Postagem em destaque

PF FLAGRA PORTUÁRIOS COM PACOTES DE COCAÍNA NO CORPO PARA EMBARQUE EM NAVIO

Trabalhadores do Porto de Santos tentaram levar carregamento até navio atracado no cais, que foi cercado pela Guarda Portuária. Tablete...

quarta-feira, 18 de novembro de 2015

0

AFRICANO TENTA ENTRAR DE FORMA CLANDESTINA PELO PORTO DE SANTOS




Ele estava no navio Saturnus, de bandeira norueguesa, que atracou no cais.
Candestino está com malária, afirma Anvisa.

A Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) interditou o navio Saturnus, atracado provisoriamente no Terminal 37 do Porto de Santos, depois que um africano clandestino foi encontrado a bordo. Trata-se de um camaronês, de 22 anos, que embarcou escondido entre sacas de arroz durante operação no cais de Duala, na República de Camarões.
A suspensão das atividades ocorre para confirmar a segurança sanitária da embarcação, dos tripulantes e do viajante ilegal. O rapaz é precedente uma região endêmica da malária e, por isso, foi submetido a exames na tarde de terça-feira (17).
O cargueiro, de bandeira norueguesa, vai movimentar, segundo informações da Companhia Docas do Estado de São Paulo (Codesp), 48.235 toneladas de açúcar a granel no cais do Armazém 16.
Quanto ao camaronês, a Polícia Federal irá retirá-lo de embarcação assim que houver a liberação definitiva da agência sanitária. Os antecedentes, assim como a identidade, serão confirmados com o consulado do país de origem e dependendo do que for constatado, ele poderá ser enquadrado como refugiado. Do contrário, será deportado para a África.
A Anvisa informou, por meio de nota, que seguiu os procedimentos estabelecidos para a ocasião. Segundo a agência, o fato de um clandestino estar a bordo não a força impedir a entrada dessa embarcação no Porto de Santos. No entanto, estabelece o bloqueio de operações até que esteja comprovada a segurança sanitária - o que deve ocorrer nesta quarta.
Candestino está com malária, afirma Anvisa
A informação é da Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa), que permanece com a interdição na embarcação, atracada provisoriamente no Terminal 37.
Os resultados dos exames no qual ele foi submetido saíram na manhã desta quarta-feira (18). Segundo a agência, foi detectado que ele contraiu a doença, endêmica do país de origem dele, apesar de não apresentar sintomas. Diante do quadro, um novo protocolo foi acionado e o cargueiro permanece inoperante no cais santista.
A partir das 13 horas, uma equipe paramentada da Anvisa embarcará no navio para realizar outros exames a bordo. O objetivo é verificar se há tripulantes também doentes e que precisem de algum atendimento especial. Por essa razão, ainda não há previsão para que a Polícia Federal assuma o caso e possa dar continuidade aos trâmites da imigração ilegal.
A malária é uma doença transmitida por mosquitos de pessoa infectada para pessoa não infectada. Entre os sintomas, estão os calafrios e febres, além de dores pelo corpo, e, por isso, muitas vezes é confundida com uma gripe comum. No Brasil, os casos estão concentrados na região Amazônica, devido ao clima característico local.
Comandante disse que não havia sinais de doenças
Durante a viagem, o comandante da embarcação deu garantias documentadas às autoridades brasileiras de que não havia sinais de doenças a bordo. Por isso, o Saturnus, entrou no complexo portuário normalmente, por volta das 10 horas, mas como teria que aguardar a vistoria e o resultado do exame, atracou em um cais inoperante, diferente daquele inicialmente planejado.
Para a Polícia Federal, o comandante informou que encontrou o clandestino no último dia 4, quase uma semana depois de ter partido do cais da República de Camarões. O rapaz, que afirmou ser estivador naquele país, estava escondido no forro do teto de um dos compartimentos sociais. Foi alimentado e ficou sob a supervisão da tripulação.
A alegação é que o camaronês queria "oferecer uma vida melhor à família", conforme o relato. O objetivo era conseguir salário superior a U$ 1 mil, incapaz, segundo ele, de ser obtido no porto de Duala. O clandestino disse, ainda, que já esteve ilegalmente em outros portos nacionais e estrangeiros, em outras ocasiões, e afirmou não ter histórico policial.
Fonte: Jornal A Tribuna.



*Esta publicação é de inteira responsabilidade do autor e do veículo que a divulgou. A nossa missão é manter informado àqueles que nos acompanham, de todos os fatos, que de alguma forma, estejam relacionados com a Guarda Portuária e a Segurança Portuária em todo o seu contexto, não cabendo a esse Portal a emissão de qualquer juízo de valor.
                                                                                                                                                                                                                                               
* Direitos Autorais: Os artigos e notícias, originais deste Portal, tem a reprodução autorizada pelo autor, desde que, seja mencionada a fonte e um link seja posto para o mesmo. O mínimo que se espera é o respeito com quem se dedica para obter a informação, a fim de poder retransmitir aos outros.
                              
* Os comentários publicados não representam a opinião do Portal Segurança Portuária Em Foco. A responsabilidade é do autor da mensagem. Não serão aceitos comentários anônimos.



Nenhum comentário:

Postar um comentário

LEGISLAÇÕES