Postagem em destaque

PF FLAGRA PORTUÁRIOS COM PACOTES DE COCAÍNA NO CORPO PARA EMBARQUE EM NAVIO

Trabalhadores do Porto de Santos tentaram levar carregamento até navio atracado no cais, que foi cercado pela Guarda Portuária. Tablete...

quarta-feira, 19 de setembro de 2018

0

GRUPO ACUSADO DO TRÁFICO DE 248 KG DE COCAÍNA É ABSOLVIDO EM GUARUJÁ



Juiz Edmilson Rosa dos Santos inocentou o grupo por insuficiência de prova

Quatro homens processados por tráfico e associação para o tráfico de drogas foram absolvidos. O juiz Edmilson Rosa dos Santos, da 3ª Vara Criminal de Guarujá, inocentou o grupo por insuficiência de prova. A apreensão de 248 quilos de cocaína deu origem à ação penal.
O entorpecente foi achado na caçamba de uma Chevrolet Montana, no dia 4 de outubro de 2016. Ele estava dividido em 238 tijolos e acondicionado em dez malas. A picape se encontrava em uma casa na Rua Francisco Alves, no Pae Cará, em Vicente de Carvalho. Não havia ninguém no imóvel e no veículo.
Pela forma como a cocaína estava embalada, os indícios são de que ela se destinaria ao tráfico internacional. Posteriormente, apurou-se que Guilherme Gonçalves de Sá é o dono da picape e a emprestou a Thiago Luiz da Silva, para que fizesse uma “mudança”. Thiago, por sua vez, cedeu o veículo para Anderson realizar um frete.
Sob a alegação de não ter visto o que fora colocado na Montana pelo contratante do carreto, identificado apenas por “Magrão”, Anderson disse que receberia R$ 1 mil para transportar bebidas, cigarros e perfumes. Ele lamentou o fato de ter sido enganado, porque jamais aceitaria o frete se soubesse que fosse cocaína o produto a ser levado.
O quarto réu é Vinicius de Moura Santos. Ele chegou na casa onde estava a Montana quando ali já se encontravam policiais militares. Após denúncia anônima de que havia grande quantidade de drogas no imóvel, os PMs se dirigiram ao local e não se depararam com ninguém na moradia ou no veículo.
Vinicius chegou posteriormente a pé para alimentar cachorros da residência e declarou ignorar a existência da cocaína na picape. O advogado João Manoel Armôa Júnior defendeu Guilherme, Anderson e Vinicius. Ele requereu a absolvição dos clientes, sustentando que eles sequer sabiam da existência da droga na caminhonete.
Tese idêntica foi a de Wilson Caruso, defensor de Thiago Luiz da Silva. Ao final, o próprio Ministério Público admitiu a fragilidade das provas, reconhecida pelo magistrado. “Em que pese as provas colhidas nos autos aptas a comprovar a materialidade, temos que autoria de conduta de tráfico é realmente duvidosa, a meu sentir”, sentenciou o juiz.
Rosa destacou que os réus não foram flagrados em qualquer atividade referente ao comércio de drogas. Além disso, a falta de investigação ou acompanhamento prévio de maior duração impossibilitou estabelecer, com certeza absoluta, a existência de sociedade entre eles, de forma duradoura e estável, para a prática coletiva de atos de traficância.
Fonte: G1 Santos/SP


Esta publicação é de inteira responsabilidade do autor e do veículo que a divulgou. A nossa missão é manter informado àqueles que nos acompanham, de todos os fatos, que de alguma forma, estejam relacionados com a Guarda Portuária e a Segurança Portuária em todo o seu contexto. A matéria veiculada apresenta cunho jornalístico e informativo, inexistindo qualquer crítica política ou juízo de valor.                                                                                             
* Direitos Autorais: Os artigos e notícias, originais deste Portal, tem a reprodução autorizada pelo autor, desde que, seja mencionada a fonte e um link seja posto para o mesmo. O mínimo que se espera é o respeito com quem se dedica para obter a informação, a fim de poder retransmitir aos outros.                                                                                                                          

                   COMENTÁRIOS                             
Os comentários publicados não representam a opinião do Portal Segurança Portuária Em Foco. A responsabilidade é do autor da mensagem. Não serão aceitos comentários anônimos.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

LEGISLAÇÕES