Postagem em destaque

NOVO COMANDO NA GUARDA PORTUÁRIA DO RIO DE JANEIRO

Capitão reformado da Polícia Militar, Hugo, já comandou a Guarda Portuária em outra oportunidade No dia seis de setembro, o presid...

quarta-feira, 8 de fevereiro de 2017

2

GUARDA PORTUÁRIA DE ONTEM E DE HOJE


Inspetor Faraguti atendendo ocorrência em 15/09/2000


O guindaste içou o equipamento (transformador) do cais, para bordo do navio, mas no momento em que o transformador descia para o porão, a lança do PH não suportou o peso, e a carga caiu

Meus amigos, sabemos que nos dias atuais, com essa renovação nos quadros da Guarda Portuária (GPORT), em Santos, ocorreram grandes mudanças, sejam materiais ou operacionais. Mais não podemos esquecer jamais, dos tempos em que estivemos à frente da Guarda Portuária, que para trabalhar tínhamos apenas um cassetete, caneta (comprada por nós), parte diária e na maioria dos postos uma guarita de madeira, que em muitas vezes, chovia mais dentro do que fora, sem comunicação, leia-se telefone.
Quando estávamos escalados para Postos Fiscais, tínhamos uma cadeira, uma mesa, tudo em precárias condições, muitas vezes os portões para serem abertos ou fechados, nós precisávamos pedir ajuda para a garagem de empilhadeiras, para que com ajuda do aparelho, realizar a simples tarefa de abrir ou fechar o portão. E água potável? Em postos fiscais só de caixa d'agua, pesada e com forte gosto. Em guarita de madeira, nem isso tinha.
Quantas vezes, nós ao darmos o ponto para fazer 00/06, o Rondante dizia "hoje você vai ser alterado para tal lugar, e cuidar das galeras XXXXX carregadas com café”. Por esse motivo você tinha que vir preparado com capa de chuva, blusa, garrafas com agua e café; porque raramente tinha rendição para tal.
Hoje pelo que tenho sido informado, os colegas da GPORT desfrutam de postos confortáveis, com água potável, bons móveis, local limpo, viaturas modernas, velozes e confortáveis com ar e direção e armas, quer seja da empresa ou particular.
Viatura Veraneio – Na foto: Virgílio, Domingos (Cabeção), Antônio Carlos (Benedito), Nelson e Inspetor Joaquim

Quando iniciei na antiga Companhia Docas de Santos (CDS), as viaturas eram Veraneios, pesadas, lentas e barulhentas. As avenidas cheias de buracos e muitos trilhos, que sempre estavam cortando os pneus, e quantas vezes nós motoristas tínhamos que pagar por eles. Em dias de chuva, as ruas e avenidas do porto, calçadas com paralelepípedos, escorregavam muito, causando avarias em terceiros e nas viaturas, ainda assim, creio que nós, mais antigos, temos muitas saudades daquele tempo.
Acho que tudo que foi conseguido nesses novos tempos, devemos agradecer aos mais novos, afinal um dia teria que mudar, e mudar para melhor, e com certeza, o fato de novos integrantes, com formação cultural em níveis mais avançados, é natural que mudanças ocorram, porém nunca poderão esquecer que para que se atingisse esse patamar, nós os mais antigos, contribuímos e muito, trabalhando nas condições acima citadas e pasmem, naqueles tempos nós já trabalhávamos no maior porto da América Latina, e se o ainda é, deve-se muito a nossa gloriosa Guarda Portuária sempre zelou pelo patrimônio próprio e alheio, mesmo contando com viaturas obsoletas e precárias, postos sem água e comunicação. Guaritas de madeira também fazem parte da história e não será agora que vamos nos envergonhar de um passado tão recente.
Texto: Nelson Faraguti Gonçalves – Ex-Inspetor da Guarda Portuária de Santos




