Postagem em destaque

CONPORTOS CASSA CERTIFICADO DE SEGURANÇA DOS TERMINAIS DA RODRIMAR NO PORTO DE SANTOS

Comissão Estadual de Segurança Pública nos Portos encontra falhas nos sistemas de segurança desde 2016 e a empresa não apontou soluçõe...

terça-feira, 7 de novembro de 2017

0

NAVIO DERRAMA 3.000 LITROS DE ÓLEO NO PORTO DE SANTOS




Por conta do movimento intenso da maré, devido ao vento e chuva, ocorreu "escape de parte do óleo"

Na madrugada do último domingo (05) um navio derramou óleo no Canal do Estuário do Porto de Santos, no litoral de São Paulo.
Segundo a Companhia Docas do Estado de São Paulo (Codesp), o incidente ocorreu por volta das 2h30, no momento em que o navio graneleiro “Golden Trader II”, de bandeira filipina, atracado no cais do Terminal 38, era abastecido por uma barcaça.
Equipes da Codesp e da Companhia de Saneamento Ambiental do Estado de São Paulo (Cetesb) foram acionadas e realizaram o monitoramento de todo o estuário para verificar a ocorrência de dispersão do óleo. O Plano de Emergência Individual do Terminal Caramuru também foi acionado.  
A Marinha do Brasil, por meio da Capitania dos Portos de São Paulo enviou uma equipe de peritos para apurar o ocorrido. Um inquérito será instaurado para apurar possíveis causas e responsabilidades. A coleta de amostras do óleo "para confirmar sua origem" foram realizadas.

Segundo a Companhia Ambiental do Estado de São Paulo (Cetesb), há três barreiras de contenção no entorno do navio. Por conta do movimento intenso da maré, devido ao vento e chuva, ocorreu "escape de parte do óleo".
Ibama
Segundo levantamento Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis (Ibama) ao menos 3 mil litros de óleo vazaram do navio Golden Trader II. O acidente foi considerado grave pelo órgão, que agora avalia possíveis sanções aos responsáveis.
"Verificamos que o vazamento foi muito maior, pois as manchas de óleo foram encontradas próxima a outros navios e até do outro lado do Estuário", informou a agente ambiental federal Ana Angélica Alabarce.

O terminal onde o navio graneleiro operava executou o Plano de Emergência Individual, informou a Companhia Docas do Estado de São Paulo (Codesp), a Autoridade Portuária. Três empresas instalaram barreiras de contenção no cais e iniciaram o trabalho de limpeza no mar.
Duas inspeções realizadas no domingo e nesta segunda-feira (6) foram feitas nas regiões do Sítio Conceiçãozinha, Praia do Góes e Praia do Sangava, em Guarujá (SP), e na Ponta da Praia e Ponte Edgard Perdigão, em Santos. Segundo os técnicos, não foram encontrados vestígios de óleo.
A Companhia Ambiental do Estado de São Paulo (Cetesb) acompanha os trabalhos e informou que Ibama deverá aplicar sanções aos responsáveis. A Marinha do Brasil, por meio da Capitania dos Portos de São Paulo, abriu um inquérito para apurar as possíveis causas e responsabilidades.

A nossa missão é manter informado àqueles que nos acompanham, de todos os fatos, que de alguma forma, estejam relacionados com a Guarda Portuária e a Segurança Portuária em todo o seu contexto. A matéria veiculada apresenta cunho jornalístico e informativo, inexistindo qualquer crítica política ou juízo de valor.                                                                                                                                                                                         
* Direitos Autorais: Os artigos e notícias, originais deste Portal, tem a reprodução autorizada pelo autor, desde que, seja mencionada a fonte e um link seja posto para o mesmo. O mínimo que se espera é o respeito com quem se dedica para obter a informação, a fim de poder retransmitir aos outros.                                                                                                                                                           
                                                          COMENTÁRIOS                             

Os comentários publicados não representam a opinião do Portal Segurança Portuária Em Foco. A responsabilidade é do autor da mensagem. Não serão aceitos comentários anônimos.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

LEGISLAÇÕES