Postagem em destaque

NOVO COMANDO NA GUARDA PORTUÁRIA DO RIO DE JANEIRO

Capitão reformado da Polícia Militar, Hugo, já comandou a Guarda Portuária em outra oportunidade No dia seis de setembro, o presid...

sábado, 6 de junho de 2015

1

INCOMPETÊNCIA FAZ GUARDAS PORTUÁRIOS PERDEREM O PORTE DE ARMA NA APPA




A não renovação do porte de arma ocorrido em outubro do ano passado e, posteriormente, em janeiro deste ano, resultou no desarmamento da Guarda Portuária na Administração dos Portos de Paranaguá e Antonina (Appa) desde o mês de março.
A informação levantada pela reportagem do JB mostrou que o porte de arma havia vencido em outubro e a Appa não providenciou os trâmites legais para sua renovação, junto ao Departamento da Polícia Federal, que é quem concede o porte à corporação.
Apesar de perder o prazo, a estatal recebeu uma prorrogação de mais três meses para fazer a regularização do porte da corporação e, mesmo assim, nada foi feito para que o problema fosse sanado. Com isso, o porte foi definitivamente retirado e, desde março, os guardas portuários estão trabalhando em todos os postos de trabalho desarmados, inclusive nos locais de entrada e saída da faixa primária do porto.
Vale destacar a necessidade no uso da arma, em razão que, além da vigilância nos portos, terminais e vias navegáveis, cabe aos guardas portuários as perigosas missões de combater o narcotráfico, contrabando, descaminho, a fiscalização da entrada e saída de armas do país, o recolhimento de armas ilegais na posse de infratores, nos portos, terminais e vias navegáveis, assim como a realização de ações integradas de fiscalização, com vistas a diminuir os índices de roubo e furto de cargas em embarcações, contêineres e depósitos alfandegados.
Além do risco diário de trabalharem desarmados, a Guarda Portuária vem sofrendo ameaças de terceirização de sua atividade pela Appa, a última delas ocorreu em março deste ano, com o lançamento do Pregão Presencial 018/2015 para contratação de empresa para controle de serviços administrativos e de acesso de pessoas e veículos no porto no valor de quase R$ 5 milhões.
Vale lembrar que o serviço da Guarda Portuária é garantido por leis, decretos, portarias e, recentemente, o Ministério Público do Trabalho (MPT), arquivou o Inquérito Civil 082920149000 sobre o processo licitatório de postos da Guarda Portuária, por perda de objeto.
Appa não responde

A reportagem do JB procurou a Appa que, recentemente, informou o novo endereço eletrônico para contato com a imprensa - portospr@gmail.com - e enviou três questionamentos a respeito do assunto. Foram eles: desde quando e quem partiu a decisão de retirar as armas dos guardas portuários? Baseado em que legislação esta atitude foi tomada? Existe a intenção de retornar o porte aos guardas portuários? Porém, até o fechamento desta edição não houve nenhuma resposta.



*Esta publicação é de inteira responsabilidade do autor e do veículo que a divulgou. A nossa missão é manter informado àqueles que nos acompanham, de todos os fatos, que de alguma forma, estejam relacionados com a Guarda Portuária e a Segurança Portuária em todo o seu contexto, não cabendo a esse Portal a emissão de qualquer juízo de valor.
                                                                                
* Os comentários publicados não representam a opinião do Portal Segurança Portuária Em Foco. A responsabilidade é do autor da mensagem. Não serão aceitos comentários anônimos.

* Direitos Autorais: Os artigos e notícias, originais deste Portal, tem a reprodução autorizada pelo autor, desde que, seja mencionada a fonte e um link seja posto para o mesmo. O mínimo que se espera é o respeito com quem se dedica para obter a informação, a fim de poder retransmitir aos outros.






Um comentário:

  1. TEM É QUE EXONERAR, A BEM DO SERVIÇO PÚBLICO, UM INCOMPETENTE COMO ESSE.
    É MAIS UM QUE QUER O MAL DA CATEGORIA.

    CILENO BORGES

    ResponderExcluir

LEGISLAÇÕES