SEGURANÇA PORTUÁRIA EM FOCO

SEGURANÇA PORTUÁRIA EM FOCO

Postagem em destaque

FRAUDE TRABALHISTA CONTINUA NA GUARDA PORTUÁRIA DO PORTO DE SANTOS

Funcionários revelam que 29 guardas recebem salários, mas não cumprem turno e trabalham até como policiais civis. A Companhia Docas...

LEGISLAÇÕES

quarta-feira, 12 de agosto de 2020

0

INTERPOL PRENDE TRAFICANTE BRASILEIRO NO URUGUAI

 

Ele foi detido com documentos adulterados; ele é acusado de três assassinatos e de liderar uma organização criminosa de tráfico internacional de cocaína.

Preso pela Interpol (International Criminal Police Organization), o traficante brasileiro Hernandes Oliveira da Silva, conhecido como Mike, simulou a própria morte com direito a lápide, homenagens póstumas e documentos falsos. Suspeito de três assassinatos e de liderar uma organização criminosa internacional, ele adulterou sua identidade para despistar as autoridades, mas acabou detido no Uruguai.

Mike foi localizado em Canelones, a 40 quilômetros da capital Montevidéu, no último dia 22 de julho, por agentes do Departamento de Capturas Internacionais da Interpol. Eles encontraram mais de 64 mil dólares e 126 mil pesos uruguaios – cerca de R$ 351 mil na cotação atual – com o criminoso, que se passava por Ruan Cortes da Silva, supostamente natural do Pará. De acordo com informações da Polícia Federal, no entanto, não há qualquer registro desse nome no estado.

Certificado de óbito falso dizia que ele morreu em 22 de junho (Foto: Divulgação Polícia Civil)


Certificado de óbito falso de Hernandes Oliveira da Silva dizia que ele morreu em 22 de junho em Assunção Foto: Divulgação Polícia CivilDocumento aponta causa como infarto por insuficiência respiratória’ (Foto: Divulgação Polícia Civil)

Documentos mostram que Mike teria morrido por conta de um “infarto por insuficiência respiratória” em 22 de junho, na capital paraguaia Assunção. Além do certificado de óbito, duas homenagens a ele foram publicadas na seção de serviços fúnebres de um jornal local, com o intuito de tornar a morte ainda mais crível. Uma das mensagens dizia: “Baixinho, como o chamavam seus amigos e familiares. Seus amigos de Ciudad del Este e Foz do Iguaçu acompanhamos seus familiares em tão triste dor. Que descanse em paz”.

Página do jornal com as homenagens a Hernander Oliveira da Silva Foto: Divulgação Polícia Civil

 “O boato que circulava era de que ele morreu com Covid-19 e que o caixão estava fechado, além desses documentos”, disse a delegada Tathiana Guzella, do Departamento de Homicídios e de Proteção à Pessoa (DHPP) no Paraná. “Faz todo sentido ele ser, em tese, enterrado num país em que não temos acesso para exumar e realizar qualquer perícia”.

A delegada já encaminhou uma solicitação via Interpol ao governo do Paraguai, para obter mais detalhes sobre o contexto da morte forjada. Segundo informações passadas pelas autoridades uruguaias, o traficante foi autuado por crime fiscal ao ser detido com quantias elevadas de dinheiro. Ele cumpre prisão preventiva no país – sem data para acabar.

A Polícia Civil no Paraná investiga Mike desde novembro do ano passado pelo assassinato do ex-policial Samir Skandar e seu funcionário Alvari de Paula Silva. O crime ocorreu em um barracão no Bairro Alto, em Curitiba. No curso das apurações, verificou-se que o suspeito integrava uma organização criminosa de tráfico internacional de cocaína vindo da Bolívia. Ele era apontado como chefe do grupo no Sul do Brasil, por onde a droga passava antes de ser enviada à Europa. De acordo com a polícia, há provas e indícios de que ele estava envolvido no esquema.

O traficante foi preso em março deste ano no município de Itapema, em Santa Catarina, por tentativa de feminicídio – homicídio contra a mulher pelo fato de ela ser do sexo feminino. Assim que soube da detenção, a DHPP pediu a inclusão de um mandado por duplo homicídio qualificado, atendido pela 2ª Vara do Tribunal do Júri.

