Postagem em destaque

PF FLAGRA PORTUÁRIOS COM PACOTES DE COCAÍNA NO CORPO PARA EMBARQUE EM NAVIO

Trabalhadores do Porto de Santos tentaram levar carregamento até navio atracado no cais, que foi cercado pela Guarda Portuária. Tablete...

sexta-feira, 11 de julho de 2014

1

SINDAPORT GARANTE ISONOMIA A GUARDAS PORTUÁRIOS



O SINDAPORT ingressou com ação contra a CODESP em defesa dos guardas portuários que foram discriminados em direitos trabalhistas, em relação aos empregados mais antigos. Os substituídos foram admitidos por concurso público nos meses de janeiro e fevereiro do ano de 2005, se ativando em turnos ininterruptos de revezamento com jornada de 06 horas, com dobras habituais, abarcando, inclusive, o período do trabalho noturno portuário. Os substituídos quando da admissão no ano de 2005 (janeiro ou fevereiro) tiveram as horas extras e o adicional noturno remunerado com base no mínimo legal, ou seja, 50% e 20% respectivamente.
No entanto, todos os demais empregados da Codesp, inclusive os guardas portuários contratados anteriormente ao concurso público dos substituídos, continuaram recebendo os percentuais legais majorados 100% (hora extra) e 50% (adicional noturno), gerando discriminação entre mesmos profissionais.
A Codesp sustentava o ato discriminatório com fundamento na famigerada Resolução nº 9/96 do Conselho de Coordenação e Controle das Empresas Estatais do Ministério do Planejamento – CCCEE que limitava, ao mínimo legal estabelecido na CF e CLT o pagamento da hora extra e adicional noturno, obstando, assim, o direito à negociação coletiva de trabalho constitucionalmente garantido, conforme inciso XXVI do artigo 7º [1].
O Sindaport obteve a partir da data base do ano de 2006 a igualdade de tratamento. Entretanto, a empresa não pagou diferenças de período retroativo. Por essa razão ingressou com ação em nome dos trabalhadores, obtendo decisão favorável e condenação da empresa no pagamento de diferenças de horas extras e adicional noturno.
A condenação é definitiva e o processo se encontra em liquidação de Sentença. O Dr. Paulo Lyra do escritório Franzese Advocacia que patrocinou a demanda esclareceu que na fase em que se encontram o processo com homologação de cálculos não deve demorar em a empresa ser obrigada ao pagamento do crédito dos trabalhadores num total de 266 beneficiados.
________________________________________
[1] Art. 7º. São direitos dos trabalhadores urbanos e rurais, além de outros que visem à melhoria de sua condição social: (...) XXVI - reconhecimento das convenções e acordos coletivos de trabalho;


Fonte: Sindaport




Um comentário:

  1. VALEU CIRINO E TODA A DIRETORIA DO SINDAPORT,É A GUARDA PORTUÁRIA DE SANTOS
    SENDO MUITO E BEM REPRESENTADA PELO SINDAPORT ALAIS COMO SEMPRE,PARABENS
    A TODOS.

    LÚCIO RICARDO NATAL
    SINTAC LAGUNA S/C.

    ResponderExcluir

LEGISLAÇÕES