SEGURANÇA PORTUÁRIA EM FOCO

SEGURANÇA PORTUÁRIA EM FOCO

Postagem em destaque

CONPORTOS ABRE AS INSCRIÇÕES PARA O CURSO ESPECIAL DE SUPERVISÃO EM SEGURANÇA PORTUÁRIA

  O período de inscrição é de 18 de maio de 2022 a 05 de junho. Serão disponibilizadas 240 (duzentas e quarenta) vagas A Comissão Nacional...

LEGISLAÇÕES

sexta-feira, 27 de maio de 2022

0

RECEITA FEDERAL APREENDE 161 KG DE COCAÍNA EM PARANAGUÁ

 

Cargas ilegais vinham da Bélgica e estavam escondidas em motores de contêineres refrigerados

A Receita Federal do Brasil (RFB) realizou, em duas ações distintas, a apreensão de 161 kg de cocaína que estavam escondidos em contêineres refrigerados na manhã do dia 20/5 no Porto de Paranaguá (PR). Já são cinco apreensões da droga realizada pelos servidores do órgão no porto paranaense em 2022, totalizando 280 kg.

Ao contrário das apreensões anteriores em que a cocaína foi apreendida antes de ser enviada para a Europa, nos dois casos os pacotes de drogas estavam em contêineres vindos do exterior, tendo a cidade de Antuérpia na Bélgica como porto de origem antes da entrada no território brasileiro.

Primeira Apreensão

Na apreensão maior, 146 kg de cocaína foram encontrados entre o fundo do contêiner e o motor de refrigeração utilizado para manter a qualidade de cargas perecíveis. O contêiner estava vazio e retornando do exterior quando os servidores da RFB realizaram a inspeção por meio do uso de scanner e notaram a discrepância nas imagens.

Como a Bélgica não é uma nação produtora de cocaína, a hipótese mais provável é que a droga tenha sido embarcada em algum país da América do Sul e os traficantes não conseguiram retirar a carga ilegal no destino planejado originalmente. O contêiner teria seguido então pelas rotas marítimas até ser localizado em Paranaguá, pela RFB.

Nesta apreensão, chamou a atenção o fato de os tabletes de cocaína estarem marcados com a palavra “Covid”. As marcações nos tabletes são utilizadas pelo crime organizado para identificar as facções responsáveis pela remessa da droga.

Segunda Apreensão

A segunda apreensão, de 15 kg, foi efetuada após a abertura do motor de um contêiner que também veio da Bélgica, e estava sendo carregado com perus congelados para ser enviado ao México. Neste caso, a droga estava dentro dos mecanismos do reefer (frigorífico), o que fez com que sua retirada demorasse mais de uma hora.

A hipótese mais provável é que os receptores da droga na Bélgica também não conseguiram retirar a carga no Porto de Antuérpia e tiveram que abandonar o produto para não serem pegos pelas autoridades policiais. Ao chegar a Paranaguá, a inspeção por scanner apontou o volume extra no motor refrigerado.

A inspeção por scanners é uma das medidas adotadas pela RFB para realizar a verificação das mercadorias de maneira não invasiva, garantido a agilidade no comércio exterior e ao mesmo tempo impedindo a ação de criminosos que buscam enviar e receber ilegalmente mercadorias utilizando as unidades alfandegadas brasileiras.

O entorpecente foi encaminhado para a sede da Polícia Federal (PF), que seguirá com as investigações.

Veja o vídeo no nosso canal do You Tube:


A nossa missão é manter informado àqueles que nos acompanham, de todos os fatos, que de alguma forma, estejam relacionados com a Segurança Portuária em todo o seu contexto. A matéria veiculada apresenta cunho jornalístico e informativo, inexistindo qualquer crítica política ou juízo de valor.      

