Postagem em destaque

PF FLAGRA PORTUÁRIOS COM PACOTES DE COCAÍNA NO CORPO PARA EMBARQUE EM NAVIO

Trabalhadores do Porto de Santos tentaram levar carregamento até navio atracado no cais, que foi cercado pela Guarda Portuária. Tablete...

sexta-feira, 9 de outubro de 2015

3

GUARDAS PORTUÁRIOS CORREM RISCO DE VIDA


A Guarda Portuária possui apenas duas motos para o policiamento dos portos de Vitória e Capuaba.

A avaliação é do próprio comando da Guarda Portuária da Companhia Docas do Estado do Espírito Santo (CODESA). 
Segundo alguns guardas portuários, no último mês, um comunicado informava à respeito da necessidade da mitigação dos riscos de possíveis ações criminosas, levando em consideração ocorrências anteriores e ações criminosas nas comunidades do entorno.
O comunicado solicitava prioridades na intensificação da proteção e estipulava o risco nas seguintes áreas:
  • Retroárea de Capuaba – risco de invasão e furto;
  • Silos Vertical – risco de furto;
  • Subestação Principal – risco de invasão e furto;
  • Acesso pela Linha Férrea – risco roubo, lesão corporal e homicídio;
  • Região da Fazendinha – risco de invasão e furto;
  • Região da Start/Área de Aguardo e Faixa do Cais – risco de invasão e furto;
  • Região das Catraias – risco de invasão e outros ilícitos;
  • Faixa do Cais do Ferro Gusa – risco de invasão e furto;
  • Morro da Esso/Frannel – Risco de invasão, roubo, lesão corporal e homicídio.

Segundo os guardas que estavam de serviço, o comunicado determinava a atuação dos agentes realizando rondas ostensivas, em todas as áreas sob a sua responsabilidade, principalmente naquelas supramencionadas como áreas de risco, entendendo-se por rondas ostensivas o policiamento realizado a pé ou motorizado.
Ainda, conforme relato dos guardas portuários, recentemente uma área portuária foi invadida por elementos fortemente armados.
Em que pese todo o risco, inclusive admitido pela própria chefia da corporação, a ronda motorizada consiste de apenas duas motocicletas, os guardas portuários trabalham desarmados, pois a empresa não providencia a renovação do porte, vencido desde 2013 e também não é fornecido equipamento de proteção individual (EPI), como coletes balísticos, também vencidos desde 2013.
Com o fim da terceirização, em que a empresa de vigilância que guarnecia alguns postos teve o contrato rescindido por decisão judicial e até agora não ter realizado concurso público para a contratação de novos guardas, vários postos estão abandonados.
A situação atual, além de colocar em risco a integridade física dos guardas, coloca em risco também o Termo de Aptidão do porto, conferido pela Conportos.
Por fim, para assinar de vez o atestado de incompetência, segundo os próprios guardas, recentemente foi autorizada a entrada de viaturas da Polícia Militar no porto para coibir a falta de segurança no local.
Segundo o Sindicato da Guarda Portuária no Estado do Espírito Santo (Sindguapor) a situação atual é objeto de denúncia no Ministério Público, Antaq e Conportos.

O autor do comunicado, e os seus superiores hierárquicos, sabedores dos riscos ao qual os guardas portuários estão sendo expostos, desarmados e desprovidos de coletes balísticos, assumem a responsabilidade civil e criminal caso um integrante da categoria venha a sofrer algum atentado.

Com a palavra, o presidente da CODESA.

Leia Também:



A nossa missão é manter informado àqueles que nos acompanham, de todos os fatos, que de alguma forma, estejam relacionados com a Guarda Portuária e a Segurança Portuária em todo o seu contexto, não cabendo a esse Portal a emissão de qualquer juízo de valor.
                                                                                                                                                                                                                                               
* Direitos Autorais: Os artigos e notícias, originais deste Portal, tem a reprodução autorizada pelo autor, desde que, seja mencionada a fonte e um link seja posto para o mesmo. O mínimo que se espera é o respeito com quem se dedica para obter a informação, a fim de poder retransmitir aos outros.

* Os comentários publicados não representam a opinião do Portal Segurança Portuária Em Foco. A responsabilidade é do autor da mensagem. Não serão aceitos comentários anônimos.




