SEGURANÇA PORTUÁRIA EM FOCO

Noticias e artigos em tudo que envolve a segurança nos portos do Brasil

Postagem em destaque

OPERAÇÃO CONJUNTA DA GUARDA PORTUÁRIA E POLÍCIA CIVIL PRENDE HOMEM APONTADO COMO INTEGRANTE DO COMANDO VERMELHO

  Ele tinha um mandado de prisão preventiva pelo crime de associação para o tráfico de drogas Na noite da sexta-feira (26/01), a Guarda Po...

LEGISLAÇÕES

sábado, 24 de fevereiro de 2024

0

TRIPULANTE FILIPINO É CONDENADO POR TRÁFICO DE DROGAS NO PORTO DE SANTOS

 

Na sentença, o magistrado afirmou que ele coordenava integralmente a logística para o embarque da cocaína

Nesta semana a Justiça Federal condenou um tripulante filipino a oito anos, um mês e seis dias de prisão em regime fechado por ter participado do tráfico internacional de 405 kg de cocaína, aprendidos no dia 10 de novembro de 2023, em operação conjunta da Polícia Federal (PF) e Receita Federal do Brasil (RFB), em um navio no Porto de Santos, no litoral de São Paulo.

O navio seguiria pela rota Sul (sentido América do Sul), com destino à Argentina, para então retornar pela rota Norte (sentido Europa).

Prisão

A PF foi acionada após a identificação de movimentação de objeto sendo içado ao navio, registrado por imagens das câmeras de segurança do Centro de Controle de Operações e Segurança (CCOS), da Guarda Portuária (GPort), da Autoridade Portuária do Porto de Santos.

Após averiguação das imagens, foi identificado o tripulante a bordo do navio na região próxima ao içamento. Durante a abordagem e entrevista, foi apurado que o objeto içado se tratava de bolsa contendo garrafas de whisky.

Bolsa com garrafas de whisk apreendida com o tripulante - Foto; Divulgação PF

Ainda durante a averiguação e inspeção no navio, após atitudes suspeitas, o tripulante relatou participar de esquema de envio de drogas e indicou diversos caminhões no interior do navio sendo exportados e que escondiam tabletes de cocaína.

Após a inspeção dos caminhões, foram localizados em dois deles diversos tabletes de cocaína, totalizando cerca de 405 kg da substância. Além da identificação da droga, foi localizada grande quantidade de dólares junto ao tripulante, recebendo então a voz de prisão.

Dólares apreendidos com o tripulante - Foto: Divulgação PF

Alegação da defesa

A defesa do tripulante alegou que ele teria se envolvido com o tráfico para custear o tratamento do filho, de 5 anos, supostamente com uma doença renal. No entanto, o juiz Roberto Lemos dos Santos Filho, da 5ª Vara Federal de Santos, consideraou como uma tentativa dele de se esquivar da pena.

O juiz destacou que o tripulante tinha alternativas legais para ajudar a criança, e não comprovou que os U$ 26 mil obtidos de forma ilícita seriam usados para tratar o filho.

No seu depoimento o filipino disse que tinha como função vigiar as drogas, mas o juiz apontou, ao tomar a decisão, que as provas coletadas no celular do acusado e nas imagens de câmeras de monitoramento comprovaram o contrário.

Sentença

Na sentença, o magistrado afirmou que ele coordenava integralmente a logística para o embarque da cocaína. "Existem fortes indícios da participação do acusado em outras operações relacionadas ao tráfico internacional de substâncias entorpecentes, tudo sinalizando que não foi a primeira vez que se dedicou a atividades criminosas", apontou o juiz Roberto Lemos dos Santos.


A nossa missão é manter informado àqueles que nos acompanham, de todos os fatos, que de alguma forma, estejam relacionados com a Segurança Portuária em todo o seu contexto. A matéria veiculada apresenta cunho jornalístico e informativo, inexistindo qualquer crítica política ou juízo de valor.   

* Texto: O texto deste artigo relata acontecimentos, baseado em fatos obtidos pelo acesso a fontes jornalísticas reconhecidas e confiáveis e dados observados ou verificados diretamente junto a colaboradores.

* Direitos Autorais: Os artigos e notícias, originais deste Portal, tem a reprodução autorizada pelo autor, desde que, seja mencionada a fonte e adicionado o link do artigo. 