* Direitos Autorais: Os artigos e notícias, originais deste Portal, tem a reprodução autorizada pelo autor, desde que, seja mencionada a fonte e um link seja posto para o mesmo. O mínimo que se espera é o respeito com quem se dedica para obter a informação, a fim de poder retransmitir aos outros.
Continue lendo ►

quinta-feira, 26 de maio de 2022

0

ANTAQ EMITE SEIS NOTIFICAÇÕES DURANTE FISCALIZAÇÃO NO PORTO DE SÃO SEBASTIÃO

 

Operação Porto Limpo aconteceu entre os dias 16 e 19 de maio e contou com a participação de outros órgãos públicos

A Agência Nacional de Transportes Aquaviários - ANTAQ emitiu seis notificações de correção de irregularidade durante a Operação Porto Limpo, realizada entre os dias 16 e 19 de maio, no Porto de São Sebastião (SP). Com foco nas instalações que movimentam granéis, a Agência fiscalizou o porto público e um terminal de uso privado. Foram também fiscalizados a Autoridade Portuária e operadores portuários do porto público, além das condições de higiene e limpeza dos caminhões que circularam nas vias públicas na área portuária.

O fiscal da ANTAQ, Daniel Santos, lotado na Unidade Regional de São Paulo (URESP) e que participou da operação, explicou que houve seis notificações, mas com treze atos infracionais. “Houve notificação com mais de um ato infracional encontrado”, afirmou.

Entre as infrações encontradas estão: não assegurar condições mínimas de higiene e limpeza nas áreas e instalações; e deixar de assegurar a atualidade na execução do serviço portuário. De acordo com as normas da ANTAQ, o ente que foi notificado precisará regularizar aspectos relacionados à higiene e à limpeza, apontados pelos fiscais da autarquia dentro do prazo estabelecido.

A Operação Porto Limpo teve como objetivo aferir as condições de higiene e limpeza das operações portuárias e verificar o cumprimento das melhores práticas no controle da proliferação de fauna sinantrópica (composta por espécies de animais que interagem de forma negativa com a população humana).

Participaram da ação a Companhia Docas de São Sebastião (CDSS), a Prefeitura de São Sebastião, o Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis (Ibama), a Marinha do Brasil, entre outros órgãos.

Vale ressaltar a participação, nas reuniões preparatórias da operação conjunta, da sociedade civil, sobretudo no compartilhamento de informações pertinentes à temática da higiene e da limpeza. Os agentes de fiscalização da ANTAQ ouviram relatos e experiências de representantes da comunidade que vivem na baía do Araçá, área que é diretamente impactada pelas operações do porto público.

Santos

A Operação Porto Limpo também ocorreu no Porto de Santos (SP). Entre os dias 25 e 29 de abril, a Agência fiscalizou 14 terminais de granéis sólidos, além de operadores, terminais de uso privado (TUPs), a Autoridade Portuária e caminhões que circularam em vias públicas na área do complexo portuário. Como resultado da operação, a Agência emitiu 28 notificações e nove autuações com base no Código Nacional de Trânsito, pela Guarda Portuária (GPort).


A nossa missão é manter informado àqueles que nos acompanham, de todos os fatos, que de alguma forma, estejam relacionados com a Segurança Portuária em todo o seu contexto. A matéria veiculada apresenta cunho jornalístico e informativo, inexistindo qualquer crítica política ou juízo de valor.      

* Direitos Autorais: Os artigos e notícias, originais deste Portal, tem a reprodução autorizada pelo autor, desde que, seja mencionada a fonte e um link seja posto para o mesmo. O mínimo que se espera é o respeito com quem se dedica para obter a informação, a fim de poder retransmitir aos outros.

