contrato de ampliação de área entre a Deicmar e a Codesp, sem a prévia autorização da Antaq.

O que estava em jogo era a incorporação de mais de 60 mil metros quadrados à área da Deicmar, em Santos. No parecer, o ex-procurador cita a intervenção no processo do então ouvidor-geral, Paulo Vieira: “(…) Ocorre que, aquela Ouvidoria-Geral, em sua manifestação, expôs entendimento contrário aos posicionamentos técnicos e jurídicos da Agência anteriormente emitidos sobre a matéria, tendo concluído [Vieira], em síntese, que ‘não há nos autos nem mesmo distante sinal de conduta irregular da Codesp e da arrendatária”.

Vieira sugeriu que não fosse instaurado o PAC. No parecer, o procurador disse que era prerrogativa da comissão processante efetuar as diligências e fiscalizações sobre o caso. Em nota, a Antaq informou ontem que instaurou o PAC contra a Codesp para apurar as supostas irregularidades. O desfecho foi a aplicação, pela agência, de advertência à Codesp. Segundo a agência, foi negado o adensamento da área de 59 mil metros quadrados e convalidado só o adensamento de 5 mil metros quadrados.

A Deicmar movimenta quase metade das cargas rolantes, basicamente veículos, de Santos. O contrato da empresa é de 1991 e terminou em 2011. A empresa, de capital fechado, figura na lista dos cerca de cem terminais cujos contratos são anteriores à Lei dos Portos e venceram ou estão prestes a terminar. A Deicmar afirmou que as áreas discutidas pelo parecer, em 2008, são, na verdade, reincorporação de terrenos originalmente pertencentes à empresa. Em 2007, por razão que a empresa diz desconhecer, a Codesp extinguiu um termo de permissão de uso da Deicmar de 63 mil metros quadrados.

A Codesp encaminhou o processo para aprovação da Antaq. Em 2007, a agência avaliou que a Codesp não cumprira as exigências documentais para reincorporação das áreas ao contrato de arrendamento da Deicmar, razão pela qual decidiu não aprovar o aditivo contratual. Ao saber da decisão, a Deicmar solicitou vistas ao processo. “Devido à demora em se conceder tais informações, acionamos a ouvidoria do órgão, que na época era chefiado pelo sr. Paulo Vieira”, disse o diretor da Deicmar, Gerson Foratto. Ele disse nunca ter tido prévio contato com Vieira. Antes da Antaq, Vieira foi do conselho fiscal da Codesp. Foratto disse que a ouvidoria da Antaq não elaborou parecer sobre o processo, mas expressou opinião de que a Codesp e a empresa seguiam o processo de forma legal, e que caberia à diretoria da agência se manifestar sobre o assunto.

Fonte:Valor Econômico/ Francisco Góes e Fernanda Pires | Do Rio e de Santos



* Esta publicação é de inteira responsabilidade do órgão de imprenssa que a publicou. O nosso papel é apenas manter informado aqueles que acompanham o Blog, de todos os fatos, que de alguma forma, estejam relacionados com a Segurança Portuária, nesse caso, a Operação Porto Seguro, da Polícia Federal.
 
 
 

Nenhum comentário:

Postar um comentário

LEGISLAÇÕES