SEGURANÇA PORTUÁRIA EM FOCO

Noticias e artigos em tudo que envolve a segurança nos portos do Brasil

Postagem em destaque

AUTORIDADE PORTUÁRIA DE SANTOS PUBLICA EDITAL DE CONCURSO PARA A GUARDA PORTUÁRIA

As inscrições serão aceitas durante os dias 1º de abril a 06 de maio. A data prevista para a prova é 23 de junho A Autoridade Portuária de...

LEGISLAÇÕES

terça-feira, 16 de abril de 2024

0

PORTO DE ARATU REGISTRA VAZAMENTO DE GÁS EM TERMINAL DA VOPAK

 

Não houve feridos e o incidente foi controlado pelas equipes técnicas

Na noite da última terça-feira (9), o Porto de Aratu, em Candeias, na Região Metropolitana de Salvador (RMS), sofreu um vazamento de gás.

O incidente foi registrado nas dependências da Vopak, operadora de terminais de tanques especializada em estocagem e manuseio de produtos químicos e óleos.

Segundo a Companhia das Docas do Estado da Bahia (Codeba), empresa pública que administra o porto a ocorrência envolveu a armazenagem de ácido sulfúrico na área 1 do terminal.

Não houve feridos e o incidente foi controlado pelas equipes técnicas e operacionais. A ocorrência ficou concentrada em uma área específica do terminal e não representa riscos às operações.

A Codeba, que é a Autoridade Portuária na Bahia, vinculada Ministério dos Portos e Aeroportos, ressaltou que preza pela segurança nas operações realizadas nos portos sob sua administração. Assim como as instalações estão sempre em conformidade com a legislação e com respeito às determinações de todos os órgãos de Controle e Regulação.

Em nota, a Vopak informou que as autoridades locais foram informadas sobre a situação e toda a equipe do terminal está em segurança.


A nossa missão é manter informado àqueles que nos acompanham, de todos os fatos, que de alguma forma, estejam relacionados com a Segurança Portuária em todo o seu contexto. A matéria veiculada apresenta cunho jornalístico e informativo, inexistindo qualquer crítica política ou juízo de valor.   

* Texto: O texto deste artigo relata acontecimentos, baseado em fatos obtidos pelo acesso a fontes jornalísticas reconhecidas e confiáveis e dados observados ou verificados diretamente junto a colaboradores.

* Direitos Autorais: Os artigos e notícias, originais deste Portal, tem a reprodução autorizada pelo autor, desde que, seja mencionada a fonte e adicionado o link do artigo. 

Continue lendo ►
0

OPERAÇÃO CONJUNTA LOCALIZA COCAÍNA EM CASCO DE NAVIO NO PORTO DE SANTANA


Foi encontrado 154,75 kg de entorpecente escondido no “sea chest”. Cinco pessoas foram presas. Navio tinha destino à Portugal

A Polícia Federal (PF), em operação conjunta com as Forças Integradas de Combate ao Crime Organizado (FICCO), deflagrou na manhã da última quarta-feira (10/4), no Porto de Santana, no estado do Amapá, a Operação Blind Diving, para o cumprimento de sete mandados de busca e apreensão e cinco mandados de prisão temporária.

A ação contou o apoio do GAECO/MP, Polícia Civil (DRACO) e 4º Batalhão da Polícia Militar, Corpo de Bombeiros (CB) e Marinha do Brasil (MB) e Guarda Portuária (GPort).

A Companhia Docas de Santana (CDSA), Autoridade Portuária, atuou diretamente durante toda a operação, subsidiando as investigações com a disponibilização de seu sistema de monitoramento, bem como, de toda a infraestrutura do Porto de Santana, embarcações e efetivo da GPort.

Objetivo

O objetivo foi desarticular grupo criminoso especializado em tráfico de drogas, que atua na colocação dos entorpecentes em cascos de navios.

Mais de 50 policiais de todas as forças cumpriram os mandados nos municípios de Macapá/AP e Santana/AP, no porto e na residência utilizadas pelos investigados.

A ação contou ainda com o trabalho especializado dos mergulhadores do Núcleo Especial de Polícia Marítima (NEPOM) da Polícia Federal, vindos dos Estados do Espírito Santo e Pernambuco.

