Postagem em destaque

PF FLAGRA PORTUÁRIOS COM PACOTES DE COCAÍNA NO CORPO PARA EMBARQUE EM NAVIO

Trabalhadores do Porto de Santos tentaram levar carregamento até navio atracado no cais, que foi cercado pela Guarda Portuária. Tablete...

quarta-feira, 15 de agosto de 2012

0

PORTO DE SINES É PREMIADO NOS EUA

SEGURANÇA PORTUÁRIA INTERNACIONAL / TECNOLOGIA






O Sistema de Identificação e Informação Geográfica (SIIG) do Porto de Sines foi distinguido com o prémio SAG – Special Achievement in GIS 2012, atribuído pela ESRI. O prêmio foi entregue na International User Conference, que decorreu no Centro de Convenções de San Diego, na Califórnia, Estados Unidos da América, no fim de Julho. O galardão reconhece as mais inovadoras e inteligentes aplicações da tecnologia da ESRI, sobre a qual foi desenvolvido este sistema no porto de Sines, tendo o projeto português sido um dos que se destacou entre os milhares de Sistemas de Informação Geográfica implementados ao longo deste ano em todo o mundo.

Atualmente em operação na Administração do Porto de Sines, o SIIG é uma ferramenta transversal que suporta diferentes áreas de negócio, desde o planejamento e operações portuárias, o cadastro e ordenamento portuário, a gestão de concessões, a gestão de infra-estruturas e equipamentos, à segurança e ambiente. Neste sistema, destaca-se o módulo de planejamento operacional que está totalmente integrado com a “Janela Única Portuária”, disponibilizando a informação de gestão operacional de navios e mercadorias sobre cartografia oficial. Os utilizadores deste módulo podem, com base na informação operacional e de segurança, realizar cenários de operações e simular geograficamente o estado e a ocupação do porto no horizonte temporal desejado, otimizando a ocupação dos cais, a utilização dos recursos e a fluidez dos navios.

O investimento do SIIG foi de 300 mil euros, com uma duração de 11 meses, tendo sido co-financiado no âmbito do Programa Operacional Valorização do Território do Quadro de Referência Estratégica Nacional (QREN).

O Sistema de Identificação e Informação Geográfica (SIIG) 

 O Porto de Sines é o principal porto na fachada ibero-atlântica, tendo entrado em operação em 1978. As suas características geofísicas têm contribuído para a sua consolidação como activo estratégico nacional, sendo, por um lado, a principal porta de abastecimento energético do país (petróleo e derivados, carvão e gás natural) e, por outro, posiciona-se já como um importante Porto de carga geral/contentorizada com elevado potencial de crescimento para ser uma referência ibérica, européia e mundial.

O Porto de Sines e a sua Zona Industrial e Logística de retaguarda, com mais de 2.000 ha, são já uma plataforma logística de âmbito internacional com capacidade para receber os grandes atores dos sectores marítimo-portuário, industrial e logístico.

Uma estrutura como o Porto de Sines, cuja complexidade de gerir diferentes áreas da atividade portuária, desenvolve uma necessidade de utilização de ferramentas de apoio e de gestão poderosas, bem como, a integração com outros sistemas.

Nesse sentido, a Administração do Porto de Sines decidiu implementar um Sistema de Informação Geográfica (SIG) com vista a uma mais eficaz e eficiente gestão e planeamento das operações portuárias.


Assim, o Sistema de Identificação e Informação Geográfica (SIIG) do Porto de Sines é um sistema de suporte à decisão baseado em informação geográfica e de negócio, cobrindo toda a sua infra-estrutura interna e externa. O SIIG visa a gestão e planejamento das operações portuárias em contexto SIG, suportando a produção e gestão normalizada de informação portuária, bem como a integração das regras e processos de negócio de forma transversal.

Objetivos

1. Aumento dos níveis de eficiência da gestão e supervisão portuária;
2. Aumento dos níveis de segurança e operacionalidade do porto;
3. Suportar as operações diárias (planejamento de operações portuárias, gestão do domínio e concessões, segurança, ambiente, cadastro e ordenamento portuário, entre outros) com informação geo-referênciada;
4. Integrar com os sistemas existentes e agir como uma plataforma integradora, facilitando a consulta e o acesso à informação de forma transversal;
5. Aumentar a eficácia dos processos existentes;
6. Aumentar a competitividade do Porto.