Continue lendo ►
0

PUBLICADA PORTARIA QUE REGULAMENTA A VERIFICAÇÃO REMOTA DE MERCADORIAS

 

A verificação remota poderá ser utilizada pela Receita Federal e pelos demais órgãos ou entidades da administração pública federal

Foi publicada no Diário Oficial da União nº 90, de 13 de maio de 2022, a Portaria Coana nº 75, de 12 de maio de 2022, que regulamenta os requisitos e procedimentos para a verificação física remota de mercadorias nos despachos de importação, de exportação e de trânsito aduaneiro, pela Receita Federal, a verificação pelo importador, além da inspeção física de produtos, e as especificações técnicas do sistema informatizado, a ser disponibilizado pelo local ou recinto alfandegado.

Atualmente, as diversas unidades locais aduaneiras da Receita Federal adotam procedimentos para a verificação física por meio de câmeras conforme regulamentação do titular de cada unidade de despacho aduaneiro, os quais foram fundamentais durante o período de enfretamento da pandemia da covid-19. A Portaria Coana nº 75, de 2022, padroniza, em âmbito nacional, os procedimentos de verificação remota de mercadorias.

O ato normativo também oferece condições para que a inspeção física remota, realizada por servidores dos demais órgãos ou entidades da administração pública federal, participantes do Sistema Integrado de Comércio Exterior, possa ser realizada de forma conjunta, ou que as imagens gravadas nas verificações físicas possam ser acessadas por aqueles servidores.

A Portaria tem como finalidades evitar a movimentação descoordenada de mercadorias para áreas de verificação e reduzir o tempo necessário para sua liberação, benefícios diretos para o importador e o exportador, que também poderão acompanhar o evento de verificação de forma remota.

O sistema informatizado deverá ser disponibilizado pelos locais ou recintos já alfandegados até 2 de setembro de 2022, conforme dispõe o inciso I do art. 43 da Portaria RFB nº 143, de 11 de fevereiro de 2022.


A nossa missão é manter informado àqueles que nos acompanham, de todos os fatos, que de alguma forma, estejam relacionados com a Segurança Portuária em todo o seu contexto. A matéria veiculada apresenta cunho jornalístico e informativo, inexistindo qualquer crítica política ou juízo de valor.      

* Direitos Autorais: Os artigos e notícias, originais deste Portal, tem a reprodução autorizada pelo autor, desde que, seja mencionada a fonte e um link seja posto para o mesmo. O mínimo que se espera é o respeito com quem se dedica para obter a informação, a fim de poder retransmitir aos outros.
Continue lendo ►
0

GCM LOCALIZA 81 KG DE COCAINA EM PARANAGUÁ

 

De acordo com a GCM, da forma que a droga estava embalada e acondicionada, ela teria como destino um navio atracado no Porto de Paranaguá

Uma equipe da Ronda Ostensiva Municipal, da Guarda Civil Municipal (ROMU-GCM) localizou 81 kg de pasta base de cocaína, em Paranaguá.

O entorpecente foi localizado na manhã de 13 de maio, em uma casa, na Travessa Jorge de Jesus, bairro Palmital. No local, ninguém foi preso.

Segundo o comandante da GCM, Leônidas Martins, uma equipe da ROMU realizava patrulhamento pela Rua Odilon Mader, no bairro Palmital, quando foi abordada por um homem relatando o som alto e uma movimentação estranha, durante a última madrugada, num imóvel próximo.

“Ao se dirigirem ao local indicado, os guardas encontram o imóvel com a porta e portão abertos e, durante a incursão, acabaram se deparando com a droga, já dentro das bolsas, na sala, prontas para serem levadas para outro local”, disse o comandante.

Ao entrar no imóvel para verificar se havia algo de ilícito, os guardas visualizaram cinco bolsas de viagem, contendo 81 kg de base de cocaína, divididos em 78 tabletes.

De acordo com a GCM, da forma que a droga estava embalada e acondicionada, leva a crer que ela teria como destino um navio atracado no Porto de Paranaguá. O que configura tráfico internacional de drogas.

O entorpecente, avaliado em cerca de mais de R$ 8 milhões, foi encaminhado para a Delegacia Cidadã de Paranaguá.


