Postagem em destaque

PF FLAGRA PORTUÁRIOS COM PACOTES DE COCAÍNA NO CORPO PARA EMBARQUE EM NAVIO

Trabalhadores do Porto de Santos tentaram levar carregamento até navio atracado no cais, que foi cercado pela Guarda Portuária. Tablete...

sexta-feira, 28 de abril de 2017

0

STF SOLICITA QUE GOVERNO DO RIO GRANDE DO SUL SE PRONUNCIE SOBRE A EXTINÇÃO DA SPH




A Federação está acompanhando este processo desde janeiro e criando ações conjuntas para garantir o emprego dos mais de cem empregados

O Supremo Tribunal Federal solicitou ao governo do estado do Rio Grande do Sul para que ele se manifeste a respeito da lei estadual 14.983/17 que extingue a Superintendência de Portos e Hidrovias (SPH) e consequentemente a demissão de mais de 100 empregados. Isso porque, a Confederação Nacional de Trabalhadores em Transporte e Logística (CNTTL) entrou no dia 7 de abril com a Ação de Inconstitucionalidade 5690 questionando a lei.
Nessa terça-feira (25), o presidente da Federação Nacional dos Portuários (FNP) e vice presidente da CNTTL, Eduardo Guterra, o secretário de Finanças da FNP, José Renato e do advogado que acompanha o caso, José Augusto Japur, participaram de uma reunião com a assessoria do ministro.
“Nós saímos da reunião com boas expectativas, já que o Supremo deu um prazo curto para que o governo se manifeste sobre a lei. Mais ou menos em 15 dias nós teremos notícias sobre esta ação. Pelo prazo que o Supremo determinou, nós estamos otimistas, pois isso significa que o Tribunal entendeu a importância desta matéria”, explica o advogado José Augusto Japur.
De acordo com a confederação, a Lei estadual 14.983/2017, que extingue a autarquia e seu quadro de pessoal, integra pacote de medidas propostas pelo Poder Executivo estadual aprovada pela Assembleia Legislativa gaúcha para enfrentar a crise econômica que afeta o estado, que ultrapassou o percentual de 49% previsto na Lei de Responsabilidade Fiscal (LRF) no que tange às despesas com pessoal. Para a entidade, contudo, a dispensa dos empregados da Superintendência, prevista no artigo 4, parágrafo 1º, da lei questionada, contraria o disposto no artigo 169, parágrafo 3º, da Constituição Federal de 1988, uma vez que o quadro de pessoal da SPH é formado por servidores autárquicos concursados que, apesar de seguirem o regime jurídico previsto na Consolidação das Leis do Trabalho (CLT), contribuem para o regime próprio de previdência do estado.
Na hipótese de descumprimento dos limites previstos na LRF, a autora da ação explica que o servidor público estável só pode perder o cargo se não forem suficientes as medidas estabelecidas no parágrafo 3º do artigo 169 da Constituição Federal. O dispositivo prevê que, para cumprimento dos limites para despesas com pessoal, o ente público deve primeiro reduzir em pelo menos 20% as despesas com cargos em comissão e funções de confiança, e depois realizar a exoneração dos servidores não estáveis.
Para a confederação, o conceito de servidor não estável para fins do artigo 169 da Constituição Federal é o contido no artigo 33 da Emenda Constitucional 19/1998, que considera não estáveis aqueles admitidos na administração direta, autárquica e fundacional sem concurso público de provas e títulos após outubro de 1983. “Como todos os servidores da SPH são concursados, e por isso estabilizados para os fins que dispõe o artigo 169 da Constituição, só podem ser exonerados depois de esgotadas as medidas determinadas no parágrafo 3º”, afirma.
“A Federação está acompanhando este processo desde janeiro e criando ações conjuntas para garantir o emprego dos mais de cem empregados que correm o risco de serem demitidos neste processo. Há alguns dias atrás nós conseguimos uma liminar que impediu que as demissões ocorressem. Nosso maior objetivo é que justiça seja feita e direitos dos trabalhadores sejam resguardados”, afirma o presidente da FNP, Eduardo Guterra.
A CNTTL pede a concessão de liminar para suspender os efeitos do parágrafo 1º do artigo 4º da Lei estadual 14.983/2017, que trata do encerramento do contrato dos empregados da Superintendência. No mérito, pede a declaração de sua inconstitucionalidade.


* Esta publicação é de inteira responsabilidade do autor e do veículo que a divulgou. A nossa missão é manter informado àqueles que nos acompanham, de todos os fatos, que de alguma forma, estejam relacionados com a Guarda Portuária e a Segurança Portuária em todo o seu contexto. A matéria veiculada apresenta cunho jornalístico e informativo, inexistindo qualquer crítica política ou juízo de valor.
                                                                                                                                                                                          
* Direitos Autorais: Os artigos e notícias, originais deste Portal, tem a reprodução autorizada pelo autor, desde que, seja mencionada a fonte e um link seja posto para o mesmo. O mínimo que se espera é o respeito com quem se dedica para obter a informação, a fim de poder retransmitir aos outros.
                                                                                                                                                            
COMENTÁRIOS

Os comentários publicados não representam a opinião do Portal Segurança Portuária Em Foco. A responsabilidade é do autor da mensagem. Não serão aceitos comentários anônimos.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

LEGISLAÇÕES