 Desafios: Integrar sistemas internos

· AIS – Sistema de Identificação Automática de Navios;
· JUP – Janela Única Portuária (Plataforma de despacho eletrônico de navios e cargas);
· SSP – Sistema de Supervisão Portuária (Vigilância);
· CSH – Centro de Sistemas e Help-desk;
· CUP – Cartão Único Portuário;
· OSIRIS C3 – Sistema de Gestão de Emergência;
· SAP ERP - Sistema Integrado de Gestão Empresarial;
· ALOHA – Aplicação de modelação de incidentes ambientais (EPA/NOAA);
· DW – Data Warehouse;
· METEO - Estação meteorológica e bóia ondógrafo.

 Solução

Implementado em 2011 pela EGStrategy com a colaboração da Indra na integração com a JUP, o sistema está suportado em tecnologia Esri e engloba uma camada de dados (ArcSDE sobre Oracle), uma camada lógica aplicacional (ArcGIS Desktop/Server e lógica de negócio) e uma camada de apresentação (Web – ArcGIS API for Flex).

Suportado por um ambiente Desktop que responde aos processos de actualização e validação de informação e análises adhoc, o SIIG é essencialmente Web, utilizando para o efeito um portal web, composto por sete módulos, que suportam as áreas funcionais como o Ordenamento e Cadastro, Concessões e Áreas Dominiais, Estatística, Planejamento e Operações Portuárias, Segurança e Ambiente.



Figura 1 – Áreas funcionais suportadas pelo SIIG.

A utilização dos produtos Esri no Porto de Sines tem duas vertentes - uma através da utilização desktop e outra através da solução web. A utilização desktop permite a criação de mapas, estudos e análises espaciais, apoiando diariamente as diferentes área funcionais do porto, sendo sem dúvida uma ferramenta poderosa e com grande potencial. A outra vertente é a utilização web, através de um portal web permitindo o acesso em qualquer parte do porto à informação organizada disponível, utilizando o perfil de cada utilizador e o módulo funcional adequado.

A escolha de uma solução estável e com o potencial do ArcGIS trouxe logo de início uma garantia de bom funcionamento e a possibilidade de integração com os diferentes sistemas de informação existentes no porto, traduzindo-se assim num benefício.

A utilização do software ArcGIS pela equipa SIG, tem permitido a preparação da informação a disponibilizar no Portal SIIG, a elaboração de mapas diversos, efectuar análises de evolução e desenvolvimento de expansão do porto, estudos de dragagem, estudo e modelação de exploração de recursos pétreos da pedreira do porto, estudos de percurso para novos investimentos e estudos de novas rotas marítimas.

Também noutra área como a gestão do sistema, a equipa tem-se desdobrado na assistência aos diferentes utilizadores, carregamento, validação e atualização de dados da GDB, organizando e estruturando mais informação no sentido da disponibilização da mesma.

Módulos da Solução SIIG

1.    Módulo Base
· Disponível para todos os utilizadores;
· Funcionalidades base Impressão normalizada;
· Localização e identificação de embarcações e navios;
· Localização de terminais, edifícios e vias na área de jurisdição do porto;
· Consulta de plantas técnicas por piso dos edifícios;
· Consulta de áreas codificadas de manutenção.

2.  Módulo de Ordenamento e Cadastro
· Acesso condicionado a utilizadores autorizados;
· Funcionalidades base de SIG;
· Identificação de edifícios e gestão da manutenção;
· Gestão de infra-estruturas;
· Confrontação entre as áreas e os activos do porto, com impressão de relatórios   normalizados;
· Identificação da ligação às redes existentes numa dada localização, com impressão de relatórios normalizados;
· Visualização e confirmação dos registros cadastrais;
·  Pesquisa por localização, identificação e visualização de projetos;


 Figura 2 - Consulta de Informação associada aos edifícios. Visualização de plantas técnicas.

3.  Módulo de Concessões e Áreas Dominiais
· Acesso condicionado a utilizadores autorizados;
· Funcionalidades base de SIG;
· Identificação de Áreas Dominiais, incluindo relatórios normalizados e consulta de plantas de contrato;
· Identificação de Áreas Disponíveis, incluindo acesso/consulta de documentação associada;
· Identificação de edifícios e consulta de plantas técnicas dos edifícios;
· Comparação entre concessões e ativos do porto, com possibilidade de imprimir relatórios normalizados;
· Identificação das ligações às redes existentes numa dada localização, com impressão de relatórios normalizados;
· Visualização e consulta das infra-estruturas de rede disponíveis.


