Postagem em destaque

PF FLAGRA PORTUÁRIOS COM PACOTES DE COCAÍNA NO CORPO PARA EMBARQUE EM NAVIO

Trabalhadores do Porto de Santos tentaram levar carregamento até navio atracado no cais, que foi cercado pela Guarda Portuária. Tablete...

terça-feira, 10 de maio de 2016

0

CONCAIS OPERA SEM O ISPS CODE


O Concais ainda precisa cumprir todas as exigências da Conportos e, enquanto isso não ocorre, utiliza um aval temporário da autoridade portuária responsável pelo cais (Foto: Matheus Tagé/DL)

Equipamento estaria operando por conta de um plano de segurança, que aguarda aval da Conportos

O Terminal Marítimo de Passageiros - Concais de Santos está operando sem o ISPS Code – sigla em inglês do Código Internacional para Segurança de Navios e Instalações Portuárias, obrigatório por ser uma norma internacional de segurança para controle de acessos e monitoramento no Porto.
A informação é do presidente da Associação dos Caminhoneiros do Estado de São Paulo (Acesp), Heraldo Gomes Andrade e de um funcionário da Companhia Docas do Estado de São Paulo (Codesp). Ambos denunciaram também um forte esquema de propina envolvendo a Guarda Portuária, publicada ontem.
Segundo os denunciantes, o Concais estaria operando por conta de uso de guardas portuários, que são funcionários federais, o que não é permitido. “Sem o ISPS Code, o terminal não poderia estar embarcando e desembarcando passageiros. A Supervisão da Guarda Portuária colocou, no terminal, funcionário para garantir a operação do equipamento. Isso ocorreu durante toda a última temporada de cruzeiros sem custo algum. Ou seja, quem bancou este custo foi a autoridade portuária (Codesp). Um equipamento privado utilizando funcionários públicos federais”, disseram os denunciantes.
Ainda segundo o funcionário e o presidente da Acesp, a questão já teria sido alvo de reuniões das comissões de segurança da Codesp, após ser questionada porque não foi autorizado o trabalho do Sindicato dos Carregadores e Transportadores de Bagagem do Porto de Santos (Sindbagagem), que ingressou com um documento solicitando o direito legal de trabalhar. Portanto, haveria dois critérios sob a mesma questão.
A Guarda Portuária (GP) é uma instituição policial ostensiva, subordinada à Secretaria de Portos da Presidência da República, cuja principal função é garantir a segurança nos portos federais (portos organizados) e em áreas de interesse da União sob a jurisdição da Autoridade Portuária.
Sem o ISPS Code, o terminal perde uma série de prerrogativas de segurança. No Brasil, as inspeções dos terminais e as concessões dos certificados são responsabilidade da Comissão Nacional de Segurança Pública nos Portos, Terminais e Vias Navegáveis (Conportos), seguindo o código internacional passado pela Organização Marítima Internacional (IMO, na sigla em inglês).
Diretora do Concais explica situação
Procurada, a diretora de Operações do Concais, Sueli Martinez, explica que não possui momentaneamente o ISPS Code, mas o Concais possui um plano de segurança completo, que está sendo revisado para que possa conquistar a Declaração de Cumprimento (DC), que só virá após o terminal cumprir todas as conformidades exigidas pela Conportos.
“Tivemos um problema no final do ano passado e ficamos preocupados com a possibilidade de algum navio exigir o DC. Se isso ocorrer, fizemos um acordo com a Codesp para que, em questões emergenciais, um guarda portuário assine o documento, procedimento que é totalmente permitido”, explica.
A diretora revela que o Concais está revisando todo o seu plano de segurança, que é avaliado em toda atracação por funcionários dos navios. “Temos monitoramento em tempo integral e esperamos obter o DC até a próxima temporada. O ISPS Code é um documento obrigatório, mas é permitido ficar sem ele por um tempo por conta da solução que encontramos junto à Codesp”, finaliza.
A diretora ressalta ainda que os guardas portuários trabalham na área pública e não existe a possibilidade do Concais utilizá-los de forma particular.
Codesp diz que vai apurar propinas
Com relação à suposta propina denunciada ontem em reportagem do Diário do Litoral, a Codesp explica que inquérito anterior foi concluído sem se chegar a eventuais responsabilidades por falta de provas.
Com o surgimento de nova denúncia, apontada pelo Diário, será instaurada rigorosa apuração dos fatos relatados, objetos de denúncia.
Sobre o Concais, a Codesp informa que, na qualidade de Autoridade Portuária e em razão da suspensão da Declaração de Cumprimento da Concais, interviu, exclusivamente, na coordenação da ações de segurança, com a designação de um supervisor de Segurança Pública Portuária, atuando junto à própria equipe do terminal, sem qualquer alteração no efetivo já disponibilizado em anos anteriores.


LEIA TAMBÉM:


* Esta publicação é de inteira responsabilidade do autor e do veículo que a divulgou. A nossa missão é manter informado àqueles que nos acompanham, de todos os fatos, que de alguma forma, estejam relacionados com a Guarda Portuária e a Segurança Portuária em todo o seu contexto, não cabendo a esse Portal a emissão de qualquer juízo de valor.
                                                                                                                                                                                                                                               
* Direitos Autorais: Os artigos e notícias, originais deste Portal, tem a reprodução autorizada pelo autor, desde que, seja mencionada a fonte e um link seja posto para o mesmo. O mínimo que se espera é o respeito com quem se dedica para obter a informação, a fim de poder retransmitir aos outros.
                                                                                                                                                                                 
COMENTÁRIOS

Os comentários publicados não representam a opinião do Portal Segurança Portuária Em Foco. A responsabilidade é do autor da mensagem. Não serão aceitos comentários anônimos.



Nenhum comentário:

Postar um comentário

LEGISLAÇÕES