Postagem em destaque

PF FLAGRA PORTUÁRIOS COM PACOTES DE COCAÍNA NO CORPO PARA EMBARQUE EM NAVIO

Trabalhadores do Porto de Santos tentaram levar carregamento até navio atracado no cais, que foi cercado pela Guarda Portuária. Tablete...

sexta-feira, 16 de agosto de 2013

0

BTP COMEÇA A OPERAR NO PORTO DE SANTOS




Terminal do BTP pode aumentar em quase 40% a capacidade do Porto.

Primeiro navio desembarcou 81 contêineres no terminal.

 

Um novo terminal começou a operar no Porto de Santos, no litoral de São Paulo, nesta quarta-feira (14). Com o novo equipamento, a capacidade de movimentação de cargas no cais santista pode aumentar em quase 40%. O primeiro navio a operar chegou no final da tarde e desembarcou 81 contêineres.

O mau tempo levou a Capitania dos Portos a proibir a navegação no canal do Porto durante toda a manhã. Por isso, a primeira embarcação a atracar no novo terminal chegou com um atraso de nove horas. O MSC Challenger desembarcou 81 contêineres e embarcou outros 220.

O novo equipamento do Brasil Terminal Portuário (BTP) deve operar parcialmente por algum tempo. “A instalação já está construída para a sua capacidade final. A inicial, parcial, se deve à questão da dragagem do canal principal, de responsabilidade da Secretaria Especial de Portos (SEP); e do acesso aos berços. Tanto a SEP como a Companhia Docas do Estado de São Paulo (Codesp) indicam que elas estarão concluídas em outubro deste ano", explica o presidente do BTP Henry Robinson.

O novo terminal tem 500 funcionários, até o fim do ano deve contratar mais 240 e gerar 6.500 empregos indiretos. Assim que estiver operando totalmente, o equipamento poderá movimentar por ano até um milhão e duzentos mil contêineres. Isso representa um aumento de quase 40% na capacidade do Porto de Santos. "O crescimento esperado, de exportação e importação, se deve não só às cargas que já são tradicionais no contêiner, mas também ao desvio de outras mercadorias que não eram operadas em contêiner, e agora a gente vê essa migração”, diz Henry Robinson.

Para não causar filas no Porto, nem sobrecarregar os pátios reguladores, foi construído um estacionamento exclusivo para caminhões, com 90 vagas. O terminal também resolveu um problema antigo, a área de 490 mil metros quadrados onde está instalado era a do antigo lixão da Codesp. O trabalho de recuperação do solo demorou dois anos e meio. A licença de operação do Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis (Ibama) saiu no mês passado. Por segurança, a Companhia de Tecnologia de Saneamento Ambiental (Cestesb) vai monitorar o subsolo por mais dois anos.
 
Primeiro navio

Após realizar o embarque de 220 TEUs, o navio MSC Challenger, primeira embarcação comercial a operar na BTP deixou o terminal portuário. O navio, que atracou no final da tarde de ontem, desembarcou 81 TEUs.

A chegada das primeiras embarcações marca o início das operações parciais do terminal, que fica na região da Alemoa, na Margem Direita do Porto. A unidade só deverá operar a pleno vapor em outubro, quando está prevista a conclusão da dragagem de aprofundamento dos acessos a seus berços.

Enquanto isso, serão realizadas duas escalas semanais no cais da BTP. De acordo com o diretor-presidente da empresa, Henry James Robinson, os navios são da armadora MSC e farão a linha Costa Leste da América do Sul-Golfo do México-Mar Mediterrâneo. “Por enquanto temos esses dois contratos assinados com a MSC, mas ainda estamos estudando serviços adicionais e a contratação do serviço para o Norte da Europa e a costa leste americana. Mas é certo que já podemos operar com duas escalas a cada semana”, destacou.

Apesar de o terminal estar liberado para operar, as atracações que vão ocorrer até outubro terão restrições – relacionadas ao tamanho e ao calado das embarcações.

Segundo o presidente da BTP, apenas navios com até 277 metros de comprimento e 11,2 metros de calado poderão atracar na instalação. O MSC Challenger, de bandeira de Hong Kong, tem 233 metros de comprimento. Já o Adriatic, de bandeira alemã, mede 277 metros de comprimento.

Mesmo dentro dos limites, esses navios não vão utilizar toda a capacidade de carregamento nas operações. O primeiro motivo é a profundidade do canal de navegação (calha central) de Santos. Apesar de a dragagem de aprofundamento do Porto já ter sido concluída, os novos índices ainda não foram homologados pela Marinha – já que foram encontradas inconsistências na obra, custeada pela Secretaria de Portos (SEP). Além disso, ainda é necessário aprofundar o acesso aos novos berços da Alemoa (onde está o terminal). Neste caso, a obra está sob a responsabilidade da Codesp.

 

Fonte: G1 / Santos - Jornal A Tribuna











 
 
 
 
 

Nenhum comentário:

Postar um comentário

LEGISLAÇÕES