Postagem em destaque

PF FLAGRA PORTUÁRIOS COM PACOTES DE COCAÍNA NO CORPO PARA EMBARQUE EM NAVIO

Trabalhadores do Porto de Santos tentaram levar carregamento até navio atracado no cais, que foi cercado pela Guarda Portuária. Tablete...

domingo, 17 de janeiro de 2016

2

APPA TERCEIRIZA SEGURANÇA E SINTRAPORT GARANTE MANUTENÇÃO DA GUARDA PORTUÁRIA




Contrato de R$ 4,3 milhões.
No dia 02 de outubro de 2014, o Governo Federal, através da Portaria 350 da Secretaria de Portos da Presidência da República (SEP/PR), publicada em Diário Oficial da União, garantiu que a Guarda Portuária não poderia ser terceirizada. A medida tinha como abrangência todo o território nacional.
Mesmo ciente desta legislação, a direção da Administração dos Portos de Paranaguá e Antonina (APPA), desde quinta-feira (7), passou a trocar integrantes da Guarda Portuária por vigias da empresa curitibana ONDREPSB Limpeza e Serviços Especiais Ltda.
O contrato assinado no dia 6 de novembro garante à empresa terceirizada um faturamento de R$ 4.357.227,83 pelo prazo de dois anos e mais 180 dias a partir da assinatura do contrato. Isto resultará em R$ 181.551,15 ao mês recebido pela ONDREPSB.
Pelo contrato, a empresa fará serviço de controle administrativo de acesso a pessoas e veículos nas áreas de instalações da Appa, credenciamento de veículos, usuários e visitantes, funções que são exercidas, por força de lei, pela Guarda Portuária, atendendo o que determina o ISPS Code - Código Internacional para Segurança de Navios e Instalações Portuárias. O ISPS Code é uma norma internacional de segurança para controle de acessos e monitoramento.
Para implantar as normas do ISPS Code, a empresa estatal investiu R$ 4 milhões com recursos próprios na instalação dos equipamentos exigidos e aplicação de procedimentos que promovem, por exemplo, o porto a ser o pioneiro no controle de acesso de pessoas por identificação biométrica.
Na quinta-feira, um comunicado do Chefe da Guarda Portuária, Flávio José Correia, informou da terceirização da área de segurança com a empresa assumindo o Portão 2 – Ogmo, com dois vigias atuando 24 horas e mantendo apenas a presença de um guarda portuário no local. Coube ao terceirizado observar, vigiar, fazer a primeira abordagem e intervenção e comunicar o guarda portuário. Este, por sua vez, terá que exercer sua função.
Assembleia da categoria
Diante da troca de guardas portuários por vigias nos postos de trabalho no terminal portuário, o presidente do Sindicato dos Trabalhadores Portuários do Paraná (Sintraport), Gerson do Rosário Antunes, o Gerson Bagé, interrompeu suas férias e participou de uma assembleia da categoria realizada na sede sindical do Sindicato dos Bancários de Paranaguá na mesma quinta-feira, quando a Ondrepsb começou a trabalhar.
O dirigente sindical disse que existe um processo na Polícia Federal a respeito da tentativa de terceirização da Guarda Portuária e que a Appa só conseguiu a brecha para contratar a Ondrepsb por conta de uma burocracia judicial, gerada pelo Termo de Ajuste de Conduta (TAC) firmado com o Ministério Público do Trabalho.
Disse ainda que a administração portuária já se encontra irregular diante do ISPS Code pela falta de armamento na corporação e que já pediu providências sobre esta situação junto à Agência Nacional de Transportes Aquaviários (ANTAQ).

Na reunião, Gerson Bagé disse que para acabar com esta situação de terceirização da área de segurança, o Sintraport irá entrar com uma ação na justiça pedindo a anulação do TAC.
O presidente garantiu que esta ação de anulação do TAC será feita com pedido de liminar, no máximo, até sexta-feira (15).
Bagé disse ainda que no dia 18 do mês passado, o sindicato entregou para a direção da Appa a composição do novo quadro da empresa e nele consta a corporação da Guarda Portuária.
A Portaria 350
Vale lembrar que o texto da Portaria 350, além de não revogar portaria anterior (n°121), tem no artigo 2° a seguinte redação “A administração do porto, na qualidade de autoridade portuária, deverá estabelecer, na sua estrutura organizacional, diretamente subordinada ao seu dirigente máximo, unidade administrativa encarregada de organizar, gerenciar e supervisionar os serviços de segurança portuária”.
A publicação da portaria trouxe maior tranquilidade para a Guarda Portuária de todo o país. No Paraná, este ano, a corporação completará 29 anos de criação no dia 24 de setembro. Em 2014, durante as comemorações de 27 anos de atividade, fizeram-se várias referências ao risco da terceirização.
No Estado, o efetivo atual, de 106 guardas, foi contratado por concurso público pela Administração dos Portos de Paranaguá e Antonina (Appa). Entretanto, na nova Lei dos Portos, a 12.815/2013, colocava a necessidade da regulamentação (como a que foi publicada) e até então existia a “lacuna” na lei que podia levar a terceirização dos serviços.



*Esta publicação é de inteira responsabilidade do autor e do veículo que a divulgou. A nossa missão é manter informado àqueles que nos acompanham, de todos os fatos, que de alguma forma, estejam relacionados com a Guarda Portuária e a Segurança Portuária em todo o seu contexto, não cabendo a esse Portal a emissão de qualquer juízo de valor.
                                                                                                                                                                                                                                               
* Direitos Autorais: Os artigos e notícias, originais deste Portal, tem a reprodução autorizada pelo autor, desde que, seja mencionada a fonte e um link seja posto para o mesmo. O mínimo que se espera é o respeito com quem se dedica para obter a informação, a fim de poder retransmitir aos outros.
COMENTÁRIOS
Os comentários publicados não representam a opinião do Portal Segurança Portuária Em Foco. A responsabilidade é do autor da mensagem. Não serão aceitos comentários anônimos.



2 comentários:

  1. A POUCA VERGONHA CONTINUA.

    GP ALEXANDRE - ES

    ResponderExcluir
  2. PERSEVERANÇA COMPANHEIROS DA APPA. COM DEUS À FRENTE A VITÓRIA É CERTA.

    CILENO BORGES

    ResponderExcluir

LEGISLAÇÕES