Postagem em destaque

PF FLAGRA PORTUÁRIOS COM PACOTES DE COCAÍNA NO CORPO PARA EMBARQUE EM NAVIO

Trabalhadores do Porto de Santos tentaram levar carregamento até navio atracado no cais, que foi cercado pela Guarda Portuária. Tablete...

sexta-feira, 1 de novembro de 2013

0

GUARDAS PORTUÁRIOS PODERÃO TER O PLR COMPROMETIDO





Segundo Everandy Cirino dos Santos, Presidente do Sindicato dos Trabalhadores na Administração Portuária (Sindaport), do Porto de Santos, vários guardas portuários poderão ter a sua remuneração referente à Participação nos Lucros e Resultados (PLR) prejudicada, em virtude de não terem cumprido a carga horária em cursos de treinamento.

A Lei 10.101, de 19 de dezembro de 2000, cita que o PLR é um bônus oferecido ao empregado para que a sua produtividade aumente, para tanto o empregador poderá exigir algumas metas para conceder tal bônus.

Entre as metas exigidas pela Companhia Docas do Estado de São Paulo (CODESP), está a participação do empregado em cursos oferecidos pela empresa para que ele possa receber o PLR na sua totalidade.

Com o corte das horas extras em conseqüência da implantação, à partir de agosto, do novo Plano de Cargos e Salários, diminuiu o efetivo por turno e vários postos deixaram de ser guarnecidos, fazendo com que o Superintendente da Guarda Portuária, Ézio Ricardo Borghetti, cortasse todos os cursos programados no Programa de Formação, Aperfeiçoamento e Capacitação Específica e Continuada da Guarda Portuária da Companhia Docas do Estado de São Paulo – CODESP.

No entendimento do presidente do Sindaport, como não houve recusa dos empregados no tocante a participação nos cursos, e sim o impedimento por parte do empregador, com o cancelamento dos cursos previstos, os empregados não poderão ser prejudicados por conta desta atitude, cabendo a empresa pagar o valor do PLR de forma total àqueles que não puderam participar destes cursos.


Em 03 de outubro o Sindicato protocolou junto a empresa um ofício requerendo o pagamento integral do PLR, mesmo para aqueles que não cumpriram a carga horária mínima exigida, no entanto, até esta data, a empresa não se pronunciou a respeito do assunto.



Nenhum comentário:

Postar um comentário

LEGISLAÇÕES