Postagem em destaque

GUARDAS PORTUÁRIOS PARTICIPAM DE CURSO DE CAPACITAÇÃO PARA ADESTRAMENTO DE CÃES NO PARÁ

As instruções teóricas foram realizadas tanto em espaços ao ar livre quanto em sala, com apresentações em slides e considerações impor...

quarta-feira, 3 de julho de 2013

1

ESTIVADORES OCUPAM PRÉDIO DA CODESP




Trabalhadores protestam por não terem sido convocados pelo Ogmo
Manifestantes fecharam uma das principais vias do Porto de Santos


O grupo de estivadores que invadiu o prédio da Companhia Docas do Estado de São Paulo (Codesp), em Santos, no litoral de São Paulo, nesta quarta-feira (3), desocupou o local no início da noite a pedido da Polícia Federal. Os trabalhadores protestam por não terem sido convocados pelo Órgão Gestor de Mão de Obra (Ogmo) para atuar no terminal da Embraport, na Margem Esquerda do Porto, em Guarujá.






O grupo com cerca de 10 trabalhadores da Estiva entrou no prédio da Direção de Tráfego da Codesp, na Rua João Pessoa, por volta das 16h30. Eles pediram aos funcionários para esvaziarem o local, que aos poucos foram deixando suas salas. A Polícia Federal e a Guarda Portuária acompanharam toda a movimentação. Na saída, os manifestantes chegaram a bloquear a pista em frente ao edifício e soltar alguns rojões, mas não houve confronto.

Em nota, a Embraport esclarece que está negociando um Acordo Coletivo de Trabalho com a diretoria do Sindicato dos Estivadores de Santos, São Vicente, Guarujá e Cubatão (Sindestiva). Afirma ainda que o sindicato recusou a proposta da Embraport, baseada na CLT. A proposta oferece aos trabalhadores férias, 13º salário, FGTS, vale transporte, vale refeição, assistência médica, entre outros benefícios. A Embraport esclarece também que, além de estar amparada pela nova legislação do setor portuário em suas negociações, permanece aberta ao diálogo e determinada a assegurar aos trabalhadores portuários as garantias trabalhistas legais da CLT.

Manifestação de portuários e estivadores paralisou o Porto de Santos



Uma manifestação aconteceu na tarde desta quarta-feira (3). Os estivadores e portuários fecharam os dois sentidos da Rua Xavier da Silveira, no Centro da cidade, próximo à Alfândega, causando um grande congestionamento de veículos. Os mais de 40 trabalhadores queimaram pneus, soltaram fogos e formaram barricadas com pedras e pedaços de madeira. A Polícia Militar, a Guarda Portuária e o Corpo de Bombeiros foram acionados, mas não houve confronto com os manifestantes.

O acesso ao Porto foi comprometido, o trânsito já chegou na altura do viaduto do bairro Alemoa

O protesto é realizado por conta dos trabalhadores não terem sido convocados pelo Órgão Gestor de Mão de Obra (Ogmo) para atuar no terminal da Embraport, na Margem Esquerda do Porto de Santos, em Guarujá.

Estivadores e portuários também são contra parte da nova Lei dos Portos, que não permite que trabalhadores avulsos entrem em portos particulares, no caso dos proprietários não utilizarem esse serviço. Os trabalhadores já haviam feito protesto na manhã de terça-feira (2), no Centro de Santos.






Outro lado

 Por meio de nota, a Embraport informa que está em negociação com o Sindicato dos Estivadores e com o Sindicato dos Operários e dos Trabalhadores Portuários em Geral nas Administrações dos Portos Terminais Privativos e Retroportos do Estado de São Paulo, com o objetivo de ter trabalhadores contratados pelo regime da CLT.



FONTE: TV A TRIBUNA









Um comentário:

  1. COMO FOI DITO POR UM COMPANHEIRO DE LAGUNA:
    "ESSA MP595 PODE ATÉ NÃO RETIRAR OS DIREITOS DOS TRABALHADORES, MAS SIM, DEIXAR OS TRABALHADORES SEM O DIREITO DE TRABALHAR"

    ResponderExcluir

LEGISLAÇÕES