Investigação

A investigação se iniciou após denúncia de que indivíduos, oriundos do estado de São Paulo e do Rio Grande do Norte estariam em Macapá com o intuito de acoplar no casco de um navio substância entorpecente para ser retirada ao chegar ao seu destino. A prática já foi observada em outros portos espalhados pelo país.

Após levantamentos verificou-se que os indivíduos têm antecedentes criminais por tráfico de drogas, associação para o tráfico, lavagem de dinheiro, estelionato e outros, em diversos estados brasileiros.

Para garantir a efetividade da ação, a equipe de investigação realizou acompanhamento dos suspeitos durante vários dias e em uma madrugada constatou que eles foram até o Igarapé da Fortaleza em uma pequena embarcação onde pararam em ponto próximo ao navio de grande porte que estava atracado e realizaram vários mergulhos.

Também foi observado que os criminosos foram algumas vezes até o Porto de Santana e em lojas de Macapá para comprar equipamentos, entre eles, compressor portátil, que é comumente utilizado para cilindros de ar comprimido.

Prisão

De acordo com a Polícia Federal, foram cumpridos 5 mandados de prisão e 2 de busca e apreensão. Entre os presos está um ex-militar altamente treinado e com diversos cursos de mergulho, que era um dos principais braços da organização criminosa.

Entre os presos, também está um catraieiro que realizava o transporte dos mergulhadores até o navio. A polícia não divulgou nomes.

Na residência deles foram apreendidos equipamentos de mergulho e ferramentas utilizadas para colocar a droga no casco do navio.

A investigação revelou que esses criminosos não eram simples transportadores, mas sim membros de uma organização criminosa (ORCRIM) especializada no tráfico de grandes quantidades de drogas, especialmente cocaína destinada à Europa.

“Trata-se de uma operação extremamente complexa e perigosa, envolvendo a inserção de drogas nos cascos de navios, algo que apenas mergulhadores profissionais são capazes de realizar. Inclusive, o investigado, um ex-bombeiro militar, um dos presos, relatou ter quase morrido em quatro tentativas para colocar a droga no casco do navio. Ele descreveu o espaço entre o fundo do rio e o casco do navio, que pesa muitas toneladas, como sendo de apenas 1 metro. Qualquer movimento de descida do navio poderia resultar em morte por esmagamento. Foi um trabalho extremamente difícil que exigiu habilidades excepcionais do mergulhador”, afirmou o delegado Dalton.

De acordo com o delegado Bruno Belo, supervisor da FICCO, durante as investigações surgiram duas versões da mesma história.

“Inicialmente, a investigação apontava para um tráfico interestadual, mas ao longo das investigações e em conversas com os mergulhadores, obtivemos duas versões: uma sugeria que a droga já estaria no navio e os mergulhadores teriam o papel de retirá-la do casco, enquanto a outra versão indicava que os mergulhadores estariam colocando a droga no casco para sua retirada no exterior, possivelmente na Europa”, explicou o delegado Bruno Belo.

Ainda não se sabe se os tripulantes do navio estão envolvidos no caso, nem qual era a origem da embarcação. No entanto, as investigações indicaram que o destino do navio Dyna Flores era Portugal. De acordo com o delegado Bruno Belo, as investigações continuam em colaboração com a Interpol.

Apreensão de cocaína

Segundo o delegado regional da PF no Amapá, Dalton Marinho, foi encontrado 154,75 kg de entorpecente escondido no “sea chest” (caixas de mar), que são compartimentos junto ao casco da embarcação, abaixo da linha d’água, que serve para o navio extrair ou admitir água fazendo o lastro e assim equilibrar a embarcação para a navegação. Essa foi a maior apreensão de cocaína do estado do Amapá.

Crimes

Os investigados poderão responder pelos crimes de tráfico de drogas, associação para o tráfico e organização criminosa, cujas penas somadas podem levar a 33 anos de reclusão, além do pagamento de multa.

Nome da Operação

O nome da operação, "Blind Divingque", traduzido do inglês para português significa mergulho às cegas.


