Postagem em destaque

GUARDA PORTUÁRIA PARTICIPA DO DESFILE DA INDEPENDÊNCIA

A Guarda Portuária voltou a participar após 35 anos de ausência. A última participação ocorreu em 1982 Ontem (07) a Guarda Portuár...

domingo, 23 de março de 2014

0

PORTOS BRASILEIROS PODEM SER ALVOS DE ATAQUES TERRORISTAS


Marcus Vinícius Resis, especialista em terrorismo e contra-terrorismo


Os portos brasileiros podem ser alvos de ataques terroristas durante a Copa do Mundo, que acontece no país entre junho e julho deste ano. A afirmação é do especialista em contraterrorismo e combate ao crime organizado transnacional, Marcus Vinícius Reis. Ele ministrou palestra, na manhã da última quinta-feira (20), no I Curso de Capacitação para Inspetores e Líderes da Guarda Portuária da CODESA.

“Para grupos terroristas, uma Copa do Mundo traz muitos benefícios em visibilidade para a causa. Há uma demanda política interna, como por exemplo, a do PCC (Primeiro Comando da Capital, facção criminosa que atua principalmente em São Paulo), que pode atuar durante o evento. E somos também alvos de ataques externos, devido a equipes de países visados, como os EUA, os países europeus, além do Irã. As nossas fronteiras marítimas são permeáveis”, destacou Reis que abordou na palestra o tema “O Terrorismo e os Portos”.

Com mestrado em Terrorismo, Direito e Conflitos Armados, na Espanha, e especialização em Antiterrorismo, na Universidade de Washington, EUA, Marcus Reis acredita que os portos podem se tornar alvo devido a fragilidade na segurança. “Aqui no Brasil, 90% das exportações passam pelos portos, envolvendo toda a economia do país. É necessário fazer uma análise de risco dos portos para saber o que deve ser protegido. Fortalecer a Guarda Portuária, por exemplo, é necessário. Um atentado no Porto de Santos significa mexer com quase 60% da economia do país. Aqui em Vitória, o impacto seria de 20% na economia nacional”, alertou.

Segundo Reis, o terrorismo é realizado apenas com fins políticos e não financeiros, como atentados criminosos, com o intuito de promover uma mudança de comportamento na sociedade, induzindo o caos na população. “Mas isso não quer dizer que um atentado criminoso não possa se tornar um atentado terrorista. As forças armadas só devem ser solicitadas no momento em que o atentado afetar a soberania do país. A Copa do Mundo está aí, e não temos nem uma lei nacional de contraterrorismo”, pontuou.

Capacitação com palestras da Polícia Federal e Marinha do Brasil 


Na última terça-feira (18), os 70 participantes assistiram a palestra “A Policia Federal nos Portos Brasileiros”, ministrada por Antônio José Rabello Montenegro, presidente da Comissão Estadual de Segurança Pública nos Portos, Terminais e Vias Navegáveis do Espírito Santo (CESPORTOS – ES), e chefe do Núcleo Especial de Polícia Marítima da Polícia Federal (NEPOM).

“A palestra desta manhã foi de suma importância para a Guarda Portuária, tendo em vista que foi apresentada por uma pessoa da mais alta credibilidade no meio policial. A integração que está ocorrendo com um órgão interveniente é de grande valia para fornecer conhecimento a cerca da sua real participação dentro do contexto de segurança nacional para a Guarda Portuária”, comentou o Coordenador de Segurança de Navios e Instalações Portuárias (Cosnip), Enildo Pereira.

Aprimoramento

À tarde, o capitão de fragata da marinha, Ruy Cabral, falou sobre a atuação da Guarda Portuária sob a ótica da Marinha do Brasil. “A iniciativa do Singuapor  é inédita no Brasil. Além disso,  o curso é  muito importante para a  qualificação da categoria frente à forte demanda na movimentação portuária que cresce ao longo dos últimos anos”.

Ilzon Amarante, guarda portuário há 27 anos, destacou a importância do curso na qualidade de trabalho da categoria. “Além de ampliar nosso conhecimento e visão de como atuar em nosso trabalho, o curso só vem a acrescentar na qualidade de nosso serviço, contribuindo com a nossa melhoria e aprimoramento nas questões portuárias”.

Curso aborda noções de Direito Administrativo, Legislação e Liderança

As palestras “Noções de Direito Administrativo”, com o coordenador Jurídico Sergius Carvalho Furtado, e “Liderança”, com o coordenador de Recursos Humanos Fabrício Bernardes Diniz, foram ministradas na manhã da última quarta-feira (19) no terceiro dia do 1º Curso de Capacitação para Inspetores e Líderes da Guarda Portuária. Os dois palestrantes são funcionários da CODESA, empresa que promove o curso em parceria com o Sindicato da Guarda Portuária (Sindguapor).

Diniz abordou as diversas personalidades de líderes, a importância do líder em conhecer todas as nuances do seu ambiente de trabalho, de descobrir aptidões e ter ainda um bom relacionamento profissional e pessoal com sua equipe e, principalmente, desfazer a ideia de que alguns nasceram para ser líderes e outros não. “Todos têm capacidade de liderar. Isso vai depender da dedicação e sabedoria para escolher as áreas onde suas habilidades serão mais bem aproveitadas para o sucesso de projetos e o alcance de metas”, destacou o palestrante. 
 Luiz Carlos de Araújo - Professor da Faculdade Estácio de Sá
À tarde, o curso contou com as palestras “CLT e Legislações Aplicáveis”, ministrada pela Auditora Fiscal do Trabalho da Superintendência Regional do Trabalho e Emprego, Elierci da Cunha Magro; “Gestão de Equipes e Gestão de Conflitos”, realizada pelo Mestre em Economia, Luiz Carlos de Araújo; e por último, “A Inteligência Aplicada à Gestão da Guarda Portuária”, com o Coronel da Reserva Remunerada da Polícia Militar do Espírito Santo e Diretor do Grupo SEI – Segurança & Inteligência, José Nivaldo Campos Vieira.

Adonismar Anacleto, supervisor da Guarda Portuária em Capuaba, destacou a importância do projeto para a qualificação dos funcionários e da segurança do setor. “O curso é de extrema importância para o desenvolvimento do trabalho, pois o profissional necessita regulamente ser requalificado, para que não se perca no tempo e no comodismo. Com isso, o aprendizado dado aos profissionais portuários durante essa semana de curso fará com que o trabalhador atue com melhor qualidade, maior rapidez e mais segurança para o cliente e para o próprio prestador de serviços”.


Fonte de Informação: CODESA

Edição: Segurança Portuária Em Foco





Nenhum comentário:

Postar um comentário

LEGISLAÇÕES