Por uma falha no sistema, Mike acabou em liberdade provisória após revogação da ordem que ensejou sua prisão, embora o outro mandado permanecesse valendo. De acordo com a Polícia Civil, o servidor que se equivocou já foi punido.

“Desde então, ele nunca mais foi encontrado. Mike tinha plena ciência da nossa investigação e, por isso, tentou se passar por morto. Ainda não sabemos por quem ele foi assessorado, mas certamente ele teve ajuda para orquestrar tudo isso”, afirmou a delegada.

O mandado contra o traficante foi inserido na difusão vermelha da Interpol, o alerta internacional expedido pela Justiça de países membros. A partir do depoimento de testemunhas, a DHPP recebeu a informação de que Mike costumava passar temporadas no Uruguai, onde teria uma casa, e acionou as autoridades do país. O criminoso foi reconhecido em um veículo e apresentou documentos adulterados à polícia local, mas sua identidade foi confirmada pelas impressões digitais.

“Para completar, a foto que constava na sua identidade falsa era exatamente a mesma da publicação do jornal paraguaio. Ele nem se deu o trabalho de tirar outra foto. As tatuagens também eram as mesmas. Temos inúmeras provas de que ele usava documento falso no nome de Ruan”, disse Guzella.

Mike usava identidade com nome de Ruan Cortes da Silva Foto: Divulgação Polícia Civil

Segundo a Polícia Civil do Paraná, Mike será indiciado por duplo homicídio qualificado e organização criminosa. A Polícia Federal apura outros crimes, cuja investigação segue em sigilo. Ele já havia sido preso por tráfico de entorpecentes, além do caso de feminicídio. Cabe à justiça brasileira solicitar sua extradição. O traficante ainda poderá ser investigado pelas autoridades paraguaias por forjar sua morte, de acordo com a legislação do país.

No dia 20 de julho, a Polícia Rodoviária Federal (PRF) prendeu, em São Paulo, o croata Luka Maric, de 28 anos, comparsade Mike. Ele também estava foragido e era procurado pela Interpol.

O crime

Integrantes da organização de tráfico internacional, Mike e Maric teriam ordenado as execuções de Samir Skandar e Alvari de Paula Silva, assassinados com vários disparos. A polícia descobriu que Skandar foi morto após o grupo, no qual ele havia acabado de ingressar, ter descoberto que ele era policial. As autoridades acreditam que o ex-policial tentou se infiltrar na organização para investigá-la. Em uma troca de mensagens, a polícia verificou que Skandar não cumpriu uma ordem de Mike para sequestrar uma pessoa identificada como “papa-léguas”.

Troca de mensagens entra Mike e o ex-policial Samir Skandar Foto: Divulgação Polícia Civil

Mike ainda é investigado pela morte do sérvio Marjan Jocic, que seria integrante da mesma quadrilha. O corpo dele foi encontrado no dia 4 de maio deste ano, em um lago em Campo Magro, na Região Metropolitana de Curitiba. Outras duas pessoas foram presas temporariamente por envolvimento no assassinato dias após o crime. Elas foram soltas no início de junho por decisão da Justiça e vão responder pelo crime em liberdade.

Fonte: Revista Época



Esta publicação é de inteira responsabilidade do autor e do veículo que a divulgou. A nossa missão é manter informado àqueles que nos acompanham, de todos os fatos, que de alguma forma, estejam relacionados com a Guarda Portuária e a Segurança Portuária em todo o seu contexto. A matéria veiculada apresenta cunho jornalístico e informativo, inexistindo qualquer crítica política ou juízo de valor.      
                                                                                       
* Direitos Autorais: Os artigos e notícias, originais deste Portal, tem a reprodução autorizada pelo autor, desde que, seja mencionada a fonte e um link seja posto para o mesmo. O mínimo que se espera é o respeito com quem se dedica para obter a informação, a fim de poder retransmitir aos outros.


