Postagem em destaque

PF FLAGRA PORTUÁRIOS COM PACOTES DE COCAÍNA NO CORPO PARA EMBARQUE EM NAVIO

Trabalhadores do Porto de Santos tentaram levar carregamento até navio atracado no cais, que foi cercado pela Guarda Portuária. Tablete...

terça-feira, 5 de fevereiro de 2013

0

PORTUÁRIOS OBTÉM APOIO DO MPT


 
 
 
 
* Texto extraído de matérias publicadas no Jornal a Tribuna - Santos
 
Os dirigentes de sindicatos portuários se reuniram com procuradores do Ministério Público do Trabalho – MPT, na tarde de ontem (04/02), para analisar os efeitos da Medida Provisória 595/12 no Porto de Santos.
O encontro foi convocado pelo MPT, que também quer debater as alterações na forma de contratação dos portuários com o relator da MP, senador Eduardo Braga (PMDB-AM), em Brasília.
O Coordenador Nacional do Trabalho Portuário e Aquaviário do MPT (CONAPTA), procurador Maurício Coentro Pais de Melo, abriu a reunião criticando a medida provisória. “essa MP desagrada gregos e troianos”, disse ele, referindo-se a trabalhadores, operadores (empresários) estabelecidos no porto organizado, prefeituras e outros segmentos do setor.
Maurício Coentro ponderou que, apesar de pontos conflitantes entre o MPT com os sindicatos, principalmente em relação à implantação da escala eletrônica, a MP nos une em aspectos comuns. “A restrição ao mercado de trabalho dos portuários registrados ou cadastrados no Órgão Gestor de Mão de Obra – OGMO, imposta pela medida provisória, é um dos pontos convergentes”.
Maurício destacou que a MP não garante a renda dos trabalhadores, extingue as Autoridades Portuárias e compromete a segurança do setor.
O vice-coordenador da Conapta, Ângelo Fabiano Farias da Costa, adiantou que o MPT entrará em contato com o relator da MP. E anunciou que a coordenação do órgão também irá alertar os deputados federais integrantes da comissão para os aspectos negativos da MP 595/12.
“Nós ouvimos as preocupações dos representantes dos sindicatos e 95% dos temores que eles têm são os mesmo que os nossos”, disse o procurador Rodrigo Lestrade.
 
 
Segundo o procurador, a MP pode criar uma situação desigual para tratar iguais. “Terminais de fora da área do porto organizado poderão contratar profissionais fora do Ogmo. O que prejudicaria muito trabalhadores e empresas”. Isso porque empresários fora da área do porto poderiam ter a liberdade de contratar outros trabalhadores com salários mais baixos, explica o procurador. A MP também não faz menção à Guarda Portuária, então, não fica claro como ficará o controle de acesso ao cais primário”.
Sindicalistas
O presidente do Sindicato dos Estivadores, Rodnei Oliveira da Silva, sugeriu que o MPT entre com ação de inconstitucionalidade da MP por não garantir o trabalho portuário avulso. “A medida fere o artigo 7º, inciso 3º, da Constituição Federal, que garante a mão de obra avulsa nos portos. Não abrimos mão desse direito constitucional”, disse Nei.
O presidente do Sindicato dos Rodoviários, Valdir de Souza Pestana, alertou para a possibilidade da MP permitir a utilização de mão de obra própria dos armadores a bordo. “Esses trabalhadores internacionais têm jornada de doze horas, contra as oito no Brasil, ou seis, no caso do porto, e recebem salário de fome”.
O presidente do Sindicato dos Operários Portuários, Robson de Lima Apolinário, pediu urgência nas ações. “Nos portos europeus, os governos não participam das operações, mas sim permanecem nas administrações e são autoridades portuárias”.
Para o presidente do sindicato dos Empregados na administração Portuária, Everandy Cirino dos Santos, a reunião foi muito positiva. “Conseguimos expor nossas reivindicações e apresentar os danos que a MP vai causar aos trabalhadores”.
Os trabalhadores marcaram uma plenária com as federações e sindicatos amanhã, em Brasília. Outra plenária está agendada para ocorrer entre os dias 20 e 22.
 
Por Carlos Carvalhal
 

Nenhum comentário:

Postar um comentário

LEGISLAÇÕES