* Esta publicação é de inteira responsabilidade do autor e do veículo que a divulgou. A nossa missão é manter informado àqueles que nos acompanham, de todos os fatos, que de alguma forma, estejam relacionados com a Guarda Portuária e a Segurança Portuária em todo o seu contexto, não cabendo a esse Portal a emissão de qualquer juízo de valor.
                                                                                                                                                                                          
* Direitos Autorais: Os artigos e notícias, originais deste Portal, tem a reprodução autorizada pelo autor, desde que, seja mencionada a fonte e um link seja posto para o mesmo. O mínimo que se espera é o respeito com quem se dedica para obter a informação, a fim de poder retransmitir aos outros.
                                                                                                                                                
COMENTÁRIOS

Os comentários publicados não representam a opinião do Portal Segurança Portuária Em Foco. A responsabilidade é do autor da mensagem. Não serão aceitos comentários anônimos.

2 comentários:

  1. REALMENTE OS TEMPOS SÃO OUTROS NA GUAPOR. E MESMO PASSADO TODO ESSE TEMPO, AINDA NÃO TEMOS O DEVIDO RECONHECIMENTO DE DIREITO CONSTITUCIONAL A QUE TANTO ALMEJAMOS. SEJA DE QUE GERAÇÃO UM INTEGRANTE DESSA GUAPOR FOR, AINDA NÃO CONSEGUIMOS ALGO TÃO IMPORTANTE, SEJA REGIONAL EM ALGUNS CASOS, SEJA NACIONALMENTE, QUAL SEJA: NOSSA UNIDADE DE CLASSE E POLÍTICA DE FATO. IMPRESSIONANTEMENTE, AQUI NO PARÁ EM ESPECIAL, OS SINDICATOS AJUDAM A SUPRIMIR NOSSOS POSTOS E QUANDO NÃO AJUDAM, POR OMISSÃO O FAZEM. AJUDAM A QUERER QUANDO LENIENTES, A NOVAMENTE DEIXAR TERCEIRIZAR NOSSOS POSTOS, E QUANDO ASSIM NÃO O FAZEM, POR OMISSÃO O FAZEM E NUM UNIVERSO DE QUASE 200 INTEGRANTES, A GRANDE MAIORIA FICA APENAS VENDO A BANDA PASSAR, CONVENCIDOS PELOS PSEUDOS SINDICALISTAS QUE TUDO ESTÁ BOM COMO SE ENCONTRA E QUE NADA PRECISA SER FEITO. MAS, HÁ AQUELES QUE TEM SE PREOCUPADO EM FAZER A HISTÓRIA SE ENCARREGAR DE REGISTRAR OS POUCOS QUE REAL E LEGITIMAMENTE LUTAM E FAZEM OUTROS AINDA POUCOS, TAMBÉM, POR ESTA CORPORAÇÃO LUTAR.

    CILENO BORGES

    ResponderExcluir
  2. Mesmo com toda essa dificuldade da época vivenciada pelo meu pai ( Inspetor Nelson Faraguti Gonçalves ) passei minha infância toda e minha adolescência toda, vendo meu pai sair para trabalhar e chegar do trabalho com um orgulho imenso em vestir sua farda. Nunca vi meu pai trazer uma agulha se quer do Porto !!! Foi um exemplo para minha criação, tamanha sua honestidade. Sempre conquistou tudo com muito suor, que escorria de seu rosto de trabalhador. Sempre que aparecia dobras de turno para fazer, lá estava ele pronto para trabalhar. Fica aí o exemplo para a nova geração de guardas. Trabalhe muito com afinco e honestidade que Deus abençoa e vc consegue se não tudo, mas grande parte de seus anceios e o que é mais importante, o orgulho e o reconhecimento do seu profissionalismo por parte de quem acompanha sua trajetória profissional. Parabéns pai !!! Me orgulho muito de ser o filho do Inspetor Faraguti.

    ResponderExcluir

LEGISLAÇÕES