Postagem em destaque

PF FLAGRA PORTUÁRIOS COM PACOTES DE COCAÍNA NO CORPO PARA EMBARQUE EM NAVIO

Trabalhadores do Porto de Santos tentaram levar carregamento até navio atracado no cais, que foi cercado pela Guarda Portuária. Tablete...

terça-feira, 4 de dezembro de 2012

0

MAIS DOIS TERMINAIS SOB SUSPEITA DE IRREGULARIDADES NO PORTO DE SANTOS

 

Paulo Vieira auxiliou mais duas empresas do Porto de Santos


 


SEGURANÇA PÚBLICA PORTUÁRIA / POLÍCIA FEDERAL


OPERAÇÃO PORTO SEGURO LEVANTA SUSPEITA NA CONCESSÃO DE ÁREA À TERMINAIS PORTUÁRIOS DE SANTOS.


TERMINAL CARGILL AGRÍCOLA
TERMINAL HIPERCON
 
 
 

Acusado de chefiar quadrilha que vendia pareceres técnicos e fazia tráfico de influência, o ex-diretor da Agência Nacional de Águas (ANA), Paulo Vieira, atuou para beneficiar mais duas empresas com processos administrativos e judiciais no Porto de Santos e uma com ação no Ministério dos Transportes aponta relatório da Operação Porto Seguro da Polícia Federal.

Trocas de e-mails interceptadas na investigação mostram Paulo orientando o advogado Marco Antônio Martorelli, também detido na operação, a como agir para favorecer a Hipercon Terminais de Carga Ltda, a Cargill Agrícola e o Estaleiro Mauá, no Rio de Janeiro

O ex-diretor da ANA não se limitou a dar conselhos. Mensagens eletrônicas coletadas pela PF a partir de fevereiro de 2010 mostram que Paulo redigiu petições que foram apenas assinadas por Martorelli.

No último dia 12 de junho, o servidor federal chegou a enviar e-mail para o então ministro adjunto da Advocacia-Geral da União (AGU), José Weber Holanda Alves, com o número de uma ação na vara federal do Distrito Federal e o nome do representante da AGU num processo de interesse do grupo. Era uma solicitação de preferência de compra para a Hipercon Terminais de um imóvel da extinta Rede Ferroviária Federal Sociedade Anônima (RFFSA) em Santos, junto à Superintendência do Patrimônio da União em São Paulo.

"Importante ressaltar que Paulo Vieira, como funcionário público com atuação nas áreas portuárias (conselheiro fiscal da Codesp) e de Hidrologia (ANA), deveria defender com exclusividade os interesses da União, diferentemente do que apontam os elementos colhidos até o presente momento", aponta a PF.

A investigação mostra que os contatos entre Paulo e Martorelli eram frequentes. Além de atuarem em favor de empresas com problemas jurídicos e administrativos na esfera federal, os dois falavam com frequência sobre depósitos e pagamentos. A PF identificou ordens de pagamento feitos pelo ex-diretor da ANA ao advogado entre 2010 e 2011 totalizando R$ 245 mil.

Cargill

No período em que desempenhava as funções de ouvidor-geral da Agência Nacional de Transportes Aquaviários (Antaq), Paulo orientou Martorelli a como proceder num processo de interesse da Cargill. Em e-mail enviado em 18 de junho de 2009, Paulo sugere uma ação civil pública contra a Codesp e envia textos de legislações que podem embasar o processo. Na época, a Cargill tentava prorrogar contrato de exploração de um terminal no porto. O processo judicial ainda tramita na 22ª Vara de Justiça do Distrito Federal.

Em outro e-mail, o ex-diretor da ANA lista nove pontos para a apresentação da ação. Paulo diz que é melhor apresentar ação ordinária, e não mandado de segurança. A firma que "não é interessante arrolar na Ação Civil a União como litisconsorte passivo, pois podemos chamá-la em seguida para o polo ativo da própria ação" e sugere que depois de instalado o processo, a empresa deve solicitar um "acordo nos autos diretamente dirigido ao Senhor Advogado-Geral da União".

No relatório, a PF destaca que Paulo havia sido presidente do Conselho Fiscal da Docas e é membro do colegiado até hoje.

A PF também interceptou um e-mail, enviado em agosto de 2010, de Paulo para Martorelli para tratar de processo administrativo do Estaleiro Mauá no Ministério dos Transportes. Na mensagem, o ex-diretor da ANA é explícito: "Peço-lhe analisar a minuta da petição, fazer as formatações, e se de acordo, assinar e enviar para Brasília por sedex para que eu possa protocolar no MT".

Paraa PF, Paulo utiliza-se mais uma vez "da estrutura e informações relativas a seu cargo com o objetivo de defender interesses particulares", afirma o relatório.

Outro lado

Por nota, a Cargill informou que não sabia que era citada em relatório da PF na operação Porto Seguro. A empresa confirmou que Martorelli a representou em duas ações. A última delas, em janeiro 2009, tinha como objetivo impedir a inviabilização da operação de um terminal de açúcar, no qual a Cargill detém 50%.

Segundo a empresa, Martorelli não atua na ação em que a empresa processa a Codesp e a Antaq para garantir a ampliação do prazo de exploração do terminal de grãos – objeto dos e-mails trocados entre o advogado e Paulo Vieira.

O Estaleiro Mauá e a Hipercon Terminais não responderam aos questionamento enviados pela reportagem. O advogado José Luiz Macedo, representante de Martorelli, disse que seu cliente não cometeu irregularidades. "Ele é advogado no caso da Hipercon e está perdendo tudo na Justiça", disse Macedo. "Como é que tem favorecimento?", questionou. Segundo ele, Paulo e Martorelli apenas "trocavam figurinhas" sobre alguns processos e o estilo invasivo do ex-diretor da ANA fez a PF acreditar que seu cliente estivesse envolvido em irregularidades.

A reportagem não localizou Paulo Vieira e seu advogado. José Weber Holanda Alves também não foi localizado.


Fonte: Estadão Conteúdo - Publicado na Revista Veja - Jornal a Tribuna
 

*Esta publicação é de inteira responsabilidade do órgão de imprenssa que a publicou. O nosso papel é apenas manter informado aqueles que acompanham o Blog, de todos os fatos, que de alguma forma, estejam relacionados com a Segurança Portuária, nesse caso, a Operação Porto Seguro, da Polícia Federal.



Nenhum comentário:

Postar um comentário

LEGISLAÇÕES