Continue lendo ►

terça-feira, 11 de agosto de 2020

0

CONPORTOS ESCLARECE SOBRE PROCESSO DE AVALIÇÃO DE RISCO REALIZADA NOS PORTOS BRASILEIROS

 

Medidas de prevenção, mitigação de eventos indesejados e redução de vulnerabilidades portuárias são focos da atuação da Comissão.

A explosão ocorrida na região portuária de Beirute, no Líbano, e amplamente divulgados pela imprensa mundial, expos a importância de se estabelecer procedimentos de análise de riscos com ênfase em instalações portuárias, traduzidos por meio de um estudo de avaliação de riscos e implementado pelo Plano de Segurança Portuária (PSP).

Enquanto as entidades governamentais libanesas não definem as causas exatas da explosão, autoridades daquele país afirmam que havia grande quantidade estocada de nitrato de amônia, material altamente inflamável.

No Brasil, incumbe à Comissão Nacional de Segurança Pública nos Portos, Terminais e Vias Navegáveis (CONPORTOS) a implantação de uma metodologia para avaliações de segurança de modo a desenvolver planos e procedimentos, a fim de responder às ameaças reais ou potenciais que podem impactar a atividade portuária, definidos pelo Código Internacional para a Proteção de Navios e InstalaçõesPortuárias (Código ISPS).

Nesse contexto, a Conportos esclarece que vem desenvolvendo um processo de avaliação de riscos que trata tanto de questões relacionadas a ataques e atentados (SECURITY), quanto àquelas voltadas para incidentes (SAFETY).

A análise de risco aplicada ao contexto portuário permite encontrar o ponto de equilíbrio para adoção de medidas de prevenção e mitigação de eventos indesejados, pelo que auxilia processo de redução das vulnerabilidades portuária, ao mesmo tempo em que indica a elaboração de planos de contingência, caso um determinado risco concretize-se.


A nossa missão é manter informado àqueles que nos acompanham, de todos os fatos, que de alguma forma, estejam relacionados com a Guarda Portuária e a Segurança Portuária em todo o seu contexto. A matéria veiculada apresenta cunho jornalístico e informativo, inexistindo qualquer crítica política ou juízo de valor.
      

* Direitos Autorais: Os artigos e notícias, originais deste Portal, tem a reprodução autorizada pelo autor, desde que, seja mencionada a fonte e um link seja posto para o mesmo. O mínimo que se espera é o respeito com quem se dedica para obter a informação, a fim de poder retransmitir aos outros.

Continue lendo ►

segunda-feira, 10 de agosto de 2020

0

CROATA PROCURADO PELA INTERPOL É PRESO PELA PRF

 

Ele era procurado por tráfico internacional de drogas e homicídio, entre outros crimes.

Uma equipe da Polícia Rodoviária Federal (PRF) prendeu, no dia 21 de julho, o croata Luka Maric, 28 anos, procurado pela Interpol (International Criminal Police Organization). Ele era é procurado por diversos crimes, como tráfico internacional de drogas e homicídio.

A prisão ocorreu na praça de pedágio do km 426 da Rodovia BR 116, na altura da cidade Juquiá, no interior de São Paulo, durante a “Operação Tamoio III”.

Abordagem

Na praça de pedágio os policiais abordaram um veículo da marca Nissan, modelo Versa, de cor prata, com placas de Guarujá (SP). Ao procederem a revista foram encontradas duas mochilas. Dentro de uma delas, a do croata, havia um compartimento secreto com R$ 9.420,00 em espécie.

O motorista alegou que foi contratado pelo irmão para transportar Luka Maric de Balneário Camboriú (SC), para a cidade de Santos (SP).

 

Ao efetuarem consulta a Central, os policiais foram informados que Luka era natural da Croácia e estava sendo procurado pela Interpol, sendo suspeito por vários crimes, dentre eles, tráfico internacional de drogas e homicídio, além de integrar uma organização criminosa internacional, recebendo então de imediato a voz de prisão.

Ele foi encaminhado para o Departamento de Homicídios e Proteção a Pessoa (DHPP) da Polícia Civil, em Curitiba, no Paraná.

Organização Criminosa

O croata é acusado de gerenciar uma organização criminosa, cujo líder seria o brasileiro Hernandes Oliveira da Silva, conhecido como “Mike” ou “Baixinho”, que está foragido. Ele e o croata Luka Maric possuem mandado de prisão preventiva e são procurados internacionalmente.

