Postagem em destaque

GUARDAS PORTUÁRIOS DENUNCIAM DIMINUIÇÃO DO EFETIVO E SUPRESSÃO DE POSTOS NO PARÁ

O quadro caótico vem comprometendo sensivelmente a segurança pública nos portos do Pará No dia 27 de janeiro, uma petição assinada...

quarta-feira, 11 de dezembro de 2013

0

A IMPORTÂNCIA DA “PARTE DIÁRIA”





Na mira da Diretoria Executiva da CODESP, o Adicional de Risco está alterando os procedimentos administrativos para corretos e devidos apontamentos da hora de risco. Com a nova diretriz implementada pela empresa os funcionários que fazem jus ao adicional agora são obrigados a preencherem uma "parte diária" especifica, fazendo constar o conteúdo descritivo da lei ou portaria que ampara o recebimento do período trabalhado sob tal condição.

A nova determinação também retira dos superintendentes e gerentes de unidades a responsabilidade pela assinatura do boletim administrativo (partes diárias), cuja atribuição, "imprescindível para o equilíbrio e para a saúde financeira da estatal", passou a ser exclusiva dos diretores da Autoridade Portuária.

Precisando desesperadamente mostrar serviços diante da nova realidade, com base nas "inovadoras e eficientes diretrizes", a Diretoria também vem realizando um minucioso levantamento dos pagamentos efetuados aos empregados uma vez que alguns proventos, segundo ela, decorrem de apontamentos duvidosos.

Cabe à observação de que qualquer erro ou equívoco constatado no levantamento em curso poderá atestar o descaso administrativo que assolou a estatal portuária nos últimos anos. Neste caso, cabe à Secretaria Especial de Portos também promover uma auditoria sobre o levantamento da Codesp. 

Diante de tal quadro, o Sindaport faz um alerta aos gestores da Autoridade Portuária sobre o possível aumento do passivo trabalhista (e também da coleção de micos da atual administração), considerando que muitos trabalhadores obtiveram decisões judiciais favoráveis garantindo o recebimento do adicional de risco em face da existência de legislação específica que regulamenta essa questão. O Sindaport está atento a mais essa polêmica e não descarta ir à Justiça pra garantir os direitos dos colaboradores.

A mudança de comportamento reflete o esvaziamento de poder dos atuais gestores da empresa, que de responsáveis pelas questões macros, inclusive contratos para prestações de serviços, concessões, pareceres, licitações, aditamentos e outros importantes temas envolvendo o maior porto do país, aos poucos vão sendo transformados em meros auditores de "boletins diários".

Sob o manto das tais diretrizes, aos poucos os diretores da Codesp vão se conscientizando do quão é necessária e importante a "parte diária". Mais do que isso, o antigo documento virou a salvação da pátria, ou melhor, dos empregos daqueles que agora chamam para si a responsabilidade pela verificação dos dados e consequentes assinaturas.

Mais do que nunca, a inversão de valores e de atribuições coloca em risco (sem adicionais) o emprego dos legítimos apontadores lotados na área de Recursos Humanos da empresa. Nessa toada, contínuos, escriturários e outros também devem colocar as barbas de molho.
 
Fonte: Sindaport
 
 
 
 
 

Nenhum comentário:

Postar um comentário

LEGISLAÇÕES