Continue lendo ►

sexta-feira, 23 de fevereiro de 2024

0

PF APREENDE 33,6 KG DE COCAÍNA EM CASCO DE NAVIO NO PORTO DE PARANAGUÁ

 

O fardo com os tabletes de cocaína estavam envoltos em uma cinta de ferro com peso, escondido abaixo da linha d'água desse navio

Na manhã do último domingo (18) a Polícia federal (PF) apreendeu 33,6 kg de cocaína no casco de um navio no Porto de Paranaguá, no litoral do Paraná.

A inspeção do casco do navio por uma equipe de mergulhadores foi realizada após a PF obter informações sobre um possível transporte de drogas para o exterior por meio de um navio mercante.

Os mergulhadores encontraram um fardo, contendo 25 tabletes de cocaína, envoltos em uma cinta de ferro com peso, escondido abaixo da linha d'água desse navio.

A droga apreendida foi encaminhada à sede da Polícia Federal, que instaurou um inquérito para apurar a autoria do crime de tráfico internacional de drogas.


A nossa missão é manter informado àqueles que nos acompanham, de todos os fatos, que de alguma forma, estejam relacionados com a Segurança Portuária em todo o seu contexto. A matéria veiculada apresenta cunho jornalístico e informativo, inexistindo qualquer crítica política ou juízo de valor.   

* Texto: O texto deste artigo relata acontecimentos, baseado em fatos obtidos pelo acesso a fontes jornalísticas reconhecidas e confiáveis e dados observados ou verificados diretamente junto a colaboradores.

* Direitos Autorais: Os artigos e notícias, originais deste Portal, tem a reprodução autorizada pelo autor, desde que, seja mencionada a fonte e adicionado o link do artigo. 

Continue lendo ►

quinta-feira, 22 de fevereiro de 2024

0

CRIMINOSO QUE AGIA NO CANAL DO ESTUÁRIO DO PORTO DE SANTOS É MORTO PELA PM

 

Ele já foi preso pela Guarda Portuária e foi apontado como líder da quadrilha que atirou contra a lancha da Receita Federal

Na manhã da última sexta-feira (16), por volta de 5h50, na Rua Isaudo Martins, no bairro Santa Cruz dos Navegantes, em Guarujá, no litoral de São Paulo, Rodrigo Pires dos Santos, de 40 anos, vulgo Danone e outros dois suspeitos conhecidos como ‘Zinho’ e ‘Americano’, foram mortos durante um confronto com policiais militares da Coordenação de Operações Especiais (COE), tropa de elite da Polícia Militar do Estado de São Paulo.

Eles foram socorridos para a Unidade de Pronto Atendimento (UPA), da Rodoviária, mas não resistiram. A ocorrência foi registrada na Divisão Especializada de Investigações Criminais (DEIC).

Segundo os policiais do COE, eles estavam patrulhando o Canal do Estuário quando avistaram Danone

Segundo a Secretaria de Segurança Pública do Estado de São Paulo (SSP-SP), os policiais militares do COE realizavam patrulha em um barco durante uma operação de combate ao tráfico de drogas na região, quando teriam avistado um homem armado com fuzil na janela de um imóvel, no bairro Santa Cruz dos Navegantes, então, desembarcaram e se deslocaram para o prédio.

Prédio no bairro de Santa Cruz dos Navegantes onde Danone foi avistado com um fuzil na janela

Assim que entraram na edificação, os PMs afirmaram ter avistado um suspeito correndo para dentro de um apartamento, cuja porta teria ficado aberta. No momento em que os agentes se aproximaram do imóvel, eles afirmaram terem sido recebidos a tiros por três suspeitos, dos quais um armado com fuzil e dois com pistolas. Houve confronto entre os agentes e o trio foi baleado. A perícia foi acionada. No imóvel os agentes apreenderam um fuzil e duas pistolas.

Em um vídeo em poder da polícia, o criminoso aparece nas imagens em um baile funk, cercado por vários homens armados segurando sinalizadores, dançando enquanto ergue um fuzil e dá tiros para o alto. Não há informação da data do vídeo.

Danone segurando um fuzil em um Baile Funk, em vídeo em poder da polícia

Segundo a polícia, ele coordenava o tráfico de drogas no Guarujá para o PCC, função conhecida na facção como “torre” ou “geral do progresso”, espécie de gerente regional. Apontado como o responsável pelas articulações entre a cúpula e o “baixo clero” do PCC no Guarujá, se passava por pescador na cidade do litoral paulista para tentar despistar a polícia, segundo registros do Tribunal de Justiça de São Paulo (TJSP).

