Postagem em destaque

PF FLAGRA PORTUÁRIOS COM PACOTES DE COCAÍNA NO CORPO PARA EMBARQUE EM NAVIO

Trabalhadores do Porto de Santos tentaram levar carregamento até navio atracado no cais, que foi cercado pela Guarda Portuária. Tablete...

terça-feira, 31 de março de 2015

1

LUTA CONTRA A TERCEIRIZAÇÃO CONTINUA



Acontece hoje, em São Paulo, uma plenária nacional dos movimentos sociais para convocar e preparar as mobilizações que vão tomar as ruas não só no dia 1º de maio, Dia do Trabalhador, mas também na próxima semana, no dia 7 de abril, para impedir a votação do Projeto de Lei 4.330/04, que escancara a terceirização, e conscientizar a sociedade sobre o prejuízo que esse PL representa para a classe trabalhadora.
Os atos também serão em defesa da democracia, dos direitos dos trabalhares, da Petrobrás e das reformas política – essencial para o combate à corrupção –, agrária e da comunicação.
O ato desta terça-feira marcará o lançamento do Movimento por Mais Democracia, Mais Direitos e Combate à Corrupção. Já no dia 7, entidades sindicais ligadas à CUT e à CTB vão ocupar o Congresso Nacional, a partir das 10h, contra a aprovação do PL 4.330, previsto para entrar em pauta nesse dia (a proposta tira direitos dos trabalhadores e precariza as condições de trabalho, permitindo, inclusive, a terceirização das atividades-fins das empresas) e também em protesto às Medidas Provisórias 664 e 665, que reduzem direitos trabalhistas e previdenciários.
A Guarda Portuária
O representante nacional da categoria junto a Federação Nacional dos Portuários (FNP) e diretor do Sindicato da Guarda Portuária do Espírito Santo (SINDGUAPOR), Jorcy de Oliveira, esteve em Brasília, para mais uma vez, debater com parlamentares, o grande risco da terceirização da Guarda Portuária, caso seja aprovado o PL 4.330/2004. Jorcy de Oliveira esteve com alguns deputados no intuito de resguardar a categoria, caso o PL seja aprovado.
O Deputado Arnaldo Faria de Sá (PTB-SP), grande defensor das causas da Guarda Portuária, se comprometeu a apresentar em Plenário uma emenda que visa resguardar a Guarda Portuária, que já está regulamentada e desempenha um papel de suma importância nos Portos Públicos da Nação e que são áreas de Segurança Nacional. A apresentação será realizada quando for feita a apreciação do PL 4.330/2004.
O Deputado Sérgio Vidigal (PDT-ES) e a sua Chefe de Gabinete, Ada Maria Morais, defenderam a apresentação de uma emenda a uma Medida Provisória, o que tramitaria de forma mais rápida. A emenda está sob análise.
PL transformando a portaria em Lei
O Deputado Federal Glauber Braga (PSB-RJ) vem estudando com sua equipe a possibilidade de apresentar um Projeto de Lei (PL) que transforme as Portarias 121/2009 e 350/2013 em lei, porém, segundo a assessoria legislativa, tal proposta só poderá ser colocada em mesa a partir do Poder Executivo. Para isso, o deputado irá fazer uma preposição ao executivo, que terá 30 dias para se manifestar. “Estamos fazendo um trabalho conjunto com a Associação dos Guardas Portuários do rio de Janeiro (AGPERJ)”, disse Jorcy.
O diretor da FNP também forneceu alguns documentos sobre a Guarda Portuária ao chefe de gabinete, Pedro Filho, e falou sobre os risco à segurança portuária caso o PL 4.330/2004 seja aprovado e sobre a alternativa proposta pelo deputado.

Parecer da PGR reforça luta contra a terceirização
Parecer da Procuradoria-Geral da República (PGR) considera fraude à legislação trabalhista a terceirização de atividade-fim em empresas. O posicionamento foi dado em recurso que tramita no Supremo Tribunal Federal (STF) sobre a terceirização do processo produtivo da madeira pela empresa Celulose Nipo Brasileira S/A (Cenibra). “A interposição da pessoa jurídica prestadora dos serviços [na atividade-fim] é mecanismo de fraude”, diz o parecer, assinado pelo subprocurador-geral da República, Odim Brandão Ferreira, e aprovado pelo procurador-geral da República, Rodrigo Janot. A decisão que for tomada no STF terá impacto direto na discussão sobre terceirização de mão de obra no país, pois dará repercussão geral ao tema.
Ao se posicionar contra o recurso da Cenibra, a Procuradoria-Geral da República cita a súmula 331 do TST, que proíbe a terceirização de atividade-fim; alguns artigos da Consolidação das Leis do Trabalho (CLT), que definem as relações entre empregador e empregado; a Constituição Federal; e expõe a falta de cabimento do recurso, afirmando que não há assunto de âmbito constitucional a ser tratado na questão da terceirização. 
O parecer cita, ainda, a legislação de França, Espanha e Alemanha como exemplos de critérios utilizados para o reconhecimento do vínculo de trabalho. Nos três países, a percepção é de que existe a relação empregatícia direta entre quem presta o trabalho e quem se beneficia dele.
Com um total de 150 páginas, o parecer apresenta outros argumentos jurídicos de aspecto processual para convencer os ministros do STF.
ACP
Na ação civil pública movida pelo Ministério Público do Trabalho (MPT), a Cenibra foi condenada em todas as instâncias da Justiça do Trabalho. No recurso extraordinário no STF, que recebeu parecer contrário da PGR, a empresa tenta derrubar decisão do Tribunal Superior do Trabalho (TST), que declarou a nulidade de recurso da empresa naquele tribunal.
Atividade-fim

A legislação e a jurisprudência atuais proíbem a terceirização em atividade-fim, ou seja, a atividade principal da empresa. No caso da Cenibra, as atividades relacionadas ao corte e manuseio da madeira são atividade-fim, já que a empresa produz celulose. Daí a iniciativa do MPT de mover a ação quando foi constatado que os trabalhadores que atuavam nessas tarefas eram contratados por empresas terceirizadas. A decisão do STF sobre o tema, com a repercussão geral dada ao processo, será decisiva para essa discussão. A proibição também está sendo questionada em projeto de lei que tramita no Congresso Nacional e que pretende liberar a terceirização para todas as atividades.

O nosso papel é manter informado àqueles que nos acompanham, de todos os fatos, que de alguma forma, estejam relacionados com a Guarda Portuária e a Segurança Portuária em todo o seu contexto, não cabendo a esse Portal a emissão de qualquer juízo de valor.
                                                                                
*Os comentários publicados não representam a opinião do Portal Segurança Portuária Em Foco. A responsabilidade é do autor da mensagem. Não serão aceitos comentários anônimos.




Um comentário:

  1. O RISCO É GRANDE REALMENTE.
    AGORA, TALVEZ ENTENDAMOS PORQUE ATÉ O MOMENTO NENHUM GOVERNO NUNCA SE INTERESSOU PELA FEDERALIZAÇÃO DA GUARDA PORTUÁRIA.
    FORÇA BICENTENÁRIA E ATIVIDADE FIM NAS EMPRESAS ESTATAIS.

    CILENO BORGES

    ResponderExcluir

LEGISLAÇÕES