Postagem em destaque

CONPORTOS PROMOVE RECADASTRAMENTO DE SUPERVISORES DE SEGURANÇA

Sandro Torres Avelar, presidente da Conportos O objetivo é de manter atualizado o cadastro interno da CONPORTOS e das demais organiza...

quinta-feira, 25 de maio de 2017

0

GUARDA PORTUÁRIA DO RIO ESTÁ USANDO COLETES DA POLÍCIA CIVIL




Os coletes foram cedidos pela Policia Civil por prazo indeterminado. São de uso coletivo, pois foram fornecidos em numero insuficiente, apenas emergencialmente até que a CDRJ promova a aquisição

No dia 13 de maio a Guarda Portuária da Companhia Docas do Rio de Janeiro (CDRJ) passou a utilizar coletes balísticos da Polícia Civil. No dia 8 venceu o prazo de validade do colete balístico e por conta disso a Superintendente determinou também o recolhimento das armas, causada pela falta de zelo na gestão, que deixou vencer a data de validade, antes da aquisição dos novos. Assim que o Sindicato dos Trabalhadores nos Serviços Portuários dos Portos do Estado do Rio de Janeiro tomou conhecimento efetuou denúncia no Ministério do Trabalho e Emprego (MTE).
Os coletes da Guarda Portuária venceram no dia 8 de maio

Atendendo a determinação da Delegada de Polícia Civil, Izabela Silva Rodrigues Santoni, Superintendente da Guarda, duas viaturas se dirigiram a Cidade da Polícia para buscar 60 coletes novos, daquela instituição do governo do estado, que foram acautelados para a CDRJ.
Segundo o presidente da empresa, Tarcísio Tomazoni, recém empossado, foi sua  a iniciativa de solicitar junto a Secretaria de Segurança Pública o empréstimo dos coletes, como medida emergencial, até que se possa solucionar o problema, assim como assumiu o compromisso de apurar as responsabilidades.
Os coletes foram cedidos pela Policia Civil por prazo indeterminado. São de uso coletivo, pois foram fornecidos em numero insuficiente, apenas emergencialmente até que a CDRJ promova a aquisição.
Alguns guardas enalteceram a atitude alegando que ela estaria pensando na segurança deles, dizendo ainda que era uma parceria, pois os coletes foram emprestados até chegarem os da própria corporação, dizendo ainda que pior do que isso é trabalhar desarmado no Rio de Janeiro.
Seria louvável a atitude se a intenção fosse apenas a preocupação com a integridade física dos guardas, no entanto, não foi isso que ocorreu. A medida só foi adotada após o MTE notificar a CDRJ em 10/05, depois de denúncia efetuada pelo Sindicato, e ter estipulado um prazo para resolver o problema, impondo uma multa se isso não ocorresse. 
Ainda assim, a CDRJ está contrariando a Lei, que estipula que os coletes são EPIs, portanto de uso pessoal e não coletivo. Não há também qualquer previsão de higienização dos referidos EPIs entre a utilização de uma e outra equipe, como prevê o item da NR-6 - 6.6.1, Letra "F" - Higienização. Isso, entre outras irregularidades que estão sendo apuradas pelas autoridades.
Não se tem conhecimento também se esses coletes balísticos trazidos possuem Certificado de Aprovação (CA), aprovado pelo MTE, conforme prevê a NR-6 - 6.6.1 letra "C".
Instrução
Segundo foi apurado pelo Portal Segurança Portuária Em Foco, não foi expedida nenhuma instrução referente a utilização desses coletes cedidos provisoriamente. A única orientação era para pagar o colete e a arma somente àqueles que estão com o porte em dia, visto que com supressão do colete, as armas também haviam sido recolhidas.
Os coletes só pode ser utilizado para aqueles que estão com o porte de arma em dia

Como os coletes tem o brasão da Polícia Civil bordado e são acautelados, não podendo ser descaracterizado, alguns integrantes da Guarda Portuária, de forma provisória e rudimentar, tentaram colocar a aba com o brasão para dentro e colocar o da Guarda por cima.
Alguns guardas, tentaram, de forma rudimentar, ocultar o brasão da Polícia Civil

O presidente do Sindicato dos Policiais Civis do Rio de Janeiro, Marcio Linhares, em entrevista ao programa do Ricardo Boechat, na rádio Band News FM, achou um absurdo. “Os guardas portuários não podem se passar por policiais civis. Isso pode acarretar uma dúvida quanto a identificação desse agente”, falou Marcio.
Falsa Identidade

