Postagem em destaque

PF FLAGRA PORTUÁRIOS COM PACOTES DE COCAÍNA NO CORPO PARA EMBARQUE EM NAVIO

Trabalhadores do Porto de Santos tentaram levar carregamento até navio atracado no cais, que foi cercado pela Guarda Portuária. Tablete...

segunda-feira, 12 de outubro de 2015

0

ADICIONAIS NA CODEBA CRIAM SUPERSALÁRIOS




Codeba é responsável pela gestão dos portos públicos na Bahia.
Decisões judiciais geram distorções. Empresa, controlada pelo governo federal, admite valores fora da realidade dos portos públicos na Bahia.
A crise econômica que aflige o Brasil deve estar passando longe de um seleto grupo de trabalhadores da Companhia das Docas da Bahia (Codeba), empresa federal que é responsável pela gestão dos portos públicos na Bahia.
No intervalo de 12 meses, entre agosto de 2014 e julho de 2015, foram realizados 101 pagamentos com valores superiores ao salário mensal da presidente da República, Dilma Rousseff, de R$ 30,9 mil, de acordo com dados do Portal da Transparência, levantados com exclusividade por esta coluna.  
Sete funcionários – um diretor, quatro profissionais com nível superior e dois com nível técnico – ganharam mais que o presidente da empresa, José Muniz Rebouças, cujo vencimento médio é de R$ 22 mil.
Por duas vezes, os pagamentos ultrapassaram os R$ 100 mil. Foram R$ 111 mil para um profissional de nível superior, em novembro de 2014, e R$ 110 mil para um técnico, no último mês de maio.
A empresa pública gasta por mês em torno de R$ 2 milhões com o pagamento da folha dos 260 empregados – 25%, R$ 500 mil, aproximadamente, ficam com os 20 maiores salários.  Além de estar fora da realidade dos salários pagos ao trabalhador brasileiro, os supersalários da Codeba – inflados por adicionais que chegam a representar mais de 50 vezes o salário-base – destoam dos que são pagos a outros em mesma função na empresa.
O vencimento total de um analista portuário, por exemplo, variou entre R$ 22,2 mil e R$ 3,5 mil em julho deste ano. Não há nada de ilegal no pagamento dos valores acima. A Codeba é uma empresa de capital misto e, por isso, está livre do teto constitucional do funcionalismo público, correspondente ao salário de um ministro do Supremo Tribunal Federal (STF), de R$ 33,7 mil. Mas está certo pagar R$ 32 mil, em média, para o responsável por um armazém? Ou R$ 20 mil para um guarda?
Como se cria um supersalário
Os contracheques da Codeba foram engordando no decorrer das últimas décadas, graças a decisões judiciais das décadas de 60 para cá. Em nota emitida pela assessoria de imprensa, a atual administração da empresa reconhece “vencimentos e indenizações a alguns funcionários, cujos valores não condizem com o padrão do setor público, mesmo em empresas e autarquias”.
Diz ainda que vem tomando providências, como a reestruturação da Gerência Jurídica, para acompanhar melhor processos jurídicos. Essas ações teriam estancado as derrotas na Justiça, mas o passivo já tinha sido criado. Reservadamente, comenta-se que 500 das aproximadamente 700 ações judiciais impetradas por funcionários foram decididas pela Justiça à revelia. Ou seja, a representação da Codeba nem aparecia nos tribunais.
O lado do trabalhador
Segundo o diretor do Sindicato Unificado dos Portuários do Estado da Bahia (Suport-BA), Ulisses Oliveira Junior, boa parte das ações aconteceu com o apoio da entidade sindical, cujo papel é mesmo de defender os interesses dos trabalhadores.
“Esse é o nosso papel”, pondera. Ele ressalta que os acréscimos foram ganhos após decisões judiciais. “Todos os processos foram até o TST (Tribunal Superior do Trabalho), onde obtivemos decisões favoráveis”, diz. É de fato o que se espera de um sindicato. Talvez, tenha faltado à Codeba, lá atrás, fazer o que se espera de um patrão.




*Esta publicação é de inteira responsabilidade do autor e do veículo que a divulgou. A nossa missão é manter informado àqueles que nos acompanham, de todos os fatos, que de alguma forma, estejam relacionados com a Guarda Portuária e a Segurança Portuária em todo o seu contexto, não cabendo a esse Portal a emissão de qualquer juízo de valor.
                                                                                                                                                                                                                                               
* Direitos Autorais: Os artigos e notícias, originais deste Portal, tem a reprodução autorizada pelo autor, desde que, seja mencionada a fonte e um link seja posto para o mesmo. O mínimo que se espera é o respeito com quem se dedica para obter a informação, a fim de poder retransmitir aos outros.

* Os comentários publicados não representam a opinião do Portal Segurança Portuária Em Foco. A responsabilidade é do autor da mensagem. Não serão aceitos comentários anônimos.




Nenhum comentário:

Postar um comentário

LEGISLAÇÕES