Postagem em destaque

CONPORTOS ABRE AS INSCRIÇÕES PARA NOVO CURSO DE ATUALIZAÇÃO PARA SUPERVISORES

Os candidatos poderão se inscrever no período de 10/07/2018 a 24/12/2018 e realizar o curso até o dia 31 de dezembro Desde ontem (...

segunda-feira, 5 de março de 2018

0

INTERPOL LOCALIZA EM ANGOLA MAIS DE 500 KG DE COCAÍNA QUE SAÍRAM DO BRASIL





Autoridades acreditam que droga pertença ao mesmo carregamento que um brasileiro tentou resgatar no Marrocos antes de ser preso. Mais de uma tonelada de cocaína seria vendida por R$ 160 milhões.

Mais de 500 kg de cocaína foram localizados no Porto de Luanda, em Angola, na África, escondidos em contêineres que saíram de Santos, no litoral de São Paulo. Segundo autoridades internacionais, trata-se do mesmo carregamento ilícito que um brasileiro tentou recuperar no Marrocos, mas acabou preso já com parte da droga. Juntas, as apreensões passam de uma tonelada.
O autônomo Márcio Ricardo de Oliveira, de 40 anos, de Cubatão (SP), é suspeito de chefiar uma quadrilha que foi desmantelada no porto marroquino de Casablanca com 541 kg de cocaína. Investigações apontaram que ele saiu do Brasil para recuperar a carga total, que mudou de trajeto inesperadamente, para levá-la à Europa.
Após a prisão do brasileiro e de mais cinco pessoas, parte do mesmo lote de contêineres foi deslocada para que fosse transportada em outro navio, visando a entrega no destino final da carga. Eles não foram revistados, mas por pertencerem ao carregamento original, houve a suspeita de que tivessem mais entorpecente escondido.

Conforme apurado pelo G1, a Interpol se mobilizou e acionou o Serviço de Investigação Criminal de Angola. O Porto de Luanda era a próxima escala da embarcação. Os contêineres com sacas de açúcar, do mesmo lote que saiu de Santos, foram desembarcados e, dentro deles, outras centenas de tabletes de cocaína estavam armazenadas.
O representante local da Interpol, Destino Pedro, afirmou à imprensa que o país não era o real destino do entorpecente. Fontes confirmaram ao G1 que a cocaína também deveria ter sido desembarcada em um porto europeu anteriormente, e ainda era alvo do fracassado resgate, cuja coordenação seria do brasileiro preso no Marrocos.
A imprensa angolana noticiou, ainda, que tripulantes italianos do navio Grande Buenos Aires, inclusive o comandante da embarcação na qual foram transportados os contêineres, foram detidos na ação. O navio, conforme sites públicos de monitoramento, permanecia até esta quinta-feira (1) retido no cais, de onde deveria ter saído há cerca de cinco dias.

Ao G1, um representante do escritório brasileiro da Grimaldi, dona do cargueiro, afirmou, na quarta-feira (28), que "não tinha informações que pudessem ser divulgadas". Autoridades estrangeiras confirmaram, ainda, que foi a bordo de outro navio, o Grande Brasile, da mesma empresa, que as mais de uma tonelada da droga viajou de Santos à Casablanca.
Pureza máxima
Após a apreensão da primeira metade do carregamento de cocaína no Marrocos, a polícia científica do país, em análise das substâncias, constatou que a droga apresentava 97% de pureza. Os investigadores que acompanham o caso acreditam que ela tenha sido fabricada nos países andinos vizinhos ao Brasil.
Após cruzar a fronteira, o carregamento foi levado até o cais santista, onde acabou escondido no Grande Brasile, que fez escala no porto em janeiro. Autoridades federais brasileiras verificam a eventual participação de Oliveira no esquema. Estima-se que, na Europa, o carregamento total seria vendido por cerca de R$ 160 milhões.

Brasileiro
Autoridades investigam se o brasileiro Márcio Ricardo de Oliveira era o chefe de um grupo de traficantes internacionais preso enquanto tentava recuperar uma carga de cocaína, desembarcada erroneamente no Porto de Casablanca, para levá-la a países europeus. O Itamaraty acompanha o caso.
Oliveira foi preso com outras cinco pessoas, de nacionalidades não informadas, que se preparavam para receber a carga ilegal no cais. Com o grupo, havia uma grande quantia em dinheiro, em diversas moedas, e cinco veículos de alto padrão que seriam utilizados em uma eventual fuga, que acabou frustrada.
As investigações iniciais apontam que a droga não era destinada a ser distribuída no Marrocos ou em nações vizinhas. Na verdade, a cocaína, que foi produzida em países da América do Sul e, posteriormente, escondida em um contêiner em Santos, seria desembarcada em uma escala na Europa, o que não ocorreu.
Desde a prisão, o governo brasileiro afirma que apura as reais circunstâncias do ocorrido. O Itamaraty, por meio de nota, somente disse que a Embaixada do Brasil em Rabat, capital marroquina, “segue apurando o caso”. O Ministério das Relações Exteriores afirmou, ainda, que familiares dele já solicitaram apoio.
O brasileiro vive em Cubatão, onde é autônomo e trabalha como mecânico de carros. Familiares ouvidos pelo G1, e que não quiseram se identificar, se mostraram consternados e constrangidos com toda a situação. Um parente dele acredita que o homem tenha sido vítima de "alguma armação".
O advogado de Oliveira no Brasil, Danilo Pereira, também confirmou a prisão, mas preferiu não detalhar qualquer informação, para "não atrapalhar os rumos do processo". O defensor, que deverá viajar ao Marrocos, afirmou que o cliente não possui ligação com organizações criminosas, e que também não tem passagem criminal.
Fonte: G1 Santos


Esta publicação é de inteira responsabilidade do autor e do veículo que a divulgou. A nossa missão é manter informado àqueles que nos acompanham, de todos os fatos, que de alguma forma, estejam relacionados com a Guarda Portuária e a Segurança Portuária em todo o seu contexto. A matéria veiculada apresenta cunho jornalístico e informativo, inexistindo qualquer crítica política ou juízo de valor.                                                                                             
* Direitos Autorais: Os artigos e notícias, originais deste Portal, tem a reprodução autorizada pelo autor, desde que, seja mencionada a fonte e um link seja posto para o mesmo. O mínimo que se espera é o respeito com quem se dedica para obter a informação, a fim de poder retransmitir aos outros.                                                                                                                          

                   COMENTÁRIOS                             
Os comentários publicados não representam a opinião do Portal Segurança Portuária Em Foco. A responsabilidade é do autor da mensagem. Não serão aceitos comentários anônimos.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

LEGISLAÇÕES