Em seu cargo, ele tinha a responsabilidade pelos "salves", que orientam ações dos presos. Ainda cabia a ele prestar contas à "sintonia final", formada pelo grupo de líderes da facção.

No mais recente processo movido contra Danone, em 2018, ele declarou que tinha um barco e que ganhava R$ 2 mil por mês como pescador. Na ocasião, o gerente do PCC foi preso por porte ilegal de arma de fogo.

Histórico de crimes

Segundo a SSP, Danone tinha um extenso histórico de crimes. Apontado como integrante da cúpula da organização criminosa Primeiro Comando da Capital – PCC era foragido da Justiça desde dezembro do ano passado, quando teve mandado de prisão preventiva expedida por posse ilegal de arma e tráfico de drogas.

Desde 2003, ele foi alvo de 15 inquéritos, entre eles roubo furto e tráfico de drogas, lavagem de dinheiro e no "tribunal do crime" da facção criminosa paulista.

Danone também era suspeito da participação em atentados contra agentes públicos. O criminoso foi indiciado por homicídio pela Polícia Civil por suspeita de ser um dos responsáveis pela morte do sargento da PM Marcelo Fukuhara. O policial foi fuzilado em 2012, em frente ao buffet da esposa, na Ponta da Praia, em Santos.

Em abril de 2014, após a equipe da lancha da Receita Federal interceptar uma embarcação que navegava no canal do Porto de Santos, com quatro elementos dentro, que havia sequestrado um idoso para roubar o motor de popa de seu barco, eles empreenderam fuga, abandonaram a embarcação e subiram no cais, ocasião em que foi detido pela Guarda Portuária (GPort).

Danone quando foi preso pela Guarda Portuária (Gport)

Ele também é um dos suspeitos de participação no assalto ao Clube de Pesca de Santos, na Ilha das Palmas, em Guarujá, ocorrido na madrugada do dia 9 de maio de 2014.

Em novembro de 2015 foi preso pela Polícia Civil ao ser apontado como o chefe de uma quadrilha que realizava assaltos em várias cidades da Baixada Santista. De acordo com as autoridades, ele era o líder do grupo que foi flagrado atirando contra a Lancha da Receita Federal. No mês anterior, imagens das câmeras de monitoramento registraram a quadrilha fugindo de barco e efetuando os disparos logo após assaltar lojas no Shopping do Ferry Boat Plaza, em Guarujá.

Segundo a polícia, Danone era líder da quadrilha que atirou na lancha da Receita Federal

Ele também é acusado de estar envolvido em dois assaltos a marinas, na Estrada de Bertioga e na Prainha Preta, em junho de 2015. Além disso, ele também foi apontado por receptação dolosa de veículo, já que o automóvel que ele dirigia ao ser preso estava com a placa clonada e foi roubado em Suzano (SP), três meses antes.

Em 2018 foi preso pela 2ª vez por porte ilegal de arma junto com outro homem procurado pela Justiça. Na ocasião, policiais militares avistaram um veículo suspeito entre as ruas João Otávio e João Pessoa, no Centro de Santos. Ao ser abordado, ele confessou que estava com uma pistola municiada.

Danone quando foi preso pela Polícia Militar

Em dezembro do ano passado, ele foi indiciado pela Polícia Civil por suspeita de tráfico de drogas, porte ilegal de arma de fogo e crime contra a fauna. Esse indiciamento ocorreu de forma indireta, sem que ele tivesse sido ouvido em depoimento, e após uma CNH com seu nome ser encontrada onde armas e drogas foram encontradas em uma casa, durante uma operação da Polícia Civil com a Marinha no mês anterior. O boletim de ocorrência cita a apreensão de um fuzil e uma pistola, além de 350 gramas de maconha e 290 gramas de cocaína.

Denunciou perseguição a Corregedoria da PM

Secundo o site acessa, Danone havia procurado a Corregedoria da PM há cinco meses para denunciar o que considerava ser perseguição policial durante a Operação Escudo, realizada pela PM no ano passado.

Ele afirmou à Corregedoria que trabalhava como pescador e estivador e que havia deixado a vida do crime. Ele permaneceu por 35 minutos na sede do órgão, no bairro da Luz, centro de São Paulo, para se queixar de que policiais militares do Baep (Batalhão de Ações Especiais de Polícia) teriam invadido sua casa no dia 31 de agosto.