A nossa missão é manter informado àqueles que nos acompanham, de todos os fatos, que de alguma forma, estejam relacionados com a Segurança Portuária em todo o seu contexto. A matéria veiculada apresenta cunho jornalístico e informativo, inexistindo qualquer crítica política ou juízo de valor.      

* Direitos Autorais: Os artigos e notícias, originais deste Portal, tem a reprodução autorizada pelo autor, desde que, seja mencionada a fonte e um link seja posto para o mesmo. O mínimo que se espera é o respeito com quem se dedica para obter a informação, a fim de poder retransmitir aos outros.

Continue lendo ►

quarta-feira, 25 de maio de 2022

0

RECEITA FEDERAL E POLÍCIA CIVIL APREENDEM CERCA DE 80 KG DE COCAÍNA EM ITAGUAÍ, NO RIO DE JANEIRO

A droga foi apreendida com material de mergulho, o que indica que seria escondida em cascos de navios

A Receita Federal do Brasil (RFB) e a Polícia Civil do Estado do Rio de Janeiro (PCERJ), em ação conjunta, apreenderam, em 13 de maio, aproximadamente 80 kg de cocaína pura em um sítio em Itaguaí, município da Região Metropolitana do Rio de Janeiro.

Junto com a droga, os policiais apreenderam um equipamento de mergulho, conhecido como sea scooter, um tipo de motor usado para deslocamento de mergulhadores quando no fundo do mar, o que indica que seria escondida em cascos de navios para exportação na tentativa de driblar o controle aduaneiro.

“A droga é comprada em países produtores da América Latina, por U$ 1000, aproximadamente, e revendida na Europa por até € 40.000”, declarou o delegado Marcus Amim, titular da DRE.

Três pessoas foram conduzidas para a DRE, que está avaliando o caso.

O trabalho foi realizado pela Divisão de Vigilância e Repressão ao Contrabando e Descaminho da Receita Federal do Brasil na 7ª Região Fiscal, que engloba os estados do Rio e Espírito Santo, e pela Delegacia de Repressão a Entorpecentes (DRE), da Polícia Civil do Estado do Rio de Janeiro.

Porto de Itaguaí na rota do tráfico

Em agosto do ano passado, a Polícia Federal apreendeu 400 kg de cocaína, em uma operação realizada no Porto de Itaguaí, região metropolitana do Rio.


A nossa missão é manter informado àqueles que nos acompanham, de todos os fatos, que de alguma forma, estejam relacionados com a Segurança Portuária em todo o seu contexto. A matéria veiculada apresenta cunho jornalístico e informativo, inexistindo qualquer crítica política ou juízo de valor.      

* Direitos Autorais: Os artigos e notícias, originais deste Portal, tem a reprodução autorizada pelo autor, desde que, seja mencionada a fonte e um link seja posto para o mesmo. O mínimo que se espera é o respeito com quem se dedica para obter a informação, a fim de poder retransmitir aos outros.

Continue lendo ►

terça-feira, 24 de maio de 2022

0

AUTORIDADES BRASILEIRAS AUXILIAM NA APREENSÃO DE COCAÍNA NA INDONÉSIA E NA AUSTRALIA

 

Operação apreendeu 283 kg de cocaína. Mergulhador brasileiro foi encontrado morto

Autoridades brasileiras participaram de uma ação de cooperação internacional com órgãos policiais estrangeiros que resultou na apreensão de 283 kg de cocaína.

A Polícia Federal (PF) montou uma grande operação para tentar encontrar os responsáveis por essa prática criminosa, com apoio da Agência Antidrogas dos Estados Unidos, Policiais cataris, indonésios e australianos.

Substituto do chefe da Força de Segurança Pública do Espírito Santo, Victor Baptista

Segundo o delegado da PF, Victor Batista ocorreu duas apreensões. Uma de 179 kg de cocaína (na Indonésia) e outra de 104 kg (na Austrália). Um australiano foi preso e outros dois envolvidos estão sendo procurados. Um brasileiro se afogou e morreu.

