Postagem em destaque

CONPORTOS PRORROGA VALIDADE DOS CERTIFICADOS DO CESSP

A prorrogação se deu diante da impossibilidade da realização do Curso de Atualização dos Supervisores de Segurança Portuária - CASSP, ...

sábado, 1 de fevereiro de 2014

1

GUARDAS PORTUÁRIOS FAZEM PROTESTO NOS PORTOS DO PARANÁ





Enquanto os portuários de Santos se abstiveram de participar da greve nacional em defesa da Regulamentação da Guarda Portuária, Sem Terceirização; os portuários do Paraná deram um exemplo de mobilização. 

 
Guardas portuários vinculados ao Sindicato dos Trabalhadores Portuários no Estado do Paraná (Sintraport) realizam, na quinta-feira (30), uma manifestação nos terminais de Paranaguá e Antonina. Guiado pela Federação Nacional dos Portuários, o protesto cobrou a Regulamentação da Guarda Portuária e contestou a terceirização da mão de obra no setor.


Segundo o presidente do Sintraport, Orlei de Souza Miranda, a manifestação foi pacífica e não afetou os serviços prestados nos portos. Ele explicou que os 110 guardas que realizam os trabalhos nos dois terminais realizaram uma operação padrão na entrada dos portos. Eles revistaram todos os veículos que passaram pelo local.


“O Porto não está tendo prejuízo por causa dessa manifestação, que é uma forma de a gente chamar atenção da população para a nossa causa. Terceirizar o serviço que hoje fazemos vai nos causar prejuízos financeiros, prejuízo para os portos. Somos contra a contratação de empresas terceirizadas e a favor da realização de novos concursos públicos para ampliar o número de guardas”, declarou Miranda.


Em nota encaminhada à imprensa, a Administração dos Portos de Paranaguá e Antonina (Appa) confirmou que as operações nos portos ocorreram dentro da normalidade. O ato também não acarretou prejuízos financeiros.


A Appa esclareceu ainda que, no Porto de Paranaguá, todos os terminais portuários privados possuem guarda patrimonial privada, ou seja, as operações de carga e descarga nestes terminais não forma afetadas.


Operação Tolerância Zero

Em Paranaguá, os portões de acesso de pessoas, veículos e cargas tiveram a operação "tolerância zero". Além da cobrança normal de uso de EPI's, parte documental e identificação de pessoas e veículos houve vistoria em todos os veículos e bagagem, mochilas e malas de pessoas.


A reivindicação é para que o Governo Federal trate a segurança portuária com seriedade, e não para atender interesses de setores empresariais ligados a segurança privada.



Fonte: Jornal de Londrina – Folha do Litoral News – Facebook Guarda Portuária 










Um comentário:

  1. REALMENTE UM PARADOXO; ENQUANTO UNS PREFEREM SE MOBILIZAR , OUTROS, DELA, SE ABSTEM.

    PARABÉNS À GUARDA PORTUÁRIA DO PARANÁ.

    CILENO BORGES

    ResponderExcluir

LEGISLAÇÕES