Segundo o relato, policiais do 10º Baep, com sede na distante Piracicaba, no interior do estado, invadiram sua casa por volta das 18h40 no bairro Santa Cruz dos Navegantes, em Guarujá. Naquela ocasião outras pessoas residiam no imóvel. Os policiais então teriam apresentado um álbum de fotografias aos moradores, contento diversas imagens dele. Um dos questionamentos era se sabiam seu paradeiro.

Danone afirmou ter procurado a Corregedoria naquele 1º de setembro, ou seja, menos de 24 horas depois da invasão, por temer por sua vida e de sua família. Segundo o documento, ele iniciou a conversa com os PMs contando ter tido passagens por furto e receptação, motivos pelo qual seria perseguido. O depoimento foi acompanhado por uma tenente e por um subtenente.

Procurada pelo site, a SSP confirmou a queixa. "Após apuração, não foi encontrada pela Corregedoria nenhuma evidência de perseguição por parte dos policiais ao indivíduo."


A nossa missão é manter informado àqueles que nos acompanham, de todos os fatos, que de alguma forma, estejam relacionados com a Segurança Portuária em todo o seu contexto. A matéria veiculada apresenta cunho jornalístico e informativo, inexistindo qualquer crítica política ou juízo de valor.   

* Texto: O texto deste artigo relata acontecimentos, baseado em fatos obtidos pelo acesso a fontes jornalísticas reconhecidas e confiáveis e dados observados ou verificados diretamente junto a colaboradores.

* Direitos Autorais: Os artigos e notícias, originais deste Portal, tem a reprodução autorizada pelo autor, desde que, seja mencionada a fonte e adicionado o link do artigo. 

Continue lendo ►

quarta-feira, 21 de fevereiro de 2024

0

GUARDAS PORTUÁRIOS INICIAM CAPACITAÇÃO PARA ATUAÇÃO NO NOVO CCCOM DO PORTO DO RIO GRANDE


O investimento executado pela Autoridade Portuária para a modernização das instalações aos padrões de ISPS Code e de Alfandegamento

A empresa pública Portos RS, que administra o Porto de Rio Grande, no estado do Rio Grande do Sul, deu início, na última semana, ao processo de capacitação dos guardas portuários para atuação no novo Centro de Controle e Comunicação (CCCom) do porto.

O investimento integra o pacote de ações executadas pela Autoridade Portuária para a modernização das instalações aos padrões de ISPS Code e de Alfandegamento.

A utilização de recursos de última geração permitirá o aprimoramento das ações de segurança no principal porto marítimo do Rio Grande do Sul. Entre as inovações estão o novo CFTV com inteligência artificial aplicada, os sistemas de defesa de perímetro, de alarme e de comando por alta voz, além do gerenciamento do controle de acesso.

As obras, que atingem toda a infraestrutura portuária, estão sendo executadas pela empresa Eagle, especializada no fornecimento de sistemas de segurança eletrônica e vencedora da licitação realizada pela Portos RS. Os investimentos, avaliados em R$ 46,7 milhões, colocam o Porto do Rio Grande em posição de destaque no atendimento dos padrões internacionais.

De acordo com o diretor de infraestrutura, Lucas Meurer, a modernização das instalações portuárias é algo que vinha sendo planejado pela extinta Superintendência e que agora está sendo concretizado.

O novo CCCom é uma parte desse processo e o investimento em recursos de última geração se refletirá no aprimoramento das ações de segurança e no controle de acesso da unidade”, explicou ele.


A nossa missão é manter informado àqueles que nos acompanham, de todos os fatos, que de alguma forma, estejam relacionados com a Segurança Portuária em todo o seu contexto. A matéria veiculada apresenta cunho jornalístico e informativo, inexistindo qualquer crítica política ou juízo de valor.   

* Texto: O texto deste artigo relata acontecimentos, baseado em fatos obtidos pelo acesso a fontes jornalísticas reconhecidas e confiáveis e dados observados ou verificados diretamente junto a colaboradores.

* Direitos Autorais: Os artigos e notícias, originais deste Portal, tem a reprodução autorizada pelo autor, desde que, seja mencionada a fonte e adicionado o link do artigo. 

Continue lendo ►