Postagem em destaque

PF FLAGRA PORTUÁRIOS COM PACOTES DE COCAÍNA NO CORPO PARA EMBARQUE EM NAVIO

Trabalhadores do Porto de Santos tentaram levar carregamento até navio atracado no cais, que foi cercado pela Guarda Portuária. Tablete...

terça-feira, 12 de junho de 2012

0

IMPASSE ENVOLVENDO A ESCALAÇÃO DOS TRABALHADORES PORTUÁRIOS IMPEDEM A OPERAÇÃO DOS NAVIOS

Depois de um final de semana e uma segunda-feira sem manifestação por parte dos trabalhadores, os operadores portuários que operam no cais público começam a sentir a dificultade na operação dos navios.

Empresários vão entrar com ação para conseguir mão de obra avulsa

Nesta terça-feira, representantes de cinco operadores do cais público do Porto de Santos, administrado pela CODESP, entrarão com uma ação na Justiça para pedir mão de obra avulsa diretamente dos sindicatos e não do Órgão Gestor de Mão de Obra (Ogmo).

Os empresários alegam que o impasse envolvendo a escalação dos portuários nos terminais santistas está trazendo graves prejuízos financeiros. 

Em fase o Ogmo não fornecer a mão de obra necessária, eles pretendem entar com uma liminar para escalar os trabalhadores direto com os Sindicatos.

O impasse está afetando a operação no Porto de Santos e cargas estão sendo desviadas para outros portos.


“Meu terminal teve prejuízo de R$ 1 milhão desde o dia 29, quando começou esse impasse na escalação de portuários. Hoje o porto tem 50 navios parados na barra, esperando pra atracar. A gente não anda sem mão de obra avulsa”, reclama Francisco Amorim do Prado, diretor do Terminal de Sal - Salinor.


Os terminais do cais público do Porto de Santos movimentam hoje sal, trigo, carga geral e celulose. Eles têm cinco embarcações paradas e sem possibilidade de movimentação de mercadorias. 


Segundo o Sindicato das Agências de Navegação Marítima do Estado de São Paulo (Sindamar), o prejuízo com o impasse no Porto de Santos já chega ao valor de R$ 40 milhões.


Operadores recrutam pessoal avulso


Três terminais de contêineres do Porto de Santos estão oferecendo 550 vagas para trabalhadores portuários avulsos (TPAs), como forma de retomarem os trabalhos no cais. O maior número de vagas, 350, está sendo oferecida pela Santos Brasil, cujas instalações ficam no Guarujá, enquanto o Tecondi e a Libra, em Santos, oferecem 100 vagas cada uma.


O requisito principal é que o candidato seja trabalhador portuário avulso, cadastrado junto ao Órgão Gestor de Mão de Obra - OGMO.


Repercusão


Segundo o presidente do Sindicato da Estiva, Rodnei Silva, a ofensiva dos empresários do porto em recrutar avulsos para serem contratados como celetistas está sendo interpretada como o desfecho de golpe organizadio pelos operadores portuários com a conivência do Ministério Público do Trabalho - MPT.


Para Rodney, o ato é um desrespeito dos operadores ao acordo coletivo de trabalho firmado com a estiva, e também uma forma de afrontar o sindicato, visando a precarização da mão de obra e a extinção da estiva.


Trabalhadores prometem novos protestos


Os diretores do sindicato da estiva prometem novos protestos ao longo do cais, principalmente na frente dos terminais da Santos Brasil e da Libra, que foram multados pelo MPT.


Veja abaixo o vídeo da matéria da TV Tribuna.




Fonte: Jornal A Tribuna - TV Tribuna - Diário do Litoral

Nenhum comentário:

Postar um comentário

LEGISLAÇÕES