A nossa missão é manter informado àqueles que nos acompanham, de todos os fatos, que de alguma forma, estejam relacionados com a Segurança Portuária em todo o seu contexto. A matéria veiculada apresenta cunho jornalístico e informativo, inexistindo qualquer crítica política ou juízo de valor.   

* Texto: O texto deste artigo relata acontecimentos, baseado em fatos obtidos pelo acesso a fontes jornalísticas reconhecidas e confiáveis e dados observados ou verificados diretamente junto a colaboradores.

* Direitos Autorais: Os artigos e notícias, originais deste Portal, tem a reprodução autorizada pelo autor, desde que, seja mencionada a fonte e adicionado o link do artigo. 

Continue lendo ►
0

EVENTO DA ORGANIZAÇÃO MUNDIAL DAS ADUANAS SERÁ REALIZADO NO RIO DE JANEIRO


O evento tem como objetivo explorar como a inovação e a tecnologia podem apoiar as Alfândegas

A cidade do Rio de Janeiro será sede do maior evento da Organização Mundial das Aduanas (OMA). O World Customs Organization’s Technology Conference & Exhibition 2024 acontecerá de 12 a 14 de novembro na Cidade Maravilhosa, de acordo com decisão anunciada na última terça-feira (9/4).

O evento tem como objetivo explorar como a inovação e a tecnologia podem apoiar as Alfândegas no desempenho de suas funções de facilitação do comércio, proteção da sociedade e arrecadação de receitas, ao mesmo tempo em que colocam as pessoas no centro do processo de transformação digital.

Desde o fim de fevereiro, a Superintendência da Receita Federal da 7ª Região Fiscal (RJ/ES) trabalhou para que o evento acontecesse no Rio, de acordo com as condições estipuladas pela OMA. A candidatura recebeu apoio dos setores público e privado.


A nossa missão é manter informado àqueles que nos acompanham, de todos os fatos, que de alguma forma, estejam relacionados com a Segurança Portuária em todo o seu contexto. A matéria veiculada apresenta cunho jornalístico e informativo, inexistindo qualquer crítica política ou juízo de valor.   

* Texto: O texto deste artigo relata acontecimentos, baseado em fatos obtidos pelo acesso a fontes jornalísticas reconhecidas e confiáveis e dados observados ou verificados diretamente junto a colaboradores.

* Direitos Autorais: Os artigos e notícias, originais deste Portal, tem a reprodução autorizada pelo autor, desde que, seja mencionada a fonte e adicionado o link do artigo. 



Continue lendo ►

segunda-feira, 15 de abril de 2024

0

NARCOTRAFICANTE SÉRVIO PROCURADO PELA INTERPOL É ENTREGUE À POLÍCIA FEDERAL


Zarko Pilipovic, apontado como integrante da máfia dos balcãs, utilizava o Porto de Santos para enviar cocaína para a Europa

O sérvio Zarko Pilipovic foi extraditado da Bolívia para o Brasil. Ele é apontado como membro de uma máfia envolvida com o tráfico internacional de drogas e, segundo as investigações, com ligação com a facção criminosa PCC (Primeiro Comando da Capital).

O ministro do Governo da Bolívia, Eduardo del Castillo, divulgou em redes sociais que a prisão do sérvio e sua extradição representam uma atuação direta das autoridades contra o tráfico internacional de drogas.

Participaram efetivos de Fuerza Especial de Lucha Contra el Narcotráfico (FELCN) y los Diablos Rojos de Bolivia e da Polícia Federal do Brasil.

Extradição

O governo boliviano fez a extradição dele no dia 29 de março, mas o caso só foi divulgado muito depois por questões de segurança.

O estrangeiro foi retirado da prisão de Palmasola, em Santa Cruz, de onde foi transferido para Puerto Quijarro, na fronteira com o Brasil, num helicóptero Red Devils.

Foto: Divulgação do Ministério do Governo da Bolívia

Um dos homens mais procurados pela Interpol (Organização Internacional de Polícia Criminal), Zarko Pilipovic, foi entregue na linha internacional que delimita os dois países ao meio-dia, na fronteira com Corumbá, município situado a 428 quilômetros de Campo Grande, capital do estado de Mato Grosso do Sul (MS).

