Postagem em destaque

PF FLAGRA PORTUÁRIOS COM PACOTES DE COCAÍNA NO CORPO PARA EMBARQUE EM NAVIO

Trabalhadores do Porto de Santos tentaram levar carregamento até navio atracado no cais, que foi cercado pela Guarda Portuária. Tablete...

sexta-feira, 23 de fevereiro de 2018

0

TRABALHADORES QUE ACESSAM O PORTO DE PARANAGUÁ PRECISAM ESTAR VACINADOS CONTRA FEBRE AMARELA





A norma, instituída em 2017, atende a regras internacionais de segurança de áreas portuárias e de fronteira

Como forma de garantir a segurança dos trabalhadores, da população local e das tripulações dos navios que atracam em Paranaguá, a Administração dos Portos de Paranaguá e Antonina (Appa) exige que todos os trabalhadores com crachá permanente para acesso ao porto estejam vacinados contra a febre amarela.
A norma, instituída em 2017 para definir os padrões de cadastramento de profissionais que transitam pelo porto, atende a regras internacionais de segurança de áreas portuárias e de fronteira.
“Todos os funcionários que hoje acessam o cais permanentemente, sejam eles de empresas que operam ou prestam serviços no porto ou trabalhadores da administração pública, já comprovaram que estão vacinados contra a febre amarela. É um cuidado importante, pois o porto é uma área de trânsito de pessoas de várias origens”, explica o diretor-presidente da Appa, Luiz Henrique Dividino.
Para o trabalhador que ainda vai solicitar o acesso ao cais, basta apresentar o certificado de vacinação. A vacina contra a febre amarela tem prazo vitalício.

Além disso, é exigido comprovante de treinamento de integração ministrado pela Appa, atestado de saúde ocupacional e, se necessários à função, certificados de treinamentos e cursos relativos à segurança do trabalho. As medidas fazem parte de uma série de normas instituídas pela Appa, Ministério da Fazenda, Agência Nacional de Vigilância Sanitária e Receita Federal do Brasil.
Segundo dados do Ministério da Saúde, o número de casos confirmados de febre amarela até sete de fevereiro era de 353, com 98 os óbitos provocados pela doença entre 1º de julho de 2017 e 6 de fevereiro deste ano. No mesmo período do ano passado, foram confirmados 509 casos e 159 óbitos. O boletim informa ainda que foram notificados em todo o país 1.286 casos suspeitos de febre amarela - 510 deles foram descartados e 423 permanecem em investigação.
Os estados mais afetados são Rio de Janeiro, São Paulo e Bahia, mas outros já registraram os primeiros casos da doença.
Dengue
O Porto de Paranaguá também realiza ações contínuas de combate ao mosquito Aedes Aegypti, transmissor da dengue, zika e febre chicungunya. Além de orientações contínuas a todos os funcionários quanto aos cuidados para a não proliferação do mosquito, a Appa faz a varrição das áreas do porto, evitando o acumulo de poças, sujeira nas vias e áreas do cais, além de manter campanha de comunicação mesmo no período de inverno quando a proliferação é menor.
O porto também orienta os tripulantes estrangeiros, explicando os cuidados necessários, como não deixar água parada, e sobre os sintomas da doença.
Fonte: APPA.

Esta publicação é de inteira responsabilidade do autor e do veículo que a divulgou. A nossa missão é manter informado àqueles que nos acompanham, de todos os fatos, que de alguma forma, estejam relacionados com a Guarda Portuária e a Segurança Portuária em todo o seu contexto. A matéria veiculada apresenta cunho jornalístico e informativo, inexistindo qualquer crítica política ou juízo de valor.                                                                                             
* Direitos Autorais: Os artigos e notícias, originais deste Portal, tem a reprodução autorizada pelo autor, desde que, seja mencionada a fonte e um link seja posto para o mesmo. O mínimo que se espera é o respeito com quem se dedica para obter a informação, a fim de poder retransmitir aos outros.                                                                                                                          

                   COMENTÁRIOS                             
Os comentários publicados não representam a opinião do Portal Segurança Portuária Em Foco. A responsabilidade é do autor da mensagem. Não serão aceitos comentários anônimos.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

LEGISLAÇÕES