Postagem em destaque

PF FLAGRA PORTUÁRIOS COM PACOTES DE COCAÍNA NO CORPO PARA EMBARQUE EM NAVIO

Trabalhadores do Porto de Santos tentaram levar carregamento até navio atracado no cais, que foi cercado pela Guarda Portuária. Tablete...

terça-feira, 27 de outubro de 2015

1

COMISSÃO APROVA MUDANÇAS NO ESTATUTO DO DESARMAMENTO





Nesta terça-feira (27), a Comissão Especial da Câmara aprovou, por 19 votos a 8, o texto-base do substitutivo apresentado pelo deputado Laudivio Carvalho (PMDB-MG) aos projetos de lei (3722/12 e apensados) que revogam o Estatuto do Desarmamento (Lei 10.826/03).
O projeto de lei, criado pelo deputado Rogério Peninha Mendonça (PMDB) em 2012, já passou por várias revisões, renomeado de Estatuto de Controle de Armas de Fogo, o novo texto assegura a todos os cidadãos que cumprirem os requisitos mínimos exigidos em lei, o direito de possuir e portar armas de fogo para legítima defesa ou proteção do próprio patrimônio.
O texto foi aprovado por 19 votos a 8.

Atualmente, o Estatuto do Desarmamento prevê que o interessado declare a efetiva necessidade da arma, o que permite que a licença venha a ser negada ou recusada pelo órgão expedidor.
No texto aprovado, não será mais necessário que um delegado da Polícia Federal dê o seu parecer sobre a "efetiva necessidade" do requerente. Ou seja, qualquer civil que cumpra as exigências citadas passa a poder portar uma arma de fogo - desde que a arma que pretende usar seja regularizada.
Grupos contra o projeto pressionaram os deputados.

Foram mantidas as exigências de atestados de aptidão técnica e psicológica para o uso do armamento, apresentação de certificados negativos de antecedentes criminais e não estar respondendo a processo criminal.
O PL reduz de 25 para 21 anos a idade mínima para a compra de armas no País; estende o porte para outras autoridades, como deputados e senadores; e autoriza a posse e o porte de armas de fogo para pessoas que respondem a inquérito policial ou a processo criminal.
Guarda Portuária
Integrantes da Guarda Portuária acompanhara o trabalho da Comissão

No parecer inicial do relator, a Guarda Portuária tinha ficado exatamente como o atual estatuto vigente. Na semana passada, representantes da Guarda Portuária do Brasil foram à Brasília para reverter essa situação, alterando a redação para:
Art. 42. O porte funcional de arma de fogo é prerrogativa das autoridades mencionadas a seguir:
XII – integrantes das Guardas Portuárias;
Art. 43. É conferida a licença funcional para portar arma de fogo, de propriedade particular ou institucional:
II – de uso permitido, em serviço ou fora dele, às autoridades mencionadas nos incisos VII, VIII, IX, XI e XII do art. 42.
O projeto ainda tem um longo percurso pelo Congresso, mas não podíamos deixá-lo seguir sem a nossa intervenção. Agora é acompanhar de perto.
Destaques              
Na próxima terça-feira, os deputados membros da comissão vão discutir cerca de 20 destaques. Depois disso, ele pode seguir para votação em plenário na Câmara - embora não haja previsão de quando isso pode acontecer.

A nossa missão é manter informado àqueles que nos acompanham, de todos os fatos, que de alguma forma, estejam relacionados com a Guarda Portuária e a Segurança Portuária em todo o seu contexto, não cabendo a esse Portal a emissão de qualquer juízo de valor.
                                                                                                                                                                                                                                               
* Direitos Autorais: Os artigos e notícias, originais deste Portal, tem a reprodução autorizada pelo autor, desde que, seja mencionada a fonte e um link seja posto para o mesmo. O mínimo que se espera é o respeito com quem se dedica para obter a informação, a fim de poder retransmitir aos outros.
                              
* Os comentários publicados não representam a opinião do Portal Segurança Portuária Em Foco. A responsabilidade é do autor da mensagem. Não serão aceitos comentários anônimos.




Um comentário:

  1. É UMA BATALHA DIFICIL ESSA. UM PAÍS QUE NEGA O PORTE DE ARMA PARA AGENTES DE
    UMA ORGANIZAÇÃO QUE PRESTA SERVIÇO EM UMA AREA FRONTEIRIÇA COMO OS PORTOS,
    TEM RAZÃO O TAL DE CHARLES D GAULE ( DEVE SER ASSIM QUE SE ESCREVE , NAO SEI),
    ESTE NÃO É UM PAIS SÉRIO. E O CIDADÃO PARA TER UM DIREITO ASSEGURADO COMO A DE-
    FESA DE SUA CASA TEM QUE QUASE PEDIR PELO AMOR DE DEUS A UM DELEGADO DA POLICA
    FEDERAL E MESMO ASSIM VAI ENFRENTAR MUITAS DIFICULDADES PARA CONSGUIR A POSSE
    COM SEU DEVIDO REGISTRO.
    GP ALEXANDRE - ES

    ResponderExcluir

LEGISLAÇÕES