Postagem em destaque

FISCALIZAÇÃO CONSTATA IRREGULARIDADES EM PORTO DO PARÁ

Essas fiscalizações ocorreram em virtude de denúncia de trabalhadores portuários que, sem representatividade de fato, buscaram por mei...

quarta-feira, 5 de agosto de 2015

0

PORTO DE SANTOS PODE FICAR COM O PMDB




Apesar do rompimento declarado do presidente da Câmara dos Deputados, Eduardo Cunha (PMDB-RJ), com a presidente Dilma Rousseff e o governo federal, a bancada pemedebista na Casa pode arrematar um dos cargos mais cobiçados do segundo escalão: o controle do Porto de Santos, por meio da presidência da Companhia Docas de São Paulo (Codesp), hoje sob o comando de um técnico. No âmbito da partilha de cargos entre aliados, a bancada pleiteou as presidências das sete Companhias Docas, e já foi contemplada com a do Rio de Janeiro. O controle das Docas do Ceará, Pará e Espírito Santo caberá ao PMDB do Senado.
O Valor apurou, com fontes do Palácio do Planalto, que o líder do PMDB na Câmara, Leonardo Picciani (RJ), um dos mais próximos ao presidente Eduardo Cunha, encaminhou um ofício, em nome da bancada, requerendo a prerrogativa de indicar os diretores-presidentes das sete Companhias Docas, que são vinculadas à Secretaria Especial de Portos. A pasta é comandada pelo ministro Edinho Araújo, deputado federal reeleito pelo PMDB de São Paulo.
A bancada foi contemplada com a presidência das Docas do Rio de Janeiro, reduto eleitoral de Picciani e Eduardo Cunha. O novo presidente, Alexandre Gadelha, responde pelos portos do Rio, de Niterói, Angra dos Reis e Itaguaí.
Já a Codesp, cujo comando ainda está em disputa, detém o controle do Porto de Santos, o maior da América Latina. Seu comando pode sair de um técnico para um nome político: o atual presidente, Angelino Caputo, é da carreira do Banco do Brasil. A movimentação de cargas no porto atingiu 35,8 milhões de toneladas até abril e o valor movimentado no período foi de US$ 32,6 bilhões, 25% da corrente de comércio.
Picciani disse ao Valor que a bancada requereu apenas a prerrogativa de nomear os dirigentes das Docas do Pará, Ceará e Rio de Janeiro, porque a indicação para a Docas de São Paulo caberia ao vice-presidente Michel Temer, em nome do PMDB paulistano. A assessoria de Temer afirma, entretanto, que o vice-presidente "não fará nenhuma nomeação para cargos".
Nos bastidores, a disputa pela nomeação do novo presidente das Docas de São Paulo ainda está em curso. Não está descartado que o PMDB da Câmara seja contemplado com o cargo, já que o deputado José Priante (PMDB-PA) perdeu a queda de braço para indicar o dirigente da companhia paraense para o senador Jader Barbalho (PMDB-PA). "Pode ser uma compensação, já que as Docas do Pará foram para o PMDB do Senado", diz uma fonte palaciana.
A bancada pemedebista do Senado venceu até agora os embates internos pelas docas, numa demonstração de que o palácio investe na reaproximação do presidente do Senado, Renan Calheiros (PMDB-AL), numa tentativa de aliviar a crise política. A ideia é apostar em Renan como contrapeso à ofensiva liderada por Cunha na Câmara.
A senadora Rose de Freitas (PMDB-ES), que preside a Comissão Mista de Orçamento - responsável pelo julgamento das contas do governo, inclusive das "pedaladas fiscais", depois que passarem pelo Tribunal de Contas da União (TCU) - deve emplacar a nomeação para o presidente das Docas do Espírito Santo, que controlam os portos de Vitória e Barra do Riacho. O líder do PMDB no Senado, Eunício Oliveira (CE), é responsável pela indicação de César Augusto Pinheiro para a presidência das Docas do Ceará. Jader Barbalho pela nomeação de Parcival de Jesus Pontes para as Docas paraenses.
Picciani não atribui as vitórias do PMDB do Senado na disputa pelas docas ao rompimento de Cunha com o governo. "Essas nomeações foram decididas antes", pontua. Mas sublinha que essa decisão conturba a relação do palácio com a bancada. "O governo precisa ter clareza com as regras do jogo", defende. As nomeações para os cargos passam pela Secretaria de Relações Institucionais, Casa Civil e pela Secretaria de Portos. Ao final, os indicados devem ser aprovados pelos conselhos de administração das companhias docas.


Fonte: Valor Econômico/Andrea Jubé 


*Esta publicação é de inteira responsabilidade do autor e do veículo que a divulgou. A nossa missão é manter informado àqueles que nos acompanham, de todos os fatos, que de alguma forma, estejam relacionados com a Guarda Portuária e a Segurança Portuária em todo o seu contexto, não cabendo a esse Portal a emissão de qualquer juízo de valor.
                                                                                                                                                                                          
* Os comentários publicados não representam a opinião do Portal Segurança Portuária Em Foco. A responsabilidade é do autor da mensagem. Não serão aceitos comentários anônimos.

* Direitos Autorais: Os artigos e notícias, originais deste Portal, tem a reprodução autorizada pelo autor, desde que, seja mencionada a fonte e um link seja posto para o mesmo. O mínimo que se espera é o respeito com quem se dedica para obter a informação, a fim de poder retransmitir aos outros.




Nenhum comentário:

Postar um comentário

LEGISLAÇÕES