O fato de não ter sido adotada nenhuma precaução sobre o uso indevido de coletes com o brasão de outra instituição poderá levar, em alguns casos, se alguém se sentir prejudicado, a cometer o crime de falsa identidade.
Passar-se por alguém pode ser enquadrado no crime de falsa identidade, previsto no art. 307 do Código Penal. O aludido dispositivo legal caracteriza como crime o ato de “Atribuir-se ou atribuir a terceiro, falsa identidade para obter vantagem em proveito próprio ou alheio, ou para causar dano a outrem”. Nesse caso, a falsidade não é documental, material ou mesmo ideológica. Trata-se de falsidade pessoal, consistindo em ludibriar outra pessoa acerca da própria identidade ou da identidade de terceiro.
Risco
Os guardas portuários no Rio de Janeiro, de serviço nos portões de acesso ao Porto, naturalmente já estão sujeitos a todos o tipos de perigos que envolvem a atividade, principalmente no período noturno, observado o alto índice de criminalidade nas áreas externas próximas dos portões de acesso, utilizando coletes da Polícia Civil esse risco aumenta, pois esse material é alvo de cobiça dos meliantes.
Nota de esclarecimento da CDRJ
Recentemente foram divulgados na rádio Band News FM, os seguintes fatos:
 a) Que a Superintendente da Guarda Portuária da Companhia Docas do Rio de Janeiro – CDRJ teria obtido, sem a devida autorização, dos estoques da Polícia Civil do Estado do Rio de Janeiro, coletes balísticos identificados como sendo da PCERJ, o que poderia acarretar dúvidas quanto à identificação e a lisura do processo;
b) Que os Guardas Portuários estariam usando, portanto, coletes comprados com dinheiro público pela Secretaria de Segurança Pública e não pela Companhia Docas do Rio de Janeiro, o que seria inadmissível no contexto de crise em que está inserido o Estado do Rio de Janeiro;
Quanto à notícia veiculada, embora a Companhia Docas do Rio de Janeiro já tenha encaminhado pronunciamento oficial acerca do assunto dentro do prazo assinalado pela rádio Band News FM, esclarecemos o seguinte:
1. A Companhia Docas do Rio de Janeiro é a responsável pelo fornecimento dos equipamentos de proteção individual necessários ao desempenho das atividades pelos Guardas Portuários, dentre eles os coletes à prova de balas.
2. Tais coletes têm, segundo a legislação, prazo de validade, sendo necessária sua substituição antes da expiração do referido prazo.
3. Contudo, em virtude da não instauração, pela gestão anterior da CDRJ, do processo licitatório para aquisição dos referidos materiais, a atual administração, que assumiu no início de maio do corrente ano, entendeu necessário adotar providências urgentes com vistas à proteção da integridade física dos profissionais da Guarda Portuária, haja vista a expiração do prazo de validade dos coletes. 
4. Nesse sentido, a CDRJ requereu, oficialmente, ao Chefe de Polícia Civil do Estado do Rio de Janeiro, o fornecimento de 60 (sessenta) coletes balísticos para utilização pela Guarda Portuária, através da CARTA DIRPRE Nº 8319/2017.
5. Tal pedido foi deferido com fundamento no princípio da colaboração entre entes da Administração Pública, tendo sido emitido Termo de Cautela para entrega à Companhia Docas do Rio de Janeiro dos referidos equipamentos, que constituíam reserva técnica da Polícia Civil do Estado do Rio de Janeiro, com cláusula expressa de imediata devolução dos mesmos em caso de necessidade. Importante salientar que o fornecimento se deu gratuita e temporariamente, cabendo ressaltar que é ocultada, por ordem, a visualização da identificação do emblema da Polícia Civil nos coletes, quando utilizados pelos Guardas Portuários.
6. A Superintendente da Guarda Portuária participou do processo apenas em razão de ser responsável pela gestão do referido corpo armado da CDRJ, tendo em vista que a disponibilização dos coletes balísticos ocorreu em decorrência de pedido formal da Companhia Docas do Rio de Janeiro, conforme acima exposto.
7. Outrossim, fazemos questão de salientar que o Comando da Polícia Civil do Estado do Rio de Janeiro, ao fornecer os referidos equipamentos, demonstrou preocupação com a segurança pública em geral, especialmente em relação aos colaboradores da Guarda Portuária, garantiu a continuidade da prestação de serviços no Porto do Rio de Janeiro e possibilitou à atual administração da Companhia Docas do Rio de Janeiro a conclusão do respectivo processo licitatório com a lisura e o tempo necessários. 
8. Queremos agradecer a enorme colaboração do comando da Polícia Civil do Estado do Rio de Janeiro e externar nossa posição contrária ao entendimento equivocado apresentado pelo denunciante, que colocou em dúvida a intenção do referido órgão ao atender prontamente nosso pedido. O ato, na verdade, representa a preocupação efetiva de ambas as instituições no sentido de solucionar um sério problema, que poderia comprometer não só as operações do Porto do Rio de Janeiro como a segurança dos profissionais da Guarda Portuária da CDRJ.
9. Por fim, a Companhia Docas do Rio de Janeiro informa que tomará as providências necessárias à apuração de responsabilidade pelo ocorrido.
Atenciosamente,

Companhia Docas do Rio de Janeiro

A nossa missão é manter informado àqueles que nos acompanham, de todos os fatos, que de alguma forma, estejam relacionados com a Guarda Portuária e a Segurança Portuária em todo o seu contexto. A matéria veiculada apresenta cunho jornalístico e informativo, inexistindo qualquer crítica política ou juízo de valor.
                                                                                                                                                                                          
* Direitos Autorais: Os artigos e notícias, originais deste Portal, tem a reprodução autorizada pelo autor, desde que, seja mencionada a fonte e um link seja posto para o mesmo. O mínimo que se espera é o respeito com quem se dedica para obter a informação, a fim de poder retransmitir aos outros.
                                                                                                                                                            
COMENTÁRIOS

Os comentários publicados não representam a opinião do Portal Segurança Portuária Em Foco. A responsabilidade é do autor da mensagem. Não serão aceitos comentários anônimos.


Nenhum comentário:

Postar um comentário

LEGISLAÇÕES