Postagem em destaque

PF FLAGRA PORTUÁRIOS COM PACOTES DE COCAÍNA NO CORPO PARA EMBARQUE EM NAVIO

Trabalhadores do Porto de Santos tentaram levar carregamento até navio atracado no cais, que foi cercado pela Guarda Portuária. Tablete...

quarta-feira, 18 de junho de 2014

1

GUARDA PORTUÁRIA DE PARANAGUÁ REALIZA OPERAÇÃO TOLERÂNCIA ZERO




Na última segunda-feira (16) a Guarda Portuária do Porto de Paranaguá realizou a operação “Tolerância Zero”, em protesto contra a intenção da atual administração em terceirizar dez postos de serviço.
Os guardas portuários observaram e cumpriram rigorosamente as Portarias 030/2012 da Alfândega da Receita Federal de Paranaguá e 044/2014 da Administração dos Portos de Paranaguá e Antonina (APPA), respectivamente, além das demais normas de controle de acesso de pessoas, veículos e mercadorias, inseridas no ISPS-Code.

O objetivo da manifestação é a intenção do superintende da APPA insistir em desrespeitar as orientações da AGU – Advocacia Geral da União, do Ministério do Trabalho, Ministério dos Transportes, Ministério Público do Trabalho (MPT), ANTAQ – Agência Nacional de Transportes Aquaviários e outras decisões judiciais sobre a terceirização dos serviços da Guarda Portuária.
Estes órgãos, manifestam a impossibilidade de terceirização dos serviços da Guarda Portuária, por entenderem que estes serviços compõem atividade fim das Autoridades Portuárias, conforme indicam vários pareceres e sentenças:
“Efetivamente é atividade fim da Administração do Porto, organizar e regulamentar a Guarda Portuária, a fim de promover a vigilância e a segurança do porto, e desse modo, resta inviável a terceirização da referida atividade, necessitando-se de concurso público para a seleção e contratação de empregados públicos” (Gabinete do Ministro dos Transportes – Yolanda Corrêa Pereira – Consultora Jurídica).
“Em caso de haver necessidade de contratação de pessoal, somente por concurso público poderá ser feita essa contratação” (AGU/MT/CONJUR/CGLJ – Guilherme Brum de Almeida – Advogado da União).
“Em conclusão, a Guarda Portuária deve ser organizada pelo Administrador do Porto através de pessoal próprio, contratado a prazo indeterminado e regularmente treinado e supervisionado.”(Nota Técnica 009 do Ministério do Trabalho e Emprego)”.
“Expeça-se mandado de cumprimento, independente do trânsito em julgado, para que a ré se abstenha de transferir a terceiros a sua obrigação de organizar e administrar a guarda portuária, devendo promover a substituição do pessoal contratado de forma terceirizada por funcionários pertencentes a seus quadros no prazo de seis meses, sob pagamento de multa diária de R$10.000,00, reversíveis ao FAT” (Alzenir Bollesi de Plá Loeffler - Juíza do Trabalho).

Além da irregularidade apontada, a atual superintendência já foi alertada pelo Sindicato dos Trabalhadores Portuários do Estado do Paraná (Sintraport/PR) e pela Associação da Guarda Portuária, quanto as ações trabalhistas que certamente advirão pelo próprio motivo já exposto e por reclamações de isonomia salarial entre vigilantes e Guardas Portuários.
Ao que parece a atual administração, por intransigência e relutância em respeitar a lei, mais uma vez estará acarretando prejuízos financeiros, mais passivos trabalhistas à APPA somados aos prejuízos sociais aos seus servidores e outros trabalhadores.
Em paralelo ao movimento, O Sintraport e a Associação da Guarda Portuária, estão também cobrando do MPT uma resposta a denúncia de terceirização da atividade-fim proposta pela APPA.

“Também estamos entrando via judicial para o cancelamento da licitação, visto que após a reunião (feita após ordem direta do governador ao superintendente) com a Superintendência, ficou claro que a ideia de recuo esta longe por parte da APPA” disse Felipe Cordeiro.
Hoje às 18hs, será votada na Câmara Municipal de Paranaguá, uma Moção de Apoio, contra a terceirização de postos da Guarda Portuária, proposta pelo Vereador Arnaldo Maranhão.


Fonte: Página da Guarda Portuária de Paranaguá / Fecebook







Um comentário:

  1. Muito boa a manifestação, pacífica, e com boa repercussão, estamos juntos nessa briga!!!!!

    ResponderExcluir

LEGISLAÇÕES