Postagem em destaque

PF FLAGRA PORTUÁRIOS COM PACOTES DE COCAÍNA NO CORPO PARA EMBARQUE EM NAVIO

Trabalhadores do Porto de Santos tentaram levar carregamento até navio atracado no cais, que foi cercado pela Guarda Portuária. Tablete...

domingo, 23 de março de 2014

0

PORTOS BRASILEIROS PODEM SER ALVOS DE ATAQUES TERRORISTAS


Marcus Vinícius Resis, especialista em terrorismo e contra-terrorismo


Os portos brasileiros podem ser alvos de ataques terroristas durante a Copa do Mundo, que acontece no país entre junho e julho deste ano. A afirmação é do especialista em contraterrorismo e combate ao crime organizado transnacional, Marcus Vinícius Reis. Ele ministrou palestra, na manhã da última quinta-feira (20), no I Curso de Capacitação para Inspetores e Líderes da Guarda Portuária da CODESA.

“Para grupos terroristas, uma Copa do Mundo traz muitos benefícios em visibilidade para a causa. Há uma demanda política interna, como por exemplo, a do PCC (Primeiro Comando da Capital, facção criminosa que atua principalmente em São Paulo), que pode atuar durante o evento. E somos também alvos de ataques externos, devido a equipes de países visados, como os EUA, os países europeus, além do Irã. As nossas fronteiras marítimas são permeáveis”, destacou Reis que abordou na palestra o tema “O Terrorismo e os Portos”.

Com mestrado em Terrorismo, Direito e Conflitos Armados, na Espanha, e especialização em Antiterrorismo, na Universidade de Washington, EUA, Marcus Reis acredita que os portos podem se tornar alvo devido a fragilidade na segurança. “Aqui no Brasil, 90% das exportações passam pelos portos, envolvendo toda a economia do país. É necessário fazer uma análise de risco dos portos para saber o que deve ser protegido. Fortalecer a Guarda Portuária, por exemplo, é necessário. Um atentado no Porto de Santos significa mexer com quase 60% da economia do país. Aqui em Vitória, o impacto seria de 20% na economia nacional”, alertou.

Segundo Reis, o terrorismo é realizado apenas com fins políticos e não financeiros, como atentados criminosos, com o intuito de promover uma mudança de comportamento na sociedade, induzindo o caos na população. “Mas isso não quer dizer que um atentado criminoso não possa se tornar um atentado terrorista. As forças armadas só devem ser solicitadas no momento em que o atentado afetar a soberania do país. A Copa do Mundo está aí, e não temos nem uma lei nacional de contraterrorismo”, pontuou.

Capacitação com palestras da Polícia Federal e Marinha do Brasil 


Na última terça-feira (18), os 70 participantes assistiram a palestra “A Policia Federal nos Portos Brasileiros”, ministrada por Antônio José Rabello Montenegro, presidente da Comissão Estadual de Segurança Pública nos Portos, Terminais e Vias Navegáveis do Espírito Santo (CESPORTOS – ES), e chefe do Núcleo Especial de Polícia Marítima da Polícia Federal (NEPOM).

“A palestra desta manhã foi de suma importância para a Guarda Portuária, tendo em vista que foi apresentada por uma pessoa da mais alta credibilidade no meio policial. A integração que está ocorrendo com um órgão interveniente é de grande valia para fornecer conhecimento a cerca da sua real participação dentro do contexto de segurança nacional para a Guarda Portuária”, comentou o Coordenador de Segurança de Navios e Instalações Portuárias (Cosnip), Enildo Pereira.

Aprimoramento

À tarde, o capitão de fragata da marinha, Ruy Cabral, falou sobre a atuação da Guarda Portuária sob a ótica da Marinha do Brasil. “A iniciativa do Singuapor  é inédita no Brasil. Além disso,  o curso é  muito importante para a  qualificação da categoria frente à forte demanda na movimentação portuária que cresce ao longo dos últimos anos”.

Ilzon Amarante, guarda portuário há 27 anos, destacou a importância do curso na qualidade de trabalho da categoria. “Além de ampliar nosso conhecimento e visão de como atuar em nosso trabalho, o curso só vem a acrescentar na qualidade de nosso serviço, contribuindo com a nossa melhoria e aprimoramento nas questões portuárias”.

Curso aborda noções de Direito Administrativo, Legislação e Liderança

As palestras “Noções de Direito Administrativo”, com o coordenador Jurídico Sergius Carvalho Furtado, e “Liderança”, com o coordenador de Recursos Humanos Fabrício Bernardes Diniz, foram ministradas na manhã da última quarta-feira (19) no terceiro dia do 1º Curso de Capacitação para Inspetores e Líderes da Guarda Portuária. Os dois palestrantes são funcionários da CODESA, empresa que promove o curso em parceria com o Sindicato da Guarda Portuária (Sindguapor).

Diniz abordou as diversas personalidades de líderes, a importância do líder em conhecer todas as nuances do seu ambiente de trabalho, de descobrir aptidões e ter ainda um bom relacionamento profissional e pessoal com sua equipe e, principalmente, desfazer a ideia de que alguns nasceram para ser líderes e outros não. “Todos têm capacidade de liderar. Isso vai depender da dedicação e sabedoria para escolher as áreas onde suas habilidades serão mais bem aproveitadas para o sucesso de projetos e o alcance de metas”, destacou o palestrante. 
 Luiz Carlos de Araújo - Professor da Faculdade Estácio de Sá
À tarde, o curso contou com as palestras “CLT e Legislações Aplicáveis”, ministrada pela Auditora Fiscal do Trabalho da Superintendência Regional do Trabalho e Emprego, Elierci da Cunha Magro; “Gestão de Equipes e Gestão de Conflitos”, realizada pelo Mestre em Economia, Luiz Carlos de Araújo; e por último, “A Inteligência Aplicada à Gestão da Guarda Portuária”, com o Coronel da Reserva Remunerada da Polícia Militar do Espírito Santo e Diretor do Grupo SEI – Segurança & Inteligência, José Nivaldo Campos Vieira.

Adonismar Anacleto, supervisor da Guarda Portuária em Capuaba, destacou a importância do projeto para a qualificação dos funcionários e da segurança do setor. “O curso é de extrema importância para o desenvolvimento do trabalho, pois o profissional necessita regulamente ser requalificado, para que não se perca no tempo e no comodismo. Com isso, o aprendizado dado aos profissionais portuários durante essa semana de curso fará com que o trabalhador atue com melhor qualidade, maior rapidez e mais segurança para o cliente e para o próprio prestador de serviços”.


Fonte de Informação: CODESA

Edição: Segurança Portuária Em Foco





Nenhum comentário:

Postar um comentário

LEGISLAÇÕES