Postagem em destaque

CONPORTOS CASSA CERTIFICADO DE SEGURANÇA DOS TERMINAIS DA RODRIMAR NO PORTO DE SANTOS

Comissão Estadual de Segurança Pública nos Portos encontra falhas nos sistemas de segurança desde 2016 e a empresa não apontou soluçõe...

sábado, 14 de julho de 2012

2

COMISSÃO DE TRABALHO DA CÂMARA APROVA A INCLUSÃO DA GUARDA PORTUÁRIA NO PROJETO BOLSA FORMAÇÃO DO PRONASCI






A Comissão de Trabalho, de Administração e Serviço Público da Câmara aprovou, na quarta-feira (04), o Projeto de Lei 454/11, da deputada Andreia Zito (PSDB-RJ), que inclui agentes da guarda portuária e vigilantes de instituições federais de ensino entre os beneficiários do projeto Bolsa Formação.
O benefício, que corresponde a R$ 443, foi instituído pela Lei 11.707/08 e integra o Programa Nacional de Segurança Pública com Cidadania (Pronasci). A Bolsa Formação já é concedida atualmente como forma de estímulo à qualificação profissional de policiais militares e civis, bombeiros, agentes penitenciários e carcerários e peritos.
Porte de Arma
Segundo o relator, deputado Eudes Xavier (PT-CE), é incompreensível que os agentes das guardas portuárias e os agentes de vigilância de instituições federais de ensino fiquem de fora do rol dos possíveis beneficiários.
Ele ressalta que a própria Lei 10.826/03 “já inclui esses grupos entre os autorizados ao porte de arma”. O parlamentar chama a atenção para o fato de que esses profissionais também desempenham funções relacionadas à segurança patrimonial e de pessoas físicas, assim como os atuais beneficiários da Bolsa Formação.

Para receber o benefício, os interessados precisam frequentar pelo menos um dos cursos oferecidos ou reconhecidos pelos órgãos do Ministério da Justiça a cada 12 meses. Além disso, não podem receber remuneração bruta mensal superior a R$ 1.700.
Tramitação
A proposta tem caráter conclusivo e ainda será analisada pelas comissões de Segurança Pública e Combate ao Crime Organizado; de Finanças e Tributação; e de Constituição e Justiça e de Cidadania.
 AUTORA DO PROJETO
  • Nome civil: Andreia Almeida Zito Dos Santos
  • Profissão: Bacharel em Direito
  • Partido/UF: PSDB / RJ / Titular
 PROJETO DE LEI Nº 454, DE 2011
Altera a lei nº 11.530, de 24 de outubro de 2007, que institui o Programa Nacional de Segurança Pública com Cidadania - PRONASCI, a fim de incluir os agentes das guardas portuárias e agentes de vigilância das instituições federais de ensino, no rol das categorias profissionais.
 RELATÓRIO
A proposta sob apreciação pretende estender a outras categorias profissionais direito assegurado pela legislação em vigor a agentes encarregados de atividades vinculadas à segurança pública. Trata-se do projeto “bolsa-formação”, por meio do qual se destinam a policiais civis e militares, integrantes dos corpos de bombeiros, agentes penitenciários, agentes carcerários e peritos bolsa de estudo “não inferior a R$ 1.300,00 (mil e trezentos reais)” para estimulá-los a participar de atividades de qualificação profissional.
Na opinião da ilustre autora, o benefício em questão deve contemplar também guardas portuários e servidores encarregados de atividades de segurança no âmbito das instituições federais de ensino, “como forma de contribuir com a valorização também desses profissionais, não só porque da mais lídima justiça, mas também, porque em prol de toda a sociedade brasileira”. De acordo com a proponente, tendo em vista que a Lei n 10.826, de 22 de dezembro de 2003, inclui tanto a guarda portuária como os vigilantes universitários federais entre os destinatários da permissão de porte de arma, é incompreensível que esses grupos “possam ficar fora do rol dos possíveis beneficiários” do programa alcançado pelo projeto sob análise.

A proposição tramita conclusivamente pelas comissões. Encerrado o prazo regimental, não foram oferecidas emendas pelos nobres Pares.

