Postagem em destaque

PF FLAGRA PORTUÁRIOS COM PACOTES DE COCAÍNA NO CORPO PARA EMBARQUE EM NAVIO

Trabalhadores do Porto de Santos tentaram levar carregamento até navio atracado no cais, que foi cercado pela Guarda Portuária. Tablete...

domingo, 13 de abril de 2014

0

MOTO AQUÁTICA COLIDE COM EMBARCAÇÃO NO PORTO DE SANTOS



O socorro foi imediatamente acionado (Foto:Seg.Port.EmFoco)


O lutador de jiu-jitsu Renato Salvino, de 37 anos, conhecido como Renato Gardenal, morreu, por volta das 15h45 deste sábado (12), após a moto aquática Hulck que ele pilotava, colidiu com a embarcação Fabiana XXVII no Porto de Santos, no litoral de São Paulo. O acidente aconteceu na altura do Terminal 37, da Libra Terminais. Duas pessoas que estavam a bordo da lancha tiveram ferimentos leves.

 Renato Gardenal (Foto: Arquivo Pessoal- G1)

Renato Gardenal era um conhecido lutador de jiu-jitsu. Ele era dono de uma academia em São Paulo e praticante do esporte há mais de 10 anos. A esposa de Gardenal, a modelo Caroline Casadei, foi campeã brasileira de jiu-jitsu em 2013 e já chegou a participar de programas como a Turma do Didi, da TV Globo. Ele deixa uma filha de pouco mais de dois anos fruto do relacionamento com a modelo.

Segundo informações da Guarda Portuária em Santos, o lutador não conseguiu desviar a moto aquática e acabou colidindo com uma lancha que fazia a travessia de passageiros entre as duas margens no canal do Porto de Santos.

Segundo a Polícia Civil, cinco motos aquáticas passavam perto do barco no momento do acidente, sendo que uma delas era pilotada pelo lutador. Ele chegou a ser socorrido por um dos ocupantes de outra embarcação que vinha logo atrás, mas não resistiu aos ferimentos e acabou morrendo antes de ser levado ao hospital.

Um amigo de Salvino conversou com a equipe do G1 logo após o acidente e afirmou que o grupo passava o fim de semana em Guarujá. "Ele estava atrás da gente. Começou a demorar em nos encontrar e, quando olhei para trás, o acidente já tinha acontecido. Ele tinha habilitação. Foi uma fatalidade", disse o rapaz, que preferiu não se identificar.

 A moto aquática teve a sua frente bastante avariada (Foto:Seg.Port.EmFoco)

Em nota, a Capitania dos Portos do Estado de São Paulo afirma que instaurou um inquérito sobre o assunto. O prazo de conclusão é de até 90 dias e o inquérito apurará as causas determinantes do acidente, bem como os possíveis responsáveis.

testemunhas

 Os portuários Rogério França Gama e Luciano de Lima Galvão estavam próximos ao local do acidente (Foto:G1)

Dois portuários que estavam trabalhando em um terminal no Porto de Santos testemunharam o acidente. Segundo as testemunhas, Salvino foi arremessado para longe da moto aquática e, aparentemente, estaria disputando uma corrida.

Os portuários Rogério França Gama e Luciano de Lima Galvão estavam próximos ao local do acidente. Eles trabalhavam na retirada de castanhas de um contêiner dentro de um terminal portuário quando a moto aquática colidiu com a embarcação. “Quando encostou na lancha, ele saiu voando e, em seguida, os outros caras foram embora. O outro barco que vinha atrás parou e percebeu o acidente. Um rapaz se jogou na água para tentar salvar ele. Outras pessoas que estavam na barca ajudaram e a lancha que bateu deu a volta.

Em seguida, Gama falou para o amigo portuário, que estava ao seu lado, sobre o acidente. “Ele me chamou e eu vi o aglomerado de pessoas. Consegui ver que foi um acidente mesmo. Acho que foi imprudência do rapaz da moto aquática porque, pelo que falaram, ele passou bem colado com a travessia das barcas. Foi um choque. Não esperávamos isso”, lamenta.

Gama conta ainda que viu as motos aquáticas passando perto da lancha antes de acontecer o acidente. "Eu vejo de vez em quando essas motos, mas essas passaram pelo mar apostando corrida", afirma.

Piloto de embarcação depõe e diz que lutador morto foi imprudente

O piloto da lancha, afirmou em depoimento para a polícia que o atleta foi imprudente ao desrespeitar a preferência de navegação da lancha.

Câmeras de monitoramento da Guarda Portuária gravaram o momento do acidente e devem ajudar nas investigações.

Segundo a Capitania dos Portos, o acidente aconteceu por volta das 15h45, no canal de acesso ao Porto de Santos, perto do armazém 32 e 33. Os peritos constataram que a embarcação conduzia passageiros de Santos para Guarujá e a moto aquática deslocava-se em direção a São Vicente, saindo do canal, junto com outras motos aquáticas, quando aconteceu o acidente.

Após o acidente, os marinheiros e os amigos do lutador prestaram depoimento no 1º Distrito Policial de Santos. Chrystian Santana, de 25 anos, era o marinheiro que dirigia a embarcação atingida pela moto aquática pilotada por Gardenal. O marinheiro disse à polícia que o lutador foi imprudente e estava desrespeitando a preferência da lancha que vinha a direita. Ele disse ainda que algumas motos aquáticas passaram pela proa, outras pela popa, até que a de Renato acertou o barco em cheio.

 Funcionários do Serviço de Atendimento Médico de Urgência (SAMU) tentaram reanimar o lutador durante 40 minutos (Foto:Seg.Port.EmFoco)

Depois, Santana disse que outra lancha, igual a dele, que vinha logo atrás, retirou o lutador da água. Funcionários do Serviço de Atendimento Médico de Urgência (SAMU) tentaram reanimar o lutador durante 40 minutos no posto de atracação das lanchas, mas não conseguiram e ele morreu em decorrência dos ferimentos.

Um dos amigos de Renato, que estava em outra moto aquática durante o acidente, também prestou depoimento na delegacia. Ele era o dono da moto aquática que Gardenal dirigia. No boletim de ocorrência, o amigo afirma que não viu o lutador ingerir bebida alcoólica e que Gardenal tinha habilitação para dirigir o veículo. Mas, até a noite deste sábado, o documento ainda não tinha sido apresentado na delegacia.

Segundo o inspetor Walmir Pinto de Souza, da Guarda Portuária, ainda não é possível saber a velocidade da moto aquática na hora do acidente. “A gente não tem como apurar. Vamos aguardar o inquérito que vai ocorrer da Capitania dos Portos”, afirma. A moto aquática foi encaminhada para a Capitania dos Portos. De acordo com o inspetor, a lancha vai continuar no local e, quando for requisitada, os donos vão conduzi-la a Capitania dos Portos.



Fonte: G1

Edição: Segurança Portuária Em Foco






Nenhum comentário:

Postar um comentário

LEGISLAÇÕES