Postagem em destaque

PF FLAGRA PORTUÁRIOS COM PACOTES DE COCAÍNA NO CORPO PARA EMBARQUE EM NAVIO

Trabalhadores do Porto de Santos tentaram levar carregamento até navio atracado no cais, que foi cercado pela Guarda Portuária. Tablete...

quinta-feira, 14 de fevereiro de 2013

0

PEDRO BRITO APARECE EM ESCUTAS DA OPERAÇÃO PORTO SEGURO




Escutas flagram chefe de agência tratando de negócios com acusado envolvido na quadrilha desmantelada pela Operação Porto Seguro
 

 

O diretor-geral da Agência Nacional de Transportes Aquaviários (Antaq), Pedro Brito, discutiu processos de interesse da quadrilha desmontada pela Operação Porto Seguro com o ex-senador Gilberto Miranda, denunciado por corrupção ativa por participar da compra de pareceres de órgãos públicos.

Em um telefonema interceptado pela Polícia Federal em 16 de novembro, o ex-senador e o diretor-geral da Antaq se referem a um empreendimento portuário como "nosso" e conversam sobre os efeitos do novo marco regulatório do setor, que só seria editado pela presidente Dilma Rousseff três semanas depois.

O diálogo revela a proximidade entre Brito e Miranda. Ambos se despedem marcando um café da manhã. Em entrevista ao Estado, em dezembro, o ex-diretor da Agência Nacional de Águas (ANA) Paulo Vieira, apontado pela Polícia Federal como o chefe da quadrilha dos pareceres, disse que Brito beneficiou projetos de Miranda e que comemorou seu aniversário em 2011 em uma casa do ex-senador em São Paulo. Em nota, o diretor da Antaq diz que não tem "nenhuma relação especial" com Miranda (mais informações ao lado).

Segundo a PF, o ex-senador tem participação em empresas que construíam complexos portuários que dependiam de medidas administrativas da Antaq - como um complexo portuário na Ilha de Bagres, em Santos, no litoral de São Paulo. Um "pente-fino" realizado pela Advocacia-Geral da União (AGU) nos procedimentos da agência detectou irregularidades que favoreceram empresas investigadas na operação.

Diálogo. No telefonema de cinco minutos, o ex-senador diz ao chefe da Antaq que estava preocupado com mudanças que seriam provocadas pelo decreto 7.861, que integrou a atuação dos órgãos públicos do setor para reduzir a burocracia. Miranda temia que a Secretaria Especial de Portos (SEP) assumisse a responsabilidade de aprovar os empreendimentos do setor. Acreditava que a alteração reduziria o poder da Antaq, onde estavam alojados servidores ligados à quadrilha.

"A SEP passaria a aprovar projetos depois da edição?", pergunta Miranda ao diretor da agência."Não é isso. Continua tudo do mesmo jeito", responde Brito. O diretor-geral da Antaq diz a Gilberto Miranda que a medida provisória mudaria apenas a relação formal entre a agência e a secretaria, e que "na prática não muda nada".

O ex-senador também perguntou a Brito se um de seus projetos se encaixava na categoria de estaleiro - empreendimento que não é de competência da Antaq.

"Agora, eu pergunto pra você: o nosso é estaleiro?", questiona Gilberto Miranda. "O nosso não é estaleiro. O nosso é um complexo de várias coisas", diz o diretor-geral da Antaq. "Ao menos que você tenha mudado", completa. "Não, não, não. É um complexo de tudo", explica o ex-senador.

Na mesma semana do telefonema, Miranda conversou com outros integrantes da organização sobre a construção do empreendimento portuário da Ilha de Bagres. Dois dias antes, ele havia recebido a notícia de que a Advocacia-Geral da União emitiria um parecer que concederia à Antaq a responsabilidade por decretar a utilidade pública do empreendimento - o que facilitaria as obras.

No fim do telefonema gravado em novembro, Miranda pede a Brito informação sobre medidas para o setor que seriam tomadas pela Presidência. "Você acredita que a presidente solta o decreto semana que vem?", pergunta Miranda. "Na semana que vem, não vai dar. Na próxima semana, quando ela chegar de viagem, ela vai passar tudo e talvez na outra semana. Vai depender um pouco da agenda dela", explica Brito.

A previsão do diretor da Antaq foi quase certeira: 20 dias depois, em 6 de dezembro, Dilma editou o decreto que integrou as autoridades portuárias do governo e publicou a medida provisória que criou novas regras para o setor.

Brito é uma das 18 autoridades com prerrogativa de foro flagradas em telefonemas ou citadas pela quadrilha nos diálogos gravados durante a operação. O Supremo Tribunal Federal, a Procuradoria-Geral da República e o Congresso decidirão se essas pessoas serão investigadas.

 

Fonte: O Estado de S. Paulo  - Sindaport
 
 

*Esta publicação é de inteira responsabilidade do órgão de imprenssa que a publicou. O nosso papel é apenas manter informado aqueles que acompanham o Blog, de todos os fatos, que de alguma forma, estejam relacionados com a Segurança Portuária, nesse caso, a Operação Porto Seguro, da Polícia Federal.
 
 
 
 

 

Nenhum comentário:

Postar um comentário

LEGISLAÇÕES