Postagem em destaque

PF FLAGRA PORTUÁRIOS COM PACOTES DE COCAÍNA NO CORPO PARA EMBARQUE EM NAVIO

Trabalhadores do Porto de Santos tentaram levar carregamento até navio atracado no cais, que foi cercado pela Guarda Portuária. Tablete...

quarta-feira, 6 de novembro de 2013

0

AGENTES, RONDANTES E INSPETORES DA GUARDA PORTUÁRIA PERDERAM A PACIÊNCIA COM A DIRETORIA DA CODESP





O Sindicato dos Trabalhadores na Administração Portuária (Sindaport) e os empregados que estão inseridos na Tabela V do PECS (Mestre, Contra Mestre, Supervisores de Manutenção, Agentes, Rondantes e Inspetores da Guarda Portuária) perderam a paciência com a diretoria da Codesp. O descontentamento é geral e resulta da inércia administrativa da empresa que ainda não definiu a situação dos colaboradores.

Os profissionais se sentem ludibriados já que aderiram ao plano, contudo não foram contemplados com a permanência nas respectivas atividades e tampouco estão recebendo os vencimentos apresentados na proposta da Codesp. Em alguns setores, já viraram chacota de colegas e até mesmo de subordinados.

Apesar das duas reuniões realizadas, na sede do Sindicato, com presidente da Codesp, Renato Barco, e no Departamento de Coordenação e Governança das Empresas Estatais (Dest), do Ministério do Planejamento, Orçamento e Gestão (Dest), em Brasília, até agora a estatal portuária não restabeleceu os cargos que estão sendo exercidos pelos empregados de forma provisória e sem o devido enquadramento.

E já que a empresa não demostra qualquer interesse em regularizar a questão, o Sindaport agendou para as 9 horas da próxima terça-feira (12) uma reunião com o advogado Eraldo Franzese. "Vamos avaliar as possibilidades jurídicas e ajuizar a ação cabível contra a Codesp visando garantir os interesses e direitos dos companheiros", disse o presidente do Sindaport, Everandy Cirino dos Santos.

Além da insatisfação dos empregados, os problemas e trapalhadas decorrentes da implantação do PCES viraram alvo do Conselho de Administração (CONSAD). A falta de critérios e a utilização de pesos e medidas distintas no trato com os funcionários por parte de alguns supostos caciques da Codesp levaram o Consad aconvocar o diretor de Administração e Finanças, Alencar Costa, para prestar osesclarecimentos necessários em reunião que acontecerá na próxima sexta-feira(8).

Além dos motivos que estão gerando um clima de terror entre os funcionários e flagrante decepção com o comando da estatal portuária, os conselheiros querem obter maiores informações sobre as despesas de horas extras na folha salarial e implantação da Tabela V - Cargos Comissionados do Plano de Empregos, Carreiras e Salários.

Membro do Consad, o vice-presidente do Sindaport, João de Andrade Marques, promete cobrar explicações dos responsáveis. "Esperamos que no dia da reunião os representantes da Codesp anunciem a regularização da situação desses companheiros, que poderá se dar ainda que provisoriamente através de um simples ato administrativo ou resolução da presidência, até que o caso tenha um desfecho final".

Segundo o conselheiro, os empregados acreditaram na proposta da empresa e se sentem traídos. "Trata-se de um assunto de extrema relevância e os funcionários não podem pagar pelos erros e desmandos praticados pela Codesp".  Andrade informa que o Sindaport já articula uma nova manifestação em frente ao edifício da presidência da Companhia Docas de Santos, caso o problema não seja equacionado até o dia 12, terça-feira.

A proximidade do final do ano acentua a animosidade dos portuários afetados com a medida. "Não podemos e não vamos esperar mais, até porque, além dos festejos natalinos os gastos extras com as despesas características de início do ano estão deixando o pessoal cada vez mais revoltado, lembrando que ainda haverá o recesso na justiça do trabalho".
 
Fonte: Sindaport
 
 
 
 
 
 

Nenhum comentário:

Postar um comentário

LEGISLAÇÕES