Postagem em destaque

CODESP É ALVO DE SUPOSTA FRAUDE TRABALHISTA

Sob pretexto de 'serviço externo', guardas estariam trabalhando em outros locais, mas mantendo salário da Codesp Os ministér...

LEGISLAÇÕES

terça-feira, 9 de abril de 2019

0

CARGILL É MULTADA EM R$ 2,5 MILHÕES APÓS ÓLEO VAZAR DE NAVIO E MATAR PEIXES NO LITORAL DE SP



Ibama autuou a multinacional pelo acidente ocorrido no Porto de Santos com cargueiro filipino. Após nove dias de trabalho, foram retirados aproximadamente 10 mil litros de resíduos do mar

A Cargill Agrícola foi autuada em R$ 2,5 milhões pelo Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis (Ibama) em razão dos danos ocasionados a partir do vazamento de óleo de um navio operado pela empresa que estava atracado no Porto de Santos, no litoral de São Paulo. O acidente ocasionou mortandade de peixes.


O vazamento ocorreu durante abastecimento do navio Golden Trader II, então de bandeira filipina, enquanto o cargueiro de granéis sólidos operava no cais do Armazém 38, em novembro de 2017. O óleo atingiu o mar e se espalhou por área de 2 mil metros quadrados, segundo o auto do Ibama. Foram necessários nove dias para a limpeza.

A autoridade ambiental federal estima que foi removida quase 10 mil litros de resíduos do mar a partir de boias de contenção e mantas de absorção que foram lançadas na água pelas equipes de emergência para conter o avanço da mancha do produto. O óleo também precisou ser retirado do casco do navio e do costado, no cais.

Durante os trabalhos de limpeza, os agentes federais constataram que o produto também ocasionou a morte de peixes no Estuário, utilizados para acesso aos terminais do complexo portuário. O fato, cuja dimensão não foi divulgada, agravou a multa, que foi aplicada ao final do trabalho de investigação do Ibama e da autoridade marítima.


As circunstâncias do vazamento, assim como as responsabilidades, couberam aos peritos da Capitania dos Portos de São Paulo (CPSP), órgão da Marinha do Brasil, apurar. O resultado do inquérito é apresentado ao Tribunal Marítimo para eventual punição dos representantes da embarcação enquanto ela operava no porto.

Por meio de nota, a multinacional autuada informou que analisa como vai se defender. "A Cargill esclarece que não possui qualquer relação com o armador, tendo a sua divisão de Agência de Navegação figurado como mera 'agente protetora' do afretador, ou seja, apenas acompanhando os serviços prestados à embarcação no porto", declarou.

Fonte: G1 Santos



Esta publicação é de inteira responsabilidade do autor e do veículo que a divulgou. A nossa missão é manter informado àqueles que nos acompanham, de todos os fatos, que de alguma forma, estejam relacionados com a Guarda Portuária e a Segurança Portuária em todo o seu contexto. A matéria veiculada apresenta cunho jornalístico e informativo, inexistindo qualquer crítica política ou juízo de valor.                                                                                             
* Direitos Autorais: Os artigos e notícias, originais deste Portal, tem a reprodução autorizada pelo autor, desde que, seja mencionada a fonte e um link seja posto para o mesmo. O mínimo que se espera é o respeito com quem se dedica para obter a informação, a fim de poder retransmitir aos outros.    

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Os comentários publicados não representam a opinião do Portal Segurança Portuária Em Foco. A responsabilidade é do autor da mensagem. Não serão aceitos comentários anônimos.