Postagem em destaque

PF FLAGRA PORTUÁRIOS COM PACOTES DE COCAÍNA NO CORPO PARA EMBARQUE EM NAVIO

Trabalhadores do Porto de Santos tentaram levar carregamento até navio atracado no cais, que foi cercado pela Guarda Portuária. Tablete...

sábado, 6 de junho de 2015

1

INCOMPETÊNCIA FAZ GUARDAS PORTUÁRIOS PERDEREM O PORTE DE ARMA NA APPA




A não renovação do porte de arma ocorrido em outubro do ano passado e, posteriormente, em janeiro deste ano, resultou no desarmamento da Guarda Portuária na Administração dos Portos de Paranaguá e Antonina (Appa) desde o mês de março.
A informação levantada pela reportagem do JB mostrou que o porte de arma havia vencido em outubro e a Appa não providenciou os trâmites legais para sua renovação, junto ao Departamento da Polícia Federal, que é quem concede o porte à corporação.
Apesar de perder o prazo, a estatal recebeu uma prorrogação de mais três meses para fazer a regularização do porte da corporação e, mesmo assim, nada foi feito para que o problema fosse sanado. Com isso, o porte foi definitivamente retirado e, desde março, os guardas portuários estão trabalhando em todos os postos de trabalho desarmados, inclusive nos locais de entrada e saída da faixa primária do porto.
Vale destacar a necessidade no uso da arma, em razão que, além da vigilância nos portos, terminais e vias navegáveis, cabe aos guardas portuários as perigosas missões de combater o narcotráfico, contrabando, descaminho, a fiscalização da entrada e saída de armas do país, o recolhimento de armas ilegais na posse de infratores, nos portos, terminais e vias navegáveis, assim como a realização de ações integradas de fiscalização, com vistas a diminuir os índices de roubo e furto de cargas em embarcações, contêineres e depósitos alfandegados.
Além do risco diário de trabalharem desarmados, a Guarda Portuária vem sofrendo ameaças de terceirização de sua atividade pela Appa, a última delas ocorreu em março deste ano, com o lançamento do Pregão Presencial 018/2015 para contratação de empresa para controle de serviços administrativos e de acesso de pessoas e veículos no porto no valor de quase R$ 5 milhões.
Vale lembrar que o serviço da Guarda Portuária é garantido por leis, decretos, portarias e, recentemente, o Ministério Público do Trabalho (MPT), arquivou o Inquérito Civil 082920149000 sobre o processo licitatório de postos da Guarda Portuária, por perda de objeto.
Appa não responde

A reportagem do JB procurou a Appa que, recentemente, informou o novo endereço eletrônico para contato com a imprensa - portospr@gmail.com - e enviou três questionamentos a respeito do assunto. Foram eles: desde quando e quem partiu a decisão de retirar as armas dos guardas portuários? Baseado em que legislação esta atitude foi tomada? Existe a intenção de retornar o porte aos guardas portuários? Porém, até o fechamento desta edição não houve nenhuma resposta.



*Esta publicação é de inteira responsabilidade do autor e do veículo que a divulgou. A nossa missão é manter informado àqueles que nos acompanham, de todos os fatos, que de alguma forma, estejam relacionados com a Guarda Portuária e a Segurança Portuária em todo o seu contexto, não cabendo a esse Portal a emissão de qualquer juízo de valor.
                                                                                
* Os comentários publicados não representam a opinião do Portal Segurança Portuária Em Foco. A responsabilidade é do autor da mensagem. Não serão aceitos comentários anônimos.

* Direitos Autorais: Os artigos e notícias, originais deste Portal, tem a reprodução autorizada pelo autor, desde que, seja mencionada a fonte e um link seja posto para o mesmo. O mínimo que se espera é o respeito com quem se dedica para obter a informação, a fim de poder retransmitir aos outros.






Um comentário:

  1. TEM É QUE EXONERAR, A BEM DO SERVIÇO PÚBLICO, UM INCOMPETENTE COMO ESSE.
    É MAIS UM QUE QUER O MAL DA CATEGORIA.

    CILENO BORGES

    ResponderExcluir

LEGISLAÇÕES