Postagem em destaque

GUARDA PORTUÁRIA PARTICIPA DO DESFILE DA INDEPENDÊNCIA

A Guarda Portuária voltou a participar após 35 anos de ausência. A última participação ocorreu em 1982 Ontem (07) a Guarda Portuár...

quarta-feira, 30 de outubro de 2013

0

MUDANÇAS GERAM POLÊMICA NA GUARDA PORTUÁRIA





Ao que tudo indica os rumores que circulam pela Companhia Docas do Estado de São Paulo - Codesp sobre as possíveis alterações no sistema de trabalho da Guarda Portuária vão se transformar em realidade. Conforme previsto pela direção do Sindicato dos Trabalhadores na Administração Portuária - Sindaport na última assembleia, a empresa pretende fazer uso de suas prerrogativas legais e promover mudanças nos horários de serviços da corporação.

De acordo com informações extraoficiais obtidas pelo sindicato, os mandatários da estatal vão extinguir o lendário e sempre eficiente departamento de Trânsito da GPORT, cuja atribuição deverá ser exercida por todos os guardas portuários.

A adoção de novas diretrizes e a padronização de alguns procedimentos, inclusive os que normatizam o trânsito na zona portuária, seriam os motivos para o fim de um dos mais importantes setores da Codesp.

Se por um lado a modificação poderá trazer estímulo para boa parte da categoria, por outro deverá causar descontentamento em razão dos usos e costumes no cotidiano dos que estão diretamente ligados ao tráfego intenso no cais do porto, lembrando o famoso ditado popular, "o uso constante do cachimbo deixa a boca torta".

As opiniões vão de um extremo ao outro gerando reclamações de praticamente todo o efetivo. Em situações normais, a adaptação dos empregados afetados com a mudança requer, de imediato e no mínimo, um processo de treinamento e habilitação para o exercício das novas atividades. Contudo, em se tratando do atual comando da Guarda Portuária, isso é uma incógnita.

Diante das possíveis transformações, os atuais guardas do trânsito portuário já alegam que não foram treinados para assumir os serviços gerais, mais conhecidos como "picadinho", da mesma forma que o pessoal do "faz tudo" precisará de qualificação para as funções ligadas ao tráfego. Com a palavra o RH da Codesp, uma vez que o comando da GPORT chancela que a atuação padronizada vai trazer valorização para os profissionais.

Para o Sindaport a diferenciação não existe, considerando que a Guarda Portuária é indivisível e, por sua relevância, designada para atuar em diversas frentes de trabalho no maior porto da América Latina. Como representante dos empregados, o sindicato continuará priorizando o mercado de trabalho da categoria, seja no trânsito, nas rondas, nas chefias, nos gates ou no popular "picadinho", lembrando, ainda, que a GPORT precisa ser regulamentada nos termos da Lei 12.815.

Guardas Portuárias do Brasil

O que a categoria deve fazer para evitar conflitos internos é buscar uma proposta única que atenda a todos os interesses setoriais da corporação, até porque não se sabe quem, e com qual intuito, provocou a interferência política do PSDB junto a Secretaria Especial de Portos (SEP) que, obedientemente, encaminhou as Administrações Portuárias questionamento sobre a situação das Guardas Portuárias do Brasil.

A SEP (ou será o PSDB?) quer saber o contingente exato de guardas portuários existente nas Docas estatais, bem como o grau de escolaridade, salários e níveis praticados, postos de serviços, atividades terceirizadas e etc.

O Sindaport e os guardas portuários de Santos esperam que o autor dessa infeliz iniciativa não tenha sido algum integrante da categoria, considerando que a denúncia seguramente não trará benefícios para a categoria uma vez que a posição política do partido é antagônica a do Governo Federal.

Se o próprio Executivo reluta em atender as reivindicações da GPORT, não será um partido de oposição que atenderá. E aí, entre uma rocha notadamente mole e um mar repleto de lama está a Guarda Portuária, o que significa dizer que todo cuidado é pouco.

Fonte: Sindaport
 
 
 
 

Nenhum comentário:

Postar um comentário

LEGISLAÇÕES