A Polícia Federal recebeu o preso no Posto Esdras, da Receita Federal do Brasil (RFB), em Corumbá, na fronteira com a Bolívia, após passar pelo setor de Migração, no Posto Fronteiriço, do lado boliviano, com um forte esquema de segurança.

Foto: Reprodução Diário Corumbaense

De Corumbá ele foi levado para Campo Grande. Não há mais detalhes sobre a transferência dele para a Albânia, conforme afirmou o ministro da Bolívia.

Cartel do Balcãs

De acordo com o ministro do Governo Boliviano, Eduardo del Castillo, Zarko pertencia a uma máfia internacional que tem ligações diretas com o PCC (Primeiro Comando da Capital), conforme noticiou através das suas redes sociais.

“A população boliviana foi informada da transferência e expulsão do cidadão de nacionalidade sérvia, Zarko Pilipovic, para a Albânia, através de coordenação de autoridades do Brasil. Este homem possui selo vermelho da Interpol, reivindicado pela Albânia, e tinha a identidade falsa de Leonardo Barsad da Rocha", relatou Del Castillo.

O investigado era procurado por diversas autoridades internacionais e estava com alerta vermelho da Interpol para ser capturado, e estaria envolvido no envio de cocaína para a Europa por meio do Cartel dos Balcãs.

Capturado na Bolívia

O ministro do Governo boliviano divulgou nas redes sociais que o criminoso foi preso em San Rafael de Velasco, no departamento de Santa Cruz de la Sierra, marco zero do tráfico de cocaína na Bolívia, junto com o narcotraficante Lourival Máximo da Fonseca, conhecido como “a baleia do narcotráfico”, que em fevereiro deste ano foi expulso daquele país, poucos dias após sua captura e entregue às autoridades brasileiras.

O ministro da Bolívia também informou que o narcotraficante, na tentativa de fugir da prisão, vinha usando o nome falso de Leonardo Barsad da Rocha.

No ano passado, investigações da polícia boliviana apontaram para um forte esquema de tráfico de drogas naquele município, principalmente cocaína. A região era usada tanto como entreposto de armazenamento, como de transporte aéreo para o tráfico internacional.

Segundo os antecedentes, o sérvio foi detido pela Força Especial de Combate ao Narcotráfico (Felcn), em fevereiro, durante uma operação realizada na cidade de San Ignacio de Velasco, onde foi capturado junto com outros seis criminosos, incluindo o traficante de drogas Lourival Máximo da Fonseca, chamado de “baleia do tráfico de drogas”.

O grupo com o qual Pilipovic foi preso era investigado após um caso de assassinato de duas pessoas. Quando perseguidos, eles se refugiaram em uma propriedade privada em San Ignacio de Velasco, quando o promotor e os policiais invadiram o local. Uma vez preso, um juiz determinou sua prisão preventiva no presídio de Palmasola, onde permaneceu até hoje.

Naquela ocasião, o sérvio não foi devidamente identificado, pois portava documentos falsificados de um cidadão brasileiro, com o nome “Leonardo Bardasson Da Rocha”.

Rota do Tráfico

Lourival Máximo da Fonseca, com quem foi preso, é considerado um dos grandes dominadores da Rota Caipirá, que leva cocaína para a região de São Paulo através atravessando o Brasil.

Ele já foi processado no Brasil por administrar carregamentos de cocaína no Porto de Santos, para o qual utilizava barcos menores que aproximavam a droga dos navios cargueiros. Em 2021 ele aparecia na lista dos bandidos mais procurados do país.


A nossa missão é manter informado àqueles que nos acompanham, de todos os fatos, que de alguma forma, estejam relacionados com a Segurança Portuária em todo o seu contexto. A matéria veiculada apresenta cunho jornalístico e informativo, inexistindo qualquer crítica política ou juízo de valor.   

* Texto: O texto deste artigo relata acontecimentos, baseado em fatos obtidos pelo acesso a fontes jornalísticas reconhecidas e confiáveis e dados observados ou verificados diretamente junto a colaboradores.

* Direitos Autorais: Os artigos e notícias, originais deste Portal, tem a reprodução autorizada pelo autor, desde que, seja mencionada a fonte e adicionado o link do artigo. 



Continue lendo ►