Postagem em destaque

PORTO DE SÃO FRANCISCO DO SUL REALIZA CURSO DE CAPACITAÇÃO PARA OS AGENTES DA GUARDA PORTUÁRIA

O objetivo do curso é capacitar os agentes para exercerem suas funções em toda a área portuária A Administração do Porto de São ...

terça-feira, 7 de novembro de 2017

0

NAVIO DERRAMA 3.000 LITROS DE ÓLEO NO PORTO DE SANTOS




Por conta do movimento intenso da maré, devido ao vento e chuva, ocorreu "escape de parte do óleo"

Na madrugada do último domingo (05) um navio derramou óleo no Canal do Estuário do Porto de Santos, no litoral de São Paulo.
Segundo a Companhia Docas do Estado de São Paulo (Codesp), o incidente ocorreu por volta das 2h30, no momento em que o navio graneleiro “Golden Trader II”, de bandeira filipina, atracado no cais do Terminal 38, era abastecido por uma barcaça.
Equipes da Codesp e da Companhia de Saneamento Ambiental do Estado de São Paulo (Cetesb) foram acionadas e realizaram o monitoramento de todo o estuário para verificar a ocorrência de dispersão do óleo. O Plano de Emergência Individual do Terminal Caramuru também foi acionado.  
A Marinha do Brasil, por meio da Capitania dos Portos de São Paulo enviou uma equipe de peritos para apurar o ocorrido. Um inquérito será instaurado para apurar possíveis causas e responsabilidades. A coleta de amostras do óleo "para confirmar sua origem" foram realizadas.

Segundo a Companhia Ambiental do Estado de São Paulo (Cetesb), há três barreiras de contenção no entorno do navio. Por conta do movimento intenso da maré, devido ao vento e chuva, ocorreu "escape de parte do óleo".
Ibama
Segundo levantamento Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis (Ibama) ao menos 3 mil litros de óleo vazaram do navio Golden Trader II. O acidente foi considerado grave pelo órgão, que agora avalia possíveis sanções aos responsáveis.
"Verificamos que o vazamento foi muito maior, pois as manchas de óleo foram encontradas próxima a outros navios e até do outro lado do Estuário", informou a agente ambiental federal Ana Angélica Alabarce.

O terminal onde o navio graneleiro operava executou o Plano de Emergência Individual, informou a Companhia Docas do Estado de São Paulo (Codesp), a Autoridade Portuária. Três empresas instalaram barreiras de contenção no cais e iniciaram o trabalho de limpeza no mar.
Duas inspeções realizadas no domingo e nesta segunda-feira (6) foram feitas nas regiões do Sítio Conceiçãozinha, Praia do Góes e Praia do Sangava, em Guarujá (SP), e na Ponta da Praia e Ponte Edgard Perdigão, em Santos. Segundo os técnicos, não foram encontrados vestígios de óleo.
A Companhia Ambiental do Estado de São Paulo (Cetesb) acompanha os trabalhos e informou que Ibama deverá aplicar sanções aos responsáveis. A Marinha do Brasil, por meio da Capitania dos Portos de São Paulo, abriu um inquérito para apurar as possíveis causas e responsabilidades.

A nossa missão é manter informado àqueles que nos acompanham, de todos os fatos, que de alguma forma, estejam relacionados com a Guarda Portuária e a Segurança Portuária em todo o seu contexto. A matéria veiculada apresenta cunho jornalístico e informativo, inexistindo qualquer crítica política ou juízo de valor.                                                                                                                                                                                         
* Direitos Autorais: Os artigos e notícias, originais deste Portal, tem a reprodução autorizada pelo autor, desde que, seja mencionada a fonte e um link seja posto para o mesmo. O mínimo que se espera é o respeito com quem se dedica para obter a informação, a fim de poder retransmitir aos outros.                                                                                                                                                           
                                                          COMENTÁRIOS                             

Os comentários publicados não representam a opinião do Portal Segurança Portuária Em Foco. A responsabilidade é do autor da mensagem. Não serão aceitos comentários anônimos.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

LEGISLAÇÕES