Postagem em destaque

GUARDAS PORTUÁRIOS PARTICIPAM DE CURSO DE CAPACITAÇÃO PARA ADESTRAMENTO DE CÃES NO PARÁ

As instruções teóricas foram realizadas tanto em espaços ao ar livre quanto em sala, com apresentações em slides e considerações impor...

segunda-feira, 23 de dezembro de 2013

0

PCES E TABELA V GERAM EXPECTATIVAS E FRUSTAÇÕES NA CODESP

 
 


É sabido por todos que o novo Plano de Cargos e Salários (PCES) da Companhia Docas do Estado de São Paulo (Codesp) circulou durante anos entre diversos gabinetes do Executivo, em Brasília, depois de ser empurrado de um lado para outro pelas bandas da Codesp. Sem qualquer definição, acabou engavetado por mais de 2 anos, e só após as gestões feitas pelo Sindicato dos Trabalhadores na Administração Portuária (Sindaport), administrativas e políticas, foi finalmente implantado em agosto de 2013.

Apesar da implantação, sabe-se também que a tabela original do PCES foi alterada na última hora às escondidas, ou seja, sem a anuência da categoria e do Sindicato. E quando todos imaginavam que o impasse sobre o plano tinha chegado ao fim, eis que surge o mesmo  Departamento de Coordenação e Governança das Empresas Estatais (DEST) com suas exigências, segundo afirmam os diretores da Codesp, desta vez envolvendo a Tabela V referente aos cargos e salários de mando.

Específico e direcionado para o pessoal de chefia, ao que tudo indica o novo impasse tem todos os ingredientes para estabelecer uma nova disputa entre a Codesp e o Sindaport, que já se mexe para defender os interesses dos empregados envolvidos. Nesse sentido, repudia as alterações promovidas nos valores originais da Tabela V, que foi previamente enviada para o Sindicato e divulgada pela própria empresa.

Há cerca de duas semanas, de forma sigilosa o Sindaport foi informado que a referida tabela estava a caminho de Santos, devidamente aprovada pelo DEST, trazida pelas mãos de um dirigente do primeiro time da estatal em retorno de Brasília. Sem perder tempo, o diretor administrativo e financeiro da Codesp determinou (por telefone) às diversas chefias das unidades que a informação não fosse levada ao conhecimento do Sindaport.

O objetivo do suposto silêncio, segundo informações, foi de que os méritos decorrentes da notícia deveriam ser atribuídos à direção da estatal e não à do Sindicato, numa bobagem sem tamanho. Durante duas semanas o ofício do DEST e da SEP permaneceu guardado, ou escondido, para em seguida ser trazido à luz após nova viagem de alguns executivos à Capita Federal. Depois da operação sigilosa, de fazer inveja à CIA e ao Mossad, as informações sobre a Tabela V foram finalmente divulgadas.

Será que este diretor pensa que esses valores da Tabela V vão mesmo atender as necessidades da empresa e os anseios da categoria? Se os novos valores que foram divulgados forem confirmados certamente duas coisas irão acontecer:

- o quesito técnico não será privilegiado, pois a maioria dos empregados que já vem desempenhando as funções e são os mais bem preparados não aceitarão assumir os cargos por valores salariais pífios;

- levando-se em conta que muitos deles ocupam tais cargos ou desempenham tais funções há décadas, a reparação na Justiça do Trabalho, inclusive, por danos morais, é o único caminho a ser seguido.

O texto confuso deste chamado PCC - Plano de Cargos Comissionados está gerando muitas dúvidas e muitos boatos. Porém, há um item no texto que está muito claro:

L ) “qualquer alteração no PCC deverá ser submetida previamente à apreciação deste Ministério (Planejamento), por intermédio do Ministério Supervisor, conforme disposto no art. 1° DO Decreto nº 3,735/2001”.

Portanto companheiros, não se deixem levar por boatos dentro da empresa, de que nova tabela está sendo aprovada na DIREXE ou no CONSAD.

O que foi deliberado pela categoria, ou seja, o ingresso na Justiça do Trabalho, inclusive por danos morais, continua valendo.



Fonte: Sindaport







Nenhum comentário:

Postar um comentário

LEGISLAÇÕES