Figura 3 - Identificação de uma área dominial e o respectivo relatório normalizado (também disponível para a totalidade das áreas dominiais)

4. Módulo de Segurança
· Acesso condicionado a utilizadores autorizados;
· Funcionalidades base de SIG;
· Mapeamento e consulta das áreas de segurança do porto (ISPS Code - International Ship and Port Facility Security Code);
· Mapeamento e consulta em tempo real do número total de veículos e pessoas por área de segurança (integração com CUP – Cartão Único Portuário);
· Visualização em tempo real das imagens das câmaras de vigilância (integração com SSP – Sistema de Supervisão Portuária);
· Modelação de incidentes ambientais (integração com ALOHA - EPA/NOAA);
· Análise de rotas, com possibilidade de contemplar barreiras físicas;
· Acesso a dados meteorológicos em tempo real (integração com a estação meteorológica e bóia ondógrafo.


Figura 4 - Visualização em tempo real das imagens das câmaras de vigilância (integração com SSP – Sistema de Supervisão Portuária)

5.  Módulo de Ambiente
· Acesso condicionado a utilizadores autorizados;
· Funcionalidades base de SIG;
· Acesso a dados meteorológicos;
· Gestão do Plano de Monitorização Ambiental do Porto;
· Mapeamento e Identificação dos pontos de monitorização (água, esgotos e areias);
· Identificação de Resíduos Sólidos Urbanos, incluindo relatórios normalizados;
· Modelação de acidentes (integração com o ALOHA - EPA/NOAA);
· Análise de rotas, com possibilidade de contemplar barreiras físicas.


Figura 5 - Monitorização ambiental – consulta da evolução temporal dos indicadores ambientais (consulta gráfica)

6.  Módulo de Planejamento e Operações Portuárias
· Acesso condicionado a utilizadores autorizados;
· Funcionalidades base de SIG;
· Identificação de navios e cargas;
· Visualização, consulta e análise de planeamento/operações portuárias;
· Visualização em tempo real da localização dos navios a entrar no porto, dentro do porto ou a sair do porto (AIS);
· Construção de cenários de operações portuárias;
· Permite despoletar de ações com base em cenários previamente definidos;
· Produção de vídeo do histórico do movimento portuário (30 dias);
· Consulta do movimento de carga por Terminal;
· Cálculo de rotas marítimas entre portos.


Figura 6 - Alocação de cabeços – o operador pode ajustar a posição dos navios de forma a optimizar a utilização do espaço em cais

7. Módulo de Indicadores
· Acesso condicionado a utilizadores autorizados;
· Disponibilização de indicadores de negócio, nomeadamente movimentos de navios e cargas por localização, por terminal e por concessão, utilizando a integração com o Data Warehouse do Porto.


Figura 7 - Consulta de indicadores de movimentação de navios, cargas movimentadas, contentores, bancas, entre outros (integração com o Data Warehouse)

Resultados
A concentração e organização de informação existente, que se encontrava dispersa e a possibilidade da sua disponibilidade imediata aos utilizadores do SIIG numa resposta mais eficaz e eficiente.
 Opinião
Sendo a atividade portuária uma área muito específica e abrangente, a equipa de projeto, após um período inicial de estudo e adaptação, conseguiu assimilar estas particularidades e o funcionamento do porto, permitindo assim falar a mesma linguagem no sentido de atingir o objetivo pretendido para o projeto.

A composição da equipa foi também um ponto muito importante, no meu ponto de vista. A estruturação da equipa por um grupo multidisciplinar, bem coordenado e muito motivado, permitiu que toda a equipa usufruísse de uma rápida adaptação ao meio portuário e ao projeto. O trabalho sendo muito vasto e diversificado implicou um empenho redobrado da equipa, que foi incansável no sentido de dar resposta ao pretendido pela APS, considerando-se que atingiu e superou o objetivo traçado inicialmente.

A opção por uma solução Esri foi, desde o início, a que mais garantias apresentava, tanto a nível de estabilidade, como evolução de software, tendo em vista o projeto pensado para o Porto de Sines, bem como o conhecimento e desenvolvimento de diversos projeto nesta área dos SIG. Esta opção tem-se afirmado como uma boa aposta.

Em termos de resposta foi cumprido o prazo previsto, tendo-se implementado o projeto em 11 meses e dentro do valor previsto, questão de grande importância porque este projeto foi co-financiado por fundos comunitários.

Para um projeto desta dimensão e tendo em conta as diferentes integrações previstas, o volume de material a tratar e a diversidade das áreas envolvidas, considero que a implementação deste projeto foi um sucesso e uma vitória para as equipas nele envolvidas.




Fonte: Público


Nenhum comentário:

Postar um comentário

LEGISLAÇÕES