Assassinato de ex-policial


Maric e “Mike” são acusados pelo assassinato do ex-policial civil Samir Skandar e do seu funcionário, o porteiro Avalri de Paula, ocorrido no dia 9 de novembro do ano passado, em um barracão, na Linha Verde, no Bairro Alto, em Curitiba (PR).

Eles também são investigados pela morte do sérvio Marjan Jocic, que fazia parte da mesma organização criminosa. Seu corpo foi encontrado no dia 4 de maio deste ano, em um lago em Campo Magro, na Região Metropolitana de Curitiba. Um terceiro suspeito pelos crimes foi preso no dia 14 em Balneário Camboriú, no litoral de Santa Catarina.

As investigações apontam que o Marjan teria envolvimento no duplo assassinato, a mando de Mike e Maric. Ele e um amigo esloveno, que está desaparecido, se mudaram de Camboriú para Curitiba dias antes da morte de Samir. As autoridades acreditam que Marjan assumiu o lugar do Samir na organização sendo o responsável pela remessa de 240 quilos de cocaína.

Esta droga, vinda da Bolívia e de altíssima qualidade, inserida em uma carga de sulfeto metálico no Porto de Paranaguá (PR), com destino ao Porto da Antuérpia, na Bélgica, foi interceptada pela polícia.

Outros dois homens suspeitos de envolvimento no assassinato de Jocic, foram presos temporariamente dias após o fato. Por decisão da justiça, foram soltos no início de junho deste ano e irão responder pelo crime em liberdade. As investigações apontam que eles fazem parte do grupo criminoso comandado por “Mike”.

Motivo do crime

O crime ocorreu após 1.420 kg de cocaína, com destino a Lisboa, em Portugal ser interceptado no aeroporto de Curitiba deixando os chefões irritados, fazendo com que começasse a caçar quem poderia ter entregado o esquema. Foi então que descobriram que Samir foi policial e nunca havia contado para a organização, acabando morto.

As investigações apontaram que Samir não tinha a intenção de mandar a cocaína, como queria a organização “Ele planejava aplicar um golpe no grupo ficando com os valores", afirmou a delegada Tathiana Guzella, da Polícia Civil do Paraná (PCPR).

Prisão e soltura de “Mike”

“Mike” chegou a ser preso em Camboriú (SC) por dois mandados. Um pela morte de Samir e Alvari, em Curitiba, e outro por uma tentativa de feminicídio contra a própria esposa. Ele conseguiu a revogação do mandado deste crime, mas havia o duplo homicídio, no entanto, foi colocado em liberdade por um erro do sistema penitenciário catarinense.

No momento da prisão ele admitiu ser integrante do grupo e de ter entregado em um hotel na Avenida Paulista, em São Paulo, dois pacotes com drogas e dinheiro para que o piloto que iria comandar um jato G550, de grande autonomia de voo, de Curitiba até a Bélgica, carregado de droga.

"Um dos pacotes tinha quatro pacotes de cocaína, avaliada em 90 mil dólares. O outro tinha R$ 150 mil em dinheiro. Era o pagamento ao piloto. Este jato foi locado por R$ 1,3 milhão. Mas a ideia da quadrilha era experimentar o avião para comprar ou um novo por R$ 65 milhões, ou um usado por R$ 35 milhões. Mas esta remessa não aconteceu porque a droga foi interceptada pela polícia".

Portos e aeroportos

Segundo a delegada Tathiana Guzella, da Polícia Civil do Paraná (PCPR) os dois fazem parte de uma organização criminosa de tráfico internacional que traz a droga da Bolívia, passando pelo Paraná e seguindo para a Europa, tendo todas as vertentes de uma trama com policiais infiltrados.

“O esquema é muito complexo, com muito dinheiro, muita tecnologia envolvida. Ele estava sendo investigado por outros crimes, por outros órgãos da polícia e hoje conseguimos uma vitória com a retirada dessa pessoa da comunidade”, disse a delegada.

As autoridades acreditam que essa célula criminosa pode estar envolvida no envio de cocaína para o exterior através dos portos de Paranaguá, Santos, além de portos do estado de Santa Catarina.



