Postagem em destaque

PORTO DE SÃO FRANCISCO DO SUL REALIZA CURSO DE CAPACITAÇÃO PARA OS AGENTES DA GUARDA PORTUÁRIA

O objetivo do curso é capacitar os agentes para exercerem suas funções em toda a área portuária A Administração do Porto de São ...

quarta-feira, 21 de março de 2012

1

Marítimo com documentação falsa ou comprada não dá manchete? Então vejamos…


Acabo de ler uma notícia de que uma determinada Capitania dos Portos apreendeu diversas habilitações falsas de arrais amador, aquelas que habilitam o sujeito a pilotar embarcações de recreio. Pensei, pensei… na boa – Vamos ao que realmente interessa.

A chuva de documentação falsa vem inundando o Mercado há alguns anos, mas a coisa está realmente perdendo o controle. Se entre os arrais amadores está uma festa, entre marítimos já está virando uma feira.

Não vou nem entrar no mérito dos colegas com documentação comprada, sempre oriunda de uma determinada Capitania dos Portos localizada no Sul do país, pois este assunto já está dando pano pra mangas nos bastidores. Estes ninguém pega, pois são feitos por gente corrupta de dentro do sistema e são oficializados. É a Corrupção institucionalizada. Nada de novo no nosso Brasil, não é mesmo?
É um absurdo isso sobrar para as empresas. Absurdo mesmo.
Fora isso, sobra também para os diversos colegas que ralaram nos cursos do PREPOM, pagaram sua etapa dentro de um Centro de Instrução ou de uma Capitania, a fim de conseguirem seus certificados marítimos e que estão na pedra, aguardando uma oportunidade de embarque há meses, ou até há anos, engrossando as estatísticas de desemprego em nosso país.

Por arraste, vem a indústria de venda de vagas por parte de algumas supostas agências de RH inescrupulosas, prática que vem fortalecendo-se a tal ponto e de tal maneira, que já há candidatos que ligam para as empresas, diretamente para os departamentos de RH oferecendo alguns “mimos” e “presentes”, em troca de uma vaga.
Não sei aonde isso vai parar, mas sei que algo deve ser feito.
Cabe à Marinha do Brasil, instituição mais que bicentenária, fiscalizar isso, verificar os certificados, ir no âmago da questão, na fonte da falsificação e/ou da venda, e cortar o problema pela raiz.

As inspeções de Port State definitivamente não vem sendo feitas como deveriam, já que temos esta enxurrada de certificados falsos no Mercado e a galera continua atuando a bordo, criando-se a necessidade de mais um item de verificação para os departamentos de RH das empresas. Os departamentos são demandados cada vez mais e mais, dado o crescimento da atividade no Brasil, e juntamente à usual demanda, vem agora mais esta, os certificados falsos. Eu já vi um desses de perto, nas minhas mãos e digo: alguns são feitos por profissionais, sendo muito difícil detectar sem que chequemos no site da DPC, cruzando informações como número, categoria e nome do suposto marítimo.
Resta-nos o sistema on line da DPC, que permite que se cheque isso num banco de dados, e nisso eu dou um bravo zulu pra Gloriosa.

A mania de se resolver o problema na conseqüência, e não na causa, típica de um país como o nosso, que gosta de “enxugar gelo” o tempo todo e gastar o precioso dinheiro dos impostos dos contribuintes discutindo o sexo dos anjos no Planalto, agora reflete cada vez com mais força em nossa atividade.
Sabe por que vendem? Sabe por que falsificam?
Porque tem quem compre e alguns destes, que tomam a vaga de gente de bem, estão lendo esta matéria no momento.

VOCÊS NÃO SÃO BEM VINDOS NA MARINHA MERCANTE.
Neste exato momento há diversos cidadãos de bem, pais de família que depositaram seus sonhos numa carreira marítima, impedidos de desempenharem seu ofício por causa de gente como vocês, que só posso qualificar como meliantes.
Fica aqui nosso alerta e nossos votos de que resolvam o problema pela causa.
Marinha do Brasil, fiscalize a certificação dos marítimos com o mesmo rigor dos arrais. Operações como essa agora da Polícia Federal, a Navio Fantasma, que está fazendo uma verdadeira limpa em Alfândegas, Portos e Terminais, deveria ser feita a nível de documentação de marítimos em navios em escala em portos e terminais. Que tal uma Operação Navio Pirata?

Políticos fanfarrões, que tantas vezes querem aparecer, ta aí uma idéia com um nome fanfarrão e sugestivo, mas que pode dar certo pra vocês em termos de votos. Comprem esta idéia! “Ganha ele, ganha ela, ganha até mulher banguela.”
Sabe qual é o problema? Marítimo não dá manchete nem voto. Pelo menos ainda não deu.
E que se resolva logo isso, por favor!

Força e Honra! Sempre!

Por Rodrigo Cintra - Publicado no Site Portal Marítimo


CAPITANIA DOS PORTOS APREENDE HABILITAÇÕES FALSAS

A Capitania dos Portos do Paraná (CPPR) apreendeu 120 Carteiras de Habilitação de Amadores (CHA) falsas durante a Operação Verão, encerrada na semana passada. O documento é de uso obrigatório para operar embarcações de esporte ou recreio, entre elas o jet ski, e é emitida exclusivamente pela Marinha do Brasil, por meio das Capitanias dos Portos. Quem adquire a carteira falsa está sujeito a ser indiciado em Inquérito Policial Militar.

Segundo o capitão dos Portos do Paraná, capitão-de-Mar-e-Guerra José Henrique Corbage Rabello, as apreensões foram possíveis, particularmente, em razão de um trabalho integrado entre a Marinha e outros órgãos de segurança pública, e em razão de alterações em gestão. "Implementamos nosso centro de operações, responsável por verificar em tempo real as condições das habilitações e dos registros das embarcações", ressaltou. Houve, também, um reforço no número de pessoas nas inspeções navais.

A CPPR acentuou que as inspeções vão continuar, independentemente da temporada de verão. "Faço um alerta à comunidade para que não se iluda com falsa vantagens oferecidas por terceiros", reforçou o capitão. "Em caso de dúvidas, procure a Capitania dos Portos para evitar problemas futuros e ter que responder administrativa e ou criminalmente pela infração".

A Operação Verão desenvolveu-se de dezembro de 2011 ao dia 15 de março. Foram apreendidas cerca de 40 embarcações e emitidas aproximadamente 300 notificações. Entre as principais infrações observadas estão trafegar sem habilitação, falta de equipamentos de segurança e deixar de inscrever ou registrar a embarcação. Os bafômetros foram utilizados de forma mais efetiva na última operação e resultou na prisão em flagrante de um piloto de jet ski, abordado por fazer manobras arriscadas.
Fonte: Diário do Grande ABC



OBS.: Como em Santos a Guarda Portuária tem o seu patrulhamento marítimo, talvez em alguma fiscalização possamos nos deparar com uma documentação falsa, ou melhor, poderia ser celebrado um convênio com a Capitania dos Portos, para efetivamente exercer esta fiscalização.

Um comentário:

  1. valeu tem fiscalisa tabem os rh das enp e os sdct e todos que estao envovidos nesta quadrilha.

    ResponderExcluir

LEGISLAÇÕES