Postagem em destaque

DELEGADA ASSUME A PRESIDÊNCIA DA CONPORTOS

Nelbe Ferraz de Freitas, 37, foi designada pelo Ministro de Estado da Justiça e Segurança Pública Na última quarta-feira (04), Nel...

quarta-feira, 25 de fevereiro de 2015

0

PROTESTO BLOQUEIA ACESSO AO PORTO DE SANTOS


(Foto: Matheus Tagé/DL)

Por cima, muita chuva e trovoadas. Do lado de baixo, no Viaduto da Alemoa – principal via de acesso a Porto de Santos – um confronto entre policiais e caminhoneiros autônomos, que iniciaram um grande protesto nesta terça-feira (24) contra aumento do preço do diesel, excesso de pedágios e baixo valor do frete, nos mesmos moldes que ocorrem em todo a País. Durante seis horas (entre 13 e 19 horas), os caminhoneiros congestionaram toda a pista Sul da Rodovia Anchieta, entre os quilômetros 61 e 64, incluindo a marginal.
(Foto: Matheus Tagé/DL)

Os manifestantes, que ocuparam o lado direito da pista, incluindo o outro sentido, pararam todos os veículos acima de três eixos. Somente carros, ambulâncias, ônibus e motocicletas podiam passar pelo lado esquerdo, proporcionando diversos pontos de lentidão. Muitos trabalhadores resolveram seguir a pé para casa. A Polícia ameaçou retirar os caminhões, mas os guinchos da Ecovias eram represados pelos manifestantes, que formavam grupos em vários pontos da pista.
Mais de 100 policiais foram enviados ao local, incluindo os do 2º Batalhão de Ações Especiais (Baep). Sete pessoas foram presas. Os detidos foram conduzidos ao 1º Distrito Policial no Centro de Santos. O ponto crítico ocorreu por volta das 17h30, quando a Polícia Rodoviária e o reforço do Baep entraram em conflito direto com os caminhoneiros sob e sobre o Viaduto da Alemoa. No mesmo tempo que os manifestantes arremessavam pedras do viaduto, recebiam tiros de borracha e bombas de efeito moral. Uma delas bateu na parede do viaduto e estourou ao lado do grupamento de choque. Somente às 18 horas a polícia conseguiu liberar o viaduto.
Ecovias                                             
A concessionária que administra o Sistema Anchieta-Imigrantes (SAI) - liberou a circulação de veículos que vinham de São Paulo (Capital) somente pelo acostamento da Via Anchieta. A Companhia de Engenharia de Tráfego (CET) acusou pontos de lentidão na Avenida Martins Fontes, sentido Centro-bairros, entre Praça dos Andradas e Anchieta. A orientação era que motoristas acessassem a Rodovia dos Imigrantes por São Vicente (seguindo pela Avenida Nossa Senhora de Fátima).
CET
De acordo com a Companhia de Engenharia de Tráfego (CET) de Santos, o movimento congestionou um trecho da Anchieta entre a entrada de Santos e o viaduto da Alemoa, comprometendo o tráfego de veículos que saiam da Cidade em direção a São Paulo. Por isso, segundo a empresa, a orientação aos condutores era pegar a Rodovia dos Imigrantes por São Vicente, seguindo pela Avenida  Nossa Senhora de Fátima.
Os motivos dos protestos são os mesmos apontados pelos caminhoneiros que desde segunda-feira paralisam rodovias brasileiras: aumento do preço do diesel, a cobrança de pedágio por eixo suspensos dos caminhões, que passou a valer em 2013, e o valor do frete, que, de acordo com eles, não corresponde ao aumento salarial dos trabalhadores.
A paralisação, segundo caminhoneiros, conta apenas com o envolvimento de trabalhadores autônomos.
Bandidos incendeiam caminhão
(Foto: Jornal A Tribuna)

Por volta das 21h20, um caminhão que estava estacionado no km 64, na pista de descida da Anchieta, foi incendiado. Segundo apurou a Reportagem, cerca de 10 homens encapuzados teriam saído do mato, em direção à rodovia. Eles abordaram o motorista, que participava do protesto na entrada de Santos, e exigiram que descesse do veículo. Na sequência, eles jogaram gasolina e atearam fogo no veículo.
O fogo no caminhão foi controlado. Uma equipe do Corpo de Bombeiros já se encontra no local da ocorrência. Não houve feridos.
(Foto: Jornal A Tribuna)