A nossa missão é manter informado àqueles que nos acompanham, de todos os fatos, que de alguma forma, estejam relacionados com a Guarda Portuária e a Segurança Portuária em todo o seu contexto. A matéria veiculada apresenta cunho jornalístico e informativo, inexistindo qualquer crítica política ou juízo de valor.
      

* Direitos Autorais: Os artigos e notícias, originais deste Portal, tem a reprodução autorizada pelo autor, desde que, seja mencionada a fonte e um link seja posto para o mesmo. O mínimo que se espera é o respeito com quem se dedica para obter a informação, a fim de poder retransmitir aos outros.

Continue lendo ►

sexta-feira, 7 de agosto de 2020

0

RECEITA FEDERAL APREENDE 219 KG DE COCAÍNA NO PORTO DE SANTOS

 

Droga estava oculta em carga de açúcar e seu destino era a Somália, com baldeação em Gioia Tauro, na Itália.

Em uma ação realizada, ontem, quinta-feira, 6 de agosto, equipes da Receita Federal do Brasil (RFB) interceptaram 219 kg de cocaína no Porto de Santos, litoral de São Paulo. A droga estava escondida em uma carga de exportação.

A carga lícita era composta por açúcar e seu destino era a Somália, com baldeação em Gioia Tauro, na Itália. O contêiner foi selecionado para conferência através de critérios objetivos de análise de risco, incluindo a inspeção não intrusiva por escâner.

A droga interceptada pela RFB foi entregue à Polícia Federal (PF), que acompanhou a operação a partir de sua localização e prosseguirá com as investigações a partir das informações fornecidas pela Receita Federal.

Esta foi a terceira interceptação de cocaína da semana realizada no Porto de Santos. Na segunda-feira (3), foram encontrados 129 kg da droga escondidos na porta de um contêiner. Na terça-feira (4), equipes localizaram 388 kg da mesma substância em uma carga de pó de guaraná.

Nos três dias de ações no porto santista, foram localizados 736 kg de cocaína. Segundo a RFB, a soma do ano chega a 12,1 toneladas.


A nossa missão é manter informado àqueles que nos acompanham, de todos os fatos, que de alguma forma, estejam relacionados com a Guarda Portuária e a Segurança Portuária em todo o seu contexto. A matéria veiculada apresenta cunho jornalístico e informativo, inexistindo qualquer crítica política ou juízo de valor.
      

* Direitos Autorais: Os artigos e notícias, originais deste Portal, tem a reprodução autorizada pelo autor, desde que, seja mencionada a fonte e um link seja posto para o mesmo. O mínimo que se espera é o respeito com quem se dedica para obter a informação, a fim de poder retransmitir aos outros.


Continue lendo ►

quinta-feira, 6 de agosto de 2020

0

GUARDAS PORTUÁRIOS ESCOLTAM VEÍCULO COM BEBÊ RECÉM-NASCIDO ATÉ O HOSPITAL


Os guardas abriram o trânsito, bloquearam cruzamentos e pararam até o VLT para a passagem do veículo.

No último sábado, 1º de agosto, guardas portuários do Porto de Santos, no litoral de São Paulo, escoltaram um veículo com a presença de um recém-nascido dentro, abrindo caminho para a rápida chegada ao hospital. Até a composição do VLT – Veículo Leve Sobre Trilhos foi parado para a passagem do veículo.

Por volta das 6h35, os guardas portuários César Augusto Rodrigues Netto, José Vitor da Silva e Carlos Alberto De Paula Batista realizavam um patrulhamento pela Avenida Rodrigues Alves, no bairro do Macuco, em Santos, quando foram abordados pelo motorista, Marcelo Santos de Andrade, que pediu auxílio para chegar o mais rapidamente possível ao hospital São Lucas, no bairro de Vila Mathias, pois a sua esposa, Silvane da Silva Castro de Andrade acabava de dar à luz no interior do veículo.

Segundo Marcelo, a bebê, batizada de Lívia Castro de Andrade, nasceu às 6h32 e deu entrada no hospital às 6h45. Além de bloquear as vias quando necessário, os guardas portuários agilizaram o atendimento da equipe médica e providenciaram uma maca para o transporte da mãe e do bebê.

