Postagem em destaque

PF FLAGRA PORTUÁRIOS COM PACOTES DE COCAÍNA NO CORPO PARA EMBARQUE EM NAVIO

Trabalhadores do Porto de Santos tentaram levar carregamento até navio atracado no cais, que foi cercado pela Guarda Portuária. Tablete...

quinta-feira, 19 de janeiro de 2012

0

DESCANSO DE 11 HORAS É DERRUBADO POR LIMINAR



Depois de parar o Porto de Santos por 6 horas seguidas, o Sindicato dos Estivadores obteve na noite de ontem liminar que derruba a aplicação do descanso de 11 horasentre duas jornadasdetrabalhonocais. Fruto de um Termo de Ajustamento de Conduta (TAC) proposto pelo Ministério Público do Trabalho (MPT), a nova regra ­ que estava para ser aplicada desde 2006 ­ chegou a valer entre 13 e 19 horas no porto. Mas a liminar expedida pela juíza da 6ª Vara do Trabalho de Santos, Tâmara Valdivia, determinou ao Órgão Gestor de Mão de Obra (Ogmo) que suspendesse a aplicação do TAC imediatamente, sob pena de pagar multa de R$ 200 mil por dia. Os procuradores do MPT podem recorrer, mas enquanto isso não acontece, os portuários de Santos têm direito de dobrar a jornada dentro das regras acertadas em 2005 com o Sindicato dos Operadores Portuários (Sopesp). Só que, até esse desfecho, muitos episódios ocorreram durante a tarde histórica no Porto de Santos. Às 13 horas, os avulsos decidiram não pegar trabalho, por não concordarem com as 11 horas de descanso. A recusa coletiva foi cercada de tensão e protestos.No Posto de Escalação 3, no Estuário, os portuários protestaram. Do lado de fora, fogos e rojões eram disparados a todo momento. Para completar,ainda acusaram o sistema de escalação do Ogmo de falhas. O Ogmo eximiu-se de culpa e garantiu que apenas três homens da capatazia ganharam o trabalho de forma manual. 


PORTO PARADO 

À tarde, a Codesp informou que, por conta do temporal que castigou Santos e do movimento dos avulsos, o porto estava parado, com 20 embarcações atracadas. Onde houve trabalho, os portuários mantiveram um ritmo lento. Por fim, às 19 horas, o Posto 3 encheu novamente. Mais rojões foram disparados. Só que para comemorar a limitar e a queda do TAC, ainda que provisória."Onde tinha um trabalhador a bordo, ficamos parados. Nada temos contra os procuradores, mas sim contra esse TAC maldoso",diz o presidente da categoria, Rodnei Oliveira da Silva.
O procurador e vice-coordenador nacional do Trabalho Portuário no Ministério Público do Trabalho (MPT), Mauricio Coentro, explicou o que levou o órgão a lutar pelo descanso obrigatório de11horas. "A legislação que impõe o intervalo é de 1998. O Termo de Ajustamento de Conduta (TAC) surgiu em fevereiro de 2006. E estamos falando de sua implantação em 2012. É muito tempo. Nós somos apenas os cumpridores da lei, que prevê as11horas de descanso". Trabalhando em Sergipe, Mauricio deu a entrevista exclusiva antes de a Estiva de Santos obter a liminar que suspendeu a implantação do TAC. Ontem ànoite oprocurador não foi encontrado. A tendência é que ele comente a situação hoje. Contudo, Mauricio deixou um alerta aos sindicalistas portuários: garante que o TAC não tem data de validade, podendo ser aplicado a qualquer momento. Diz, ainda, que a assinatura de uma nova convenção coletivadetrabalho entre os sindicatos de avulsos e o Sindicato dos Operadores Portuários de São Paulo (Sopesp) não garante de forma automática o fim do descanso. A tendência é que o assunto se arraste pelos tribunais de Santos e São Paulo nas próximas semanas. 


INSATISFAÇÃO 

Quem estava indignado era o presidente do Sindicato dos Operários Portuários (Sintraport), Robson Apolinário. "Isso é um desserviço do Ministério Público. Joga categoria contra a categoria. Temos nossas regras para dobra e eles precisam respeitar. A liminar é a vitória nossa." O presidente da Estiva, Rodnei Oliveira da Silva, foi direto ao ponto. "Tentaram impor uma regra e não aceitamos. Os poucos que aceitaram serviço fizeram a operação lenta. Não aceitamos as 11 horas porque não queremos descansar". 

PREJUÍZOS 

Tanto o Sindicato dos Operadores Portuários (Sopesp) quanto o Sindicato das Agências Marítimas (Sindamar) preferiram não estimar prejuízos por conta da paralisação de ontem. 

* matéria publicada no Jornal A Tribuna - Santos

Nenhum comentário:

Postar um comentário

LEGISLAÇÕES