Postagem em destaque

PF FLAGRA PORTUÁRIOS COM PACOTES DE COCAÍNA NO CORPO PARA EMBARQUE EM NAVIO

Trabalhadores do Porto de Santos tentaram levar carregamento até navio atracado no cais, que foi cercado pela Guarda Portuária. Tablete...

domingo, 28 de abril de 2013

0

EMPRESA ENVOLVIDA NO ESCÂNDALO DO LIXO HOSPITALAR VOLTA AO MERCADO






A empresa têxtil N.A. Intimidade Ltda., do empresário Altair Teixeira de Moura” e também dono das lojas “Império do Forro de Bolso”, conhecida pelo envolvimento no escândalo de importação de tecidos usados e descartados como lixo hospitalar dos EUA no final de 2011, voltou a atuar no Porto de Suape. Na última segunda-feira (15), a companhia já recebeu uma carga de tecido do exterior que deverá ser usada na confecção de roupas. A operação ocorreu normalmente junto à Receita Federal.

De acordo com o gerente geral da Agência Pernambucana de Vigilância Sanitária (Apevisa), Jaime Brito, a situação da empresa junto à vigilância sanitária foi resolvida desde a incineração do material periciado pela Polícia Federal. Os investigadores constataram a presença de sangue e outros fluidos orgânicos no material, que foi encontrado dentro de contêineres destinados à empresa, em outubro de 2011.

De acordo com Brito, não compete mais à Apevisa fiscalizar o material da empresa. "Pelo fato de ser uma empresa têxtil, não está em nossa alçada à fiscalização das suas dependências. A vigilância sanitária, neste caso, só trabalha com inspeções em empresas do gênero em caso de denúncias, ou seja, a Império do Forro de Bolso só voltará a ser checada pela Apevisa caso surja um caso novo, uma nova denúncia ou algo do tipo", declarou.

A assessoria do Ministério Público do Trabalho também afirmou que toda a situação trabalhista da empresa está em ordem e que seu processo já foi arquivado sem pendências. "Em nosso sistema, a empresa não conta com mais nenhum débito. Dois procedimentos foram arquivados por resolução, uma vez que os problemas trabalhistas foram resolvidos administrativamente e também através de uma ação cautelar. Se a empresa está legalizada junto aos demais órgãos, não vemos motivos para quaisquer embargos", afirmou a assessoria do Ministério Público.

A Polícia Federal afirmou apenas que o inquérito segue, mas em segredo de Justiça.

O advogado aduaneiro Gilberto Lima, representante do grupo, garantiu que não pesam mais acusações sobre a NA Intimidade, que as multas emitidas pelo Ibama foram derrubadas e que aguarda o fim da investigação do FBI acerca da Texport Inc. para processar o fornecedor pelo envio de material contaminado.

“A mercadoria chegou pelo chamado canal cinza, onde a fiscalização é a mais rigorosa. A importação simboliza a volta por cima do empresário Altair Teixeira de Moura”, celebrou Gilberto Lima.

A fraude

Em 2011, para conseguir entrar com o material no Brasil, a Na Intimidade fraudou a Alfândega Nacional.  A empresa declarou às autoridades brasileiras que importava tecido de algodão com defeito. Entretanto, a farsa ficou constatada após fiscalização da Anvisa, que encontrou lençóis sujos com manchas características de sangue e dejetos biológicos com logomarca de vários hospitais norte-americanos. Após a constatação de que o valor declarado pelo importador não era compatível com o volume e o tipo de carga, os contêineres foram indicados para inspeção física.

Desde o ano de 2009, que a empresa Na Intimidade Ltda importa “tecidos de algodão com defeito” dos Estados Unidos.

Na época, as autoridades rastrearam as importações da Na Intimidade Ltda e somente em 2011 apontam que essa empresa importou 22 contêineres contendo “tecidos de algodão com defeito”.

Agentes de fiscalização da Anvisa e Ibama e a delegada que conduziu as investigações, localizaram o total de 38 toneladas de lixo hospitalar dentro das unidades da empresa Na Intimidade Ltda, instaladas nos municípios pernambucanos de Santa Cruz do Capibaribe, Toritama e Caruaru.

Toneladas de lixo hospitalar estavam prestes para entrarem na mesa de corte e serem magicamente transformados em forro de bolso, os quais seriam colocados no mercado brasileiro e nas unidades “Império do Forro de Bolso”, incluindo a loja virtual que a empresa mantinha na internet. Outras toneladas de forro de bolsos já estavam prontas e aguardavam em um depósito os seus destinos.

A importação de lixo hospitalar dos Estados Unidos somou 84,6 toneladas (46,6 apreendidas no Porto de Suape e mais 38 toneladas nas unidades da empresa).

Entre as estratégias de venda do forro de bolso, o empresário utilizou um site na internet para alavancar seu negócio. A empresa Na Intimidade Ltda mantinha uma loja virtual na internet, denominada Império do Forro de Bolso.


Fonte: Jornal do Comercio (PE) – Folha de Pernambuco – Blog Máfia do Lixo
          Edição Segurança Portuária Em Foco





Nenhum comentário:

Postar um comentário

LEGISLAÇÕES