Postagem em destaque

PF FLAGRA PORTUÁRIOS COM PACOTES DE COCAÍNA NO CORPO PARA EMBARQUE EM NAVIO

Trabalhadores do Porto de Santos tentaram levar carregamento até navio atracado no cais, que foi cercado pela Guarda Portuária. Tablete...

quinta-feira, 20 de março de 2014

2

ESTUDO DEMONSTRANDO QUE TERCEIRIZAR NÃO É ATO DE BOA FÉ FOI ENTREGUE NA SEP





Na reunião ocorrida ontem (19) na Secretaria Especial de Portos da Presidência da República (SEP/PR), onde foi discutida a Regulamentação da Guarda Portuária, foi entregue ao Secretário Executivo Eduardo Xavier, um Estudo realizado por um Grupo de Trabalho do Porto de Santos, demonstrando que terceirizar não é um ato de boa fé.

O Estudo foi coordenado pelo Chefe de Serviço/Inspetor/ Supervisor de Segurança Carlos Carvalhal, tendo como relator o guarda portuário e advogado Fábio Mesquita, e como pesquisadores os guardas portuários Alexandre, Leandro Nogueira e Mário Paiva.
Leandro, Mario, Carvalhal, Alexandre e Fábio

Ele faz considerações à respeito da Regulamentação da Guarda Portuária, tendo como parâmetro o Porto de Santos, em virtude de ser o maior porto brasileiro, responsável pela movimentação de 25% do Produto Interno Bruto (PIB) do país, também em virtude de ser o porto onde a Guarda está mais inserida na segurança publica portuária e ter todo o seu efetivo com pessoal próprio.

O trabalho se inicia com um histórico da Guarda Portuária, mostra o seu papel no panorama nacional, apresenta pareceres de diversos órgãos demonstrando que a Guarda Portuária não pode ser terceirizada, apresenta “cases” da sua atuação, concluindo o Estudo com o que o próprio Tribunal de Contas da União (TCU) disse e o DEST recomendou as Companhias Docas: “Terceirizar não é ato de boa fé”.

Por último, apresenta uma sugestão de proposta de regulamentação, tendo por base o antigo Decreto 87.230 que regulamentava a Guarda Portuária (revogado), a Portaria 121/SEP (em vigor) e a proposta apresentada anteriormente pela Federação Nacional dos Portuários (FNP).


* Estudo com Considerações sobre a Regulamentação da Guarda Portuária intitulado: "Terceirizar não é ato de boa fé".

.

*

2 comentários:

  1. Basta saber as pessoas profissionais que elaboraram esse excelente trabalho para termos a certeza absoluta que só poderia pertencer a Guarda Portuária, e que acima de tudo fizeram por amor a profissão que exercem , fica aqui registrado meus parabéns equipe e a minha torcida para que esse ato de boa fé traga frutos para toa Guarda.

    ResponderExcluir
  2. SE NÃO PODE TERCEIRIZAR, ENTÃO, POR QUE TERCEIRIZAM?

    A QUEM RESPONSABILIZAR?

    ATT

    CILENO BORGES

    ResponderExcluir

LEGISLAÇÕES