Segundo o tenente coronel Carlos Alberto dos Santos (foto-AT), da Polícia Militar Rodoviária, a maioria dos caminhoneiros não teria aderido ao movimento. Estavam sendo coagidos a fazer parte do protesto. “Esse movimento não tem liderança. Não há um sindicato por trás. Por isso, a gente não sabe quem está movimentando tudo isso. É uma ação difícil para a polícia poder discutir, para entrar num acordo com essas pessoas”, explica.
Ainda conforme o tenente, equipes da Polícia Rodoviária e do Baep permanecerão no local, mesmo que o trânsito seja escoado. “A polícia vai permanecer aqui para dar segurança a esses caminhoneiros, que não querem aderir ao movimento”.
Santos explica ainda que a Pista Sul, fechada desde o período da manhã, será liberada na noite de hoje. “Tivemos que fazer uma ação de choque, para liberar os primeiros caminhões. Daqui a alguns instantes, os veículos vão começar a se movimentar e nós vamos liberar essa pista”.
O tenente coronel da Polícia Rodoviária afirma ainda que cerca de dez indivíduos, encapuzados, teriam participado do incêndio a um caminhão, que estava parado no trecho próximo ao viaduto. “Foi uma ação de vândalos. Já temos a informação que vândalos mascarados invadiram a cabine do caminhão e atearam fogo no veículo”.  
Polícia
O major da Polícia Rodoviária Alexandre Xavier, que permaneceu parte do tempo negociando a liberação do viaduto pelos caminhoneiros, disse que o principal objetivo da polícia era o de evitar acidentes e roubos nas imediações. “Estamos conversando para liberar o acostamento para a passagem dos veículos menores. Estamos trabalhando com equipes de três companhias e mais reforços. O ponto crítico é o viaduto”, resumiu.
Bloqueios pelo Brasil não prejudicam chegada de soja
Nesta terça-feira (24), a Companhia Docas do Estado de São Paulo (Codesp) informou não ter detectado até o momento problemas na chegada dos caminhões agendados para fazer o desembarque de soja no Porto de Santos, em virtude da paralisação de caminhoneiros e transportadores em rodovias brasileiras. Os manifestantes protestam desde quinta-feira contra o aumento do preço do diesel e as tarifas de frete abaixo dos custos de transporte.  
O fluxo de embarques em Santos também continua ocorrendo normalmente, já que os terminais com armazéns têm grãos que chegaram ao porto nas últimas semanas. A Codesp informou, entretanto, que está monitorando a evolução da paralisação pelo País.  
Participantes do setor projetam que as interrupções do trânsito em rodovias devem trazer impacto na chegada de cargas em Santos em breve, já que boa parte dos grãos movimentados pelo porto vem do Centro-Oeste. Até o dia 3 de março, são esperados navios para carregar 1,17 milhão de toneladas de soja a granel.
Fim do protesto
(Foto: Matheus Tagé/DL)

Os manifestantes, que ocuparam o lado direito da pista, incluindo o outro sentido, pararam todos os veículos acima de três eixos. Somente carros, ambulâncias, ônibus e motocicletas podiam passar pelo lado esquerdo, proporcionando diversos pontos de lentidão. Muitos trabalhadores resolveram seguir a pé para casa. A Polícia ameaçou retirar os caminhões, mas os guinchos da Ecovias eram represados pelos manifestantes, que formavam grupos em vários pontos da pista.
A entrada da Cidade só voltou ao normal às 18h30 de ontem (24).

Fonte: Jornal A Tribuna / Diário do litoral

Edição: Portal Segurança Portuária Em Foco



*Esta publicação é de inteira responsabilidade dos autores e dos veículos que a divulgaram, não cabendo a esse Portal a emissão de qualquer juízo de valor. O nosso papel é apenas manter informado àqueles que nos acompanham, de todos os fatos, que de alguma forma, estejam relacionados com a Guarda Portuária e a Segurança Portuária em todo o seu contexto.

*Os comentários publicados não representam a opinião do Portal Segurança Portuária Em Foco. A responsabilidade é do autor da mensagem. Não serão aceitos comentários anônimos.





Nenhum comentário:

Postar um comentário

LEGISLAÇÕES