Os  283 kg de cocaína foram apreendidos em dois países — Foto: PF/Divulgação

Autoridades Brasileiras

Uma força-tarefa, composta por agentes da Polícia Federal (PF), da Polícia Rodoviária Federal (PRF) e das guardas municipais de Vitória, Vila Velha e Serra; foi montada no Brasil para participar da operação.

Investigação

Segundo a PF, a investigação teve início, no estado do Espírito Santo em 10 de abril, visando a identificação de um mergulhador profissional, que, de acordo com as investigações, teria sido contratado por traficantes internacionais para a colocação de uma carga de cocaína no casco de um navio que seguiria do Brasil para o exterior.

Quando a PF conseguiu identificar o nome do mergulhador, ele já havia deixado o Brasil em direção ao Catar. As autoridades daquele país foram alertadas, e após a vigilância por alguns dias, perceberam que um segundo brasileiro, também mergulhador, se juntou ao primeiro e que ambos haviam comprado passagens para Bali, na Indonésia.

Na Indonésia

Com o apoio da Drugs Enforcement Administration (DEA), as autoridades envolvidas na operação montaram uma estrutura de vigilância no aeroporto de Bali, o que permitiu determinar o local onde a dupla estava hospedada.

Brasileiros sendo monitorados quando chegam no Catar. Foto: Divulgação/PF

Após quase uma semana de acompanhamento, os homens embarcaram em um veleiro de propriedade de um cidadão francês, na companhia de dois tripulantes australianos, na direção da Austrália.

Segundo a PF, o acompanhamento em alto mar foi prejudicado em razão da complexa logística necessária, mas enquanto as buscas pelo veleiro continuavam, os oficiais indonésios perceberam que um grande cargueiro havia desligado o equipamento que permite saber a localização dos navios.

Diante da manobra incomum, as equipes se deslocaram para o local de último ponto de registro do navio e encontraram uma carga de 179 kg de cocaína submersa e amarrada em uma boia marítima. O veleiro e os tripulantes não foram encontrados.

Droga foi localizada amarrada a uma boia mar´tima submersa. Foto: Divulgação/PF

Em razão da região em que a carga de cocaína foi encontrada, foi solicitado aos indonésios o compartilhamento de todos os dados e fatos com as autoridades australianas.

Na Austrália

Alguns dias depois, o veleiro foi abordado pela Polícia Federal da Austrália na costa da cidade de Darwin. Na embarcação, que havia deixado a Indonésia, apenas um dos tripulantes australianos foi encontrado, o capitão. Seu filho, o segundo tripulante, e os brasileiros não foram encontrados.

Mergulhador brasileiro morto

De acordo com a PF, a equipe de resgate foi acionada por volta das 9h30 da manhã da segunda-feira (9/5), no horário local, após receberem chamados falando sobre um mergulhador inconsciente na costa.

Autoridades do porto da ilha de Kooragang, próximo a onde o homem foi encontrado, afirmaram que ele foi visto boiando nas águas da região, mas que o corpo depois foi levado para a costa devido ao peso do equipamento de mergulho.

Quando foi encontrado por moradores na cidade de Newcastle ele estava inconsciente e trajava roupas e equipamentos modernos de mergulho, inclusive um respirador de alta tecnologia que não emite bolhas de ar. 

Corpo de brasileiro é retirado da água na cidade de Newcastle — Foto: Reprodução/Redes sociais

Apesar das tentativas para socorrê-lo, o homem morreu. Ainda não estão totalmente esclarecidas as circunstâncias da morte dele. Bruno Borges, de 31 anos, capixaba (Pessoa natural do Estado do Espírito Santo, no Brasil), posteriormente foi identificado pelas autoridades locais.