“Nós estávamos em Guarujá, onde moramos, quando começaram as contrações. Quando a balsa que faz a travessia estava atracando em Santos a Lívia nasceu. Enquanto eu dirigia o veículo, a mãe entrou em trabalho de parto. Ao nascer ela colocou a criança no peito e deu tapinhas para ela chorar”, contou o pai.

Marcelo também é portuário e atua no terminal da Localfrio, em Guarujá, na Margem esquerda do Porro de Santos.

No dia seguinte, a equipe da Guarda Portuária retornou ao hospital e entregou presentes para a família. Para Cesar, que conduzia a viatura, a cena ficará na memória. “Foi uma honra podermos ajudar o casal Marcelo e Silvane chegar ao hospital com o bebê em segurança”

“Foi emocionante, em 35 anos de profissão essa foi a primeira vez que passei por uma situação dessas. A travessia dos semáforos foi feita com segurança, pois um carro particular nos acompanhava. A maior felicidade foi ver a criança chorar ao ser colocada na maca quando chegou no hospital” contou De Paula.

“Temos uma linda história para contar, foi emocionante, paramos até o VLT para a passagem do veículo. As pessoas podem sempre contar com a Guarda Portuária”. Falou Vitor.


A nossa missão é manter informado àqueles que nos acompanham, de todos os fatos, que de alguma forma, estejam relacionados com a Guarda Portuária e a Segurança Portuária em todo o seu contexto. A matéria veiculada apresenta cunho jornalístico e informativo, inexistindo qualquer crítica política ou juízo de valor.
      
* Direitos Autorais: Os artigos e notícias, originais deste Portal, tem a reprodução autorizada pelo autor, desde que, seja mencionada a fonte e um link seja posto para o mesmo. O mínimo que se espera é o respeito com quem se dedica para obter a informação, a fim de poder retransmitir aos outros.
Continue lendo ►

quarta-feira, 5 de agosto de 2020

0

RECEITA FEDERAL APREENDE 388 KG DE COCAÍNA EM CARGA DE EXPORTAÇÃO NO PORTO DE SANTOS



A carga lícita era de pó de guaraná, cujo destino seria o Porto de Algeciras, na Espanha.
Na manhã de ontem, terça-feira, 4 de agosto, em uma ação realizada pela Receita Federal do Brasil (RFB) no Porto de Santos foi localizado 388 kg de cocaína escondidos em uma carga que seria exportada para a Europa.
A carga lícita era de pó de guaraná, cujo destino seria o Porto de Algeciras, na Espanha. A carga foi selecionada para conferência através de critérios objetivos de análise de risco, incluindo a inspeção não intrusiva por imagens de escâner.

Durante a inspeção, o cão de faro da Receita Federal sinalizou positivamente para a presença de drogas. Aberta a carga, foram localizados diversos tabletes de cocaína em seu interior, que totalizaram 388 kg.
Na segunda-feira (03) a RFB já havia apreendido 129 kg de cocaína em um contêiner carregado de suco de laranja com destino ao Porto de Antuérpia, na Bélgica.
Com a ação de hoje, a Receita Federal atinge a marca de 11,9 toneladas de cocaína interceptadas em cargas de exportação este ano no Porto de Santos.

A droga localizada pela Alfândega da Receita Federal foi entregue à Polícia Federal (PF), que acompanhou a operação a partir de sua localização e prosseguirá com as investigações a partir das informações fornecidas pela Receita.


A nossa missão é manter informado àqueles que nos acompanham, de todos os fatos, que de alguma forma, estejam relacionados com a Guarda Portuária e a Segurança Portuária em todo o seu contexto. A matéria veiculada apresenta cunho jornalístico e informativo, inexistindo qualquer crítica política ou juízo de valor.
      
* Direitos Autorais: Os artigos e notícias, originais deste Portal, tem a reprodução autorizada pelo autor, desde que, seja mencionada a fonte e um link seja posto para o mesmo. O mínimo que se espera é o respeito com quem se dedica para obter a informação, a fim de poder retransmitir aos outros.
Continue lendo ►