VOTO DO RELATOR É APROVADO POR UNANIMIDADE
A linha de argumentação utilizada pela nobre autora possui inegável relevância, tendo em vista que de fato ocorre, como alega a justificação do projeto, a atribuição, na legislação aplicável à espécie, de porte de arma aos grupos contemplados no bojo da proposição. Por tal razão, não há como negar que essa circunstância se revela suficiente para situá-los no mesmo nível dos segmentos hoje alcançados pelo benefício a que alude a proposição. Guardas portuários e vigilantes de instituições de ensino, na medida em que desempenham funções relacionadas à segurança patrimonial e de pessoas físicas, possuem alcance social assemelhado aos grupos alcançados pela legislação vigente, parecendo razoável que também a eles sejam dirigidas as verbas públicas previstas para o aprimoramento profissional do segmento.
Por tais motivos Por tais motivos, vota-se pela aprovação integral do projeto.
Sala da Comissão
Deputado Eudes Xavier
Relator

Fonte: Agência Câmara de notícias


2 comentários:

  1. ACERCA DE SEIS ANOS, A UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ PROMOVEU UM CURSO DE 02 ANOS DE POS GRADUAÇÃO NA ÁREA DE SEGURANÇA PÚBLICA E GESTÃO DE INFORMAÇÃO. APRESENTEI-ME NO CENTRO DE FILOSOFIA E CIÊNCIAS HUMANAS DESSA UNIVERSIDADE, FIZ MINHA INSCRIÇÃO, APRESENTEI MEU PROJETO, ATÉ AÍ NENHUMA RESSALVA, PORÉM, O COORDENADOR DO CURSO CHAMOU-ME PARA COMUNICAR QUE, INFELIZMENTE, EU NÃO PODERIA CURSAR A FORMAÇÃO OFERTADA, POIS OS GUARDAS PORTUÁRIOS NÃO ESTAVAM INSERIDOS NO ARTIGO 144 CA CF, FORÇAS LEGALMENTES INSTÍTUIDAS A FAZEREM A SEGUURANÇA PUBLICA DESSE PAÍS. CURIOSO FOI QUE TIVERAM PROJETOS QUE NÃO FORAM APROVADOS, O QUE FEZ COM QUE AINDA SOBRASSEM VAGAS, POIS HOUVE CANDIDATOS QUE, MESMO INSERIDOS NO ARTIGO 144 DA CF, NÃO PASSARAM NO PROCESSO DE SELEÇÃO A ESTA POS GRADUAÇÃO.

    ResponderExcluir
  2. ACERCA DE SEIS ANOS, A UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ PROMOVEU UM CURSO DE 02 ANOS DE POS GRADUAÇÃO NA ÁREA DE SEGURANÇA PÚBLICA E GESTÃO DE INFORMAÇÃO. APRESENTEI-ME NO CENTRO DE FILOSOFIA E CIÊNCIAS HUMANAS DESSA UNIVERSIDADE, FIZ MINHA INSCRIÇÃO, APRESENTEI MEU PROJETO, ATÉ AÍ NENHUMA RESSALVA, PORÉM, O COORDENADOR DO CURSO CHAMOU-ME PARA COMUNICAR QUE, INFELIZMENTE, EU NÃO PODERIA CURSAR A FORMAÇÃO OFERTADA, POIS OS GUARDAS PORTUÁRIOS NÃO ESTAVAM INSERIDOS NO ARTIGO 144 CA CF, FORÇAS LEGALMENTES INSTÍTUIDAS A FAZEREM A SEGUURANÇA PUBLICA DESSE PAÍS. CURIOSO FOI QUE TIVERAM PROJETOS QUE NÃO FORAM APROVADOS, O QUE FEZ COM QUE AINDA SOBRASSEM VAGAS, POIS HOUVE CANDIDATOS QUE, MESMO INSERIDOS NO ARTIGO 144 DA CF, NÃO PASSARAM NO PROCESSO DE SELEÇÃO A ESTA POS GRADUAÇÃO.

    ResponderExcluir

LEGISLAÇÕES