Em entrevista ao site da rádio pública SBS, o detetive superintendente da polícia australiana Robert Critchlow afirmou que esse mergulhador foi deixado para trás, abandonado, para morrer. “Quando viram que tinha problemas, os outros membros da quadrilha fugiram. É repugnante”, disse ele.

Próximos ao corpo foram encontrados tabletes, impermeabilizados, que somaram 54 kg de cocaína. A partir do local da ocorrência e de outros dados coletados, a polícia australiana conseguiu encontrar outros 50 kg da droga no interior da estrutura de um navio ali aportado. Também foi possível ligar os tripulantes do veleiro abordado dias antes, bem como o outro brasileiro, à toda droga apreendida.

Acredita-se que a droga, segundo a investigação, tenha vindo de um navio registrado nas Ilhas Marshall chamado “Arieti” que transportava 60.000 toneladas de pó de soja . O navio estava na fábrica da Renova em Timbúes, no dia 5 de abril, e chegou a Newcastle no dia 8 de abril.

O navio estava atracado no Porto de Newcastle e a tripulação foi entrevistada por policiais. Nas câmeras de vigilância do porto, dois barcos (um inflável e um pequeno de alumínio) podem ser vistos se aproximando do navio durante a noite de 8 de maio.

“Claramente, há mais pessoas envolvidas do que o homem morto”, disse o superintendente Rob Critchlow, da Força Policial de NSW, à mídia local.

Em relação ao navio que partiu de San Lorenzo, fontes locais confirmam que estão investigando o que aconteceu com o navio. Eles também notaram que o navio fez uma escala em La Plata antes de seguir para a Austrália.

Veleiro abordado, capitão preso

Alguns dias depois, o veleiro foi abordado pela Polícia Federal da Austrália na costa da cidade de Darwin. Apenas o capitão da embarcação, identificado como James Blee, foi detido. Blee, que também é operador de veleiros de luxo, é acusado de importar grande quantidade de cocaína.

Seu filho, o segundo tripulante no veleiro, e outro brasileiro identificado fugiram antes da abordagem.

As buscas pelos três homens (um brasileiro e dois australianos) continuam. Seus nomes devem ser em breve, colocados na lista de foragidos internacionais da Interpol.

Busca por brasileiro

Jhoni, em imagem sem data, divulgada pela polícia — Foto: Reprodução/Redes Sociais

O brasileiro procurado, identificado como Jhoni Fernandes da Silva, de 32 anos, teve foto divulgada pelas autoridades locais. Os australianos publicaram um pedido de informações sobre o paradeiro dele no dia 17 de maio.  Suspeita-se que Jhoni também tenha sido empregado para mergulhar e recuperar a cocaína no mar.

Polícia australiana também busca uma mulher

Além de Jhoni, os agentes também procuram uma mulher, ainda não identificada. A foto dela foi divulgada nas redes sociais da polícia.

Polícia  procura mulher suspeita de ter relação com o caso — Foto: Reprodução/Redes sociais

Critchlow disse que a mulher e Jhoni podem ter passado pela cidade de Newcastle entre 1º e 11 de maio. O brasileiro pode ser perigoso.

No Brasil, as investigações continuam para determinar o possível envolvimento de outras pessoas nos crimes.

Veja abaixo o vídeo da Band Jornalismo:




A nossa missão é manter informado àqueles que nos acompanham, de todos os fatos, que de alguma forma, estejam relacionados com a Segurança Portuária em todo o seu contexto. A matéria veiculada apresenta cunho jornalístico e informativo, inexistindo qualquer crítica política ou juízo de valor.      

* Direitos Autorais: Os artigos e notícias, originais deste Portal, tem a reprodução autorizada pelo autor, desde que, seja mencionada a fonte e um link seja posto para o mesmo. O mínimo que se espera é o respeito com quem se dedica para obter a informação, a fim de poder retransmitir aos outros.

Continue lendo ►