Postagem em destaque

PF FLAGRA PORTUÁRIOS COM PACOTES DE COCAÍNA NO CORPO PARA EMBARQUE EM NAVIO

Trabalhadores do Porto de Santos tentaram levar carregamento até navio atracado no cais, que foi cercado pela Guarda Portuária. Tablete...

quinta-feira, 26 de junho de 2014

0

EMBRAPORT CRIA APLICATIVO PARA AUTOMATIZAÇÃO DE OPERAÇÃO



Reduzir em cerca de 50% o tempo de entrada de contêineres de importação que desembarcam em outros terminais é o objetivo da Embraport com o uso de um aplicativo que permite a automatização do processo. Ele foi desenvolvido pela equipe do terminal em parceria com uma empresa terceirizada e será responsável pelo monitoramento das caixas metálicas até o acesso ao gate da instalação, que fica na Área Continental de Santos.
Foram necessários pelo menos dois meses para o desenvolvimento do aplicativo e sua fase de testes, durante a operação do terminal. Ele servirá apenas para os contêineres que tem como destino a Embraport, mas desembarcaram em outras instalações do cais santista.
Há cerca de trinta dias, o novo sistema eletrônico começou a ser utilizado por caixeiros e vistoriadores e é considerado um sucesso. Os primeiros são responsáveis por conferir os contêineres no momento em que eles desembarcam em outros terminais. Já os outros profissionais têm como obrigação fazer a conferência dos dados antes da entrada na Embraport.
Antes do aplicativo, os caixeiros se deslocavam até os terminais que recebiam o contêiner importado. Lá, conferiam dados de lacre, o estado do cofre, além da documentação para, só assim, autorizar a liberação da caixa metálica. Tudo era feito de forma manual, com o preenchimento em duas vias de um formulário.
Agora, com o aplicativo Sistema Embraport Online (EOL), os caixeiros recebem telefones celulares conectados a internet e nele inserem os mesmos dados. A partir do momento da liberação da carga, os vistoriadores já recebem as informações e o setor de segurança patrimonial pode monitorar o tempo necessário para a entrada da carga no terminal.
“Com o celular com tecnologia 3G ou 4G, o caixeiro tem um campo para o preenchimento de informações como o número do contêiner, o navio em que ele veio, as avarias e lacres, além da placa do veículo e do nome do motorista que irá transportá-lo. Quando ele confirma, gera um agendamento”, explicou o coordenador de TI (Tecnologia da Informação) da Embraport, Marcio André Mateus.
Já na entrada do terminal, o vistoriador, que também utiliza telefones celulares com internet, digita o número do contêiner no aplicativo e obtém todas as informações disponibilizadas pelo caixeiro.
A partir daí, ele fica responsável por conferir todos os itens que foram descritos. Em caso de divergência, ele é obrigado a reportar o caso à segurança. Mas, caso esteja tudo correto, é autorizada a entrada do caminhão que transporta o contêiner na Embraport.
“Se todos os terminais usassem essa tecnologia, com o tempo se evitaria o uso do papel e tudo poderia ser feito eletronicamente. O objetivo é fazer com que outras instalações vejam que ele (o aplicativo) funciona”, destacou o coordenador da Embraport.
Pesagem
Clientes da Embraport podem, agora, pedir a repesagem de cargas pela internet. O procedimento é feito no site da empresa e envolve a retirada do contêiner para uma das balanças móveis no pátio.
Se não houver divergência em relação ao último peso informado, o cliente arca com os custos da movimentação. O mesmo acontece ao contrário, caso seja constatada uma divergência acima de 10% do volume.
Para a Embraport, a medida estabelece um padrão no processo que evita prejuízos de receita e, ao mesmo tempo, gera controle e segurança para o cliente, que pode consultar os gastos com repesagens feitas anteriormente.


Fonte: Jornal A Tribuna





Nenhum comentário:

Postar um comentário

LEGISLAÇÕES