3 comentários:

  1. ELES NA VERDADE ESTÃO MANDANDO OS GUARDAS PARA O SACRIFICIO . DESARMADOS E ENTRE-
    GUES A PRÓPIA SORTE SE SUJEITAM A UMA ORDEM ABSURDA E ILEGAL. SE LEVAREM UM BALAÇO
    E FICAREM EM UMA CADEIRA DE RODAS OU EM UM SKIFE , AI VÃO DIZER O QUE ÀS FAMILIAS?
    VÃO TIRAR O CORPO FORA E O PROBRE QUE SE LASCOU ELE E A FAMILIA .
    É PRECISO UM BASTA URGENTE NESSA SITUAÇÃO QUE JÁ É INSUSTENTÁVEL. É O ÁPICE DA
    INCOPETENCIA E DO DESCASO. SE CHEGOU A UM PONTO QUE SÓ MESMO A DESTITUIÇÃO GERAL
    DAS CHEFIAS OU MESMO ATÉ A RESPONSABILIZAÇÃO DOS MESMOS PARA VER SE HA CONDIÇÃO
    PARA SE RECUPERAR ALGUMA COISA PARA A PARTIR DO ZERO SE CONSTRUIR UMA GUARDA
    QUE TENHA UM MÍNIMO DE OPERACIONALIDADE.

    POR UMA GUARDA PORTUÁRIA DIGNA E FORTE .

    GP ALEXANDRE -ES


    ResponderExcluir
  2. TRATAM-NOS COMO UMA COISA QUALQUER, NAO DANDO A MINIMA IMPORTANCIA PARA AS VIDAS HUMANAS DOS GUARDAS PORTUARIOS.
    TUDO TEM LIMITE.
    E NESSA QUESTAO A GP DA CODESA TEM O D DIREITO DE TER SUAS VIDAS RESGUARDADAS,.
    ISSO É INADIMISSIVEL, NAO PODE CONTINUAR!!!

    Cileno BORGES

    ResponderExcluir
  3. REALMENTE A SITUAÇÃO DO PORTO DA CODESA ESTÁ INSUSTENTÁVEL, POIS O PLANO DE SEGURANÇA SENDO CUMPRIDO É GARANTIA DE SEGURANÇA NÃO SÓ PARA O PORTO, MAS PARA OS PROPRIOS AGENTES DA GUARDA PORTUÁRIA QUE NÃO PODEM TRABALHAR SEM AS MÍNIMAS CONDIÇÕES DE TRABALHO, QUE SÃO OS EQUIPAMENTOS DE SEGURANÇA PESSOAL E AS ARMAS, JÁ QUE SÓ PODEMOS TRABALHAR ARMADOS E EQUPADOS COM COLETES BALÍSTICOS. O MINISTÉRIO PÚBLICO DEVE TOMAR CONHECIMENTO DESTAS PRECARIEDADES E TOMAR UMA PROVIDÊNCIA IMEDIATA PARA DIRIMIR ESTAS IRREGULARIDADES, INCLUINDO A FALTA DE GUARDAS PORTUÁRIOS NOS POSTOS DE TRABALHO, ALÉM DA FALTA DOS EQUIPAMENTOS DE PROTEÇÃO INDIVIDUAL.
    ATÉ QUE PONTO É NORMAL UMA EMPRESA PÚBLICA SUSTENTAR A FALTA DE MEDIDAS ADMINISTRATIVAS OU POLÍTICAS QUE INVIABILIZAM O TRABALHO DOS EMPREGADOS? DEIXAR DE ASSEGURAR CONDIÇÕES MÍNIMAS DE SEGURANÇA E DE OPERACIONALIDADE EM UMA PROFISSÃO QUE REQUER EXPOSIÇÃO AO PERIGO DE VIDA PODE SER CONSIDERADO ATÉ MESMO ASSÉDIO MORAL COLETIVO, PORTANTO PASSÍVEL DE SER DISCUTIDO EM JUÍZO A RESPONSABILIDADE DO ENTE PÚBLICO QUE ADMINISTRA OS EMPREGADOS E SUAS CONDIÇÕES DE TRABALHO, POIS AFETA TAMBÉM A DIGNIDADE DOS TRABALHADORES.

    SAMUEL AUGUSTO S. CASTELO
    Inspetor da Guarda Portuária do Pará.

    ResponderExcluir

LEGISLAÇÕES