Postagem em destaque

PF FLAGRA PORTUÁRIOS COM PACOTES DE COCAÍNA NO CORPO PARA EMBARQUE EM NAVIO

Trabalhadores do Porto de Santos tentaram levar carregamento até navio atracado no cais, que foi cercado pela Guarda Portuária. Tablete...

sábado, 18 de agosto de 2012

0

SEGURANÇA TERÁ HELICÓPTEROS E DELEGACIAS MÓVEIS

SEGURANÇA PÚBLICA / COPA 2014




Antes de deixar o tão esperado legado, as Olimpíadas vão receber uma herança e tanto da Copa de 2014. Num prazo de 90 dias, deve ser lançado cerca de 15 editais de licitação para a compra de equipamentos. Mais da metade de R$ 1,17 bilhão em investimentos previstos para a área de segurança vai para a aquisição de material que ficará, depois, para os Jogos de 2016.

Os itens que serão comprados são os mais variados, e alguns nunca foram usados no Brasil, como imageadores aéreos para acoplar em helicópteros. Serão usados ainda delegacias móveis, ônibus adaptados para registrar flagrantes na hora e plataformas móveis de observação para policiais vigiarem tudo do alto.

O secretário extraordinário de Segurança para Grandes Eventos do Ministério da Justiça, Valdinho Jacinto Caetano, explica que o planejamento também é focado no treinamento maciço de pessoal e em simulações.

- As Olimpíadas de 2016 acontecem apenas dois anos depois da Copa, que será um teste monstruoso. É claro que vamos ter um planejamento específico para os Jogos, mas muita coisa já é investimento que vai ficar para o evento. Nós também estivemos em Londres e observamos que há pilares fundamentais, que são integração das forças, treinamento e simulação - diz o secretário. - As simulações são muito importantes, cruciais. Precisamos saber, por exemplo, como evacuar um estádio em caso de explosão de bomba ou, se o caso não for tão grave, como fazer a descontaminação da área de forma ágil e recuperar o local para que o evento prossiga. Tudo isso depende de muito treino.

Ele afirma que o processo de pacificação do Rio deu mais tranquilidade para as equipes envolvidas no planejamento da segurança das Olimpíadas na cidade do Rio.

- O que acontecia nas favelas do Rio há alguns anos era algo extraordinário, fora do normal, que o estado está enfrentando e ampliando. Com isso, vamos poder nos concentrar nas áreas dos eventos e de interesse dos Jogos - afirma o secretário que, junto com observadores, esteve em Londres para estudar o esquema de segurança adotado.

De olho em Londres

O diretor de Segurança dos Jogos de 2016, Luiz Fernando Corrêa, também acredita que a Copa servirá de experiência para as Olimpíadas:

- O conceito do que é segurança é universal. O que muda é como aplicar os princípios. Em Londres, pudemos observar, em tempo real, como foi controlado o acesso aos estádios e a circulação do público pela área dos Jogos.

Luiz Fernando também reafirmou sua disposição de lançar mão de segurança particular nas arenas, tomando como base a regulamentação da atividade, cuja responsabilidade, inclusive de preparação das equipes, é da Polícia Federal. Ele disse, no entanto, que isso não quer dizer que esteja pensando em descartar a ação de tropas para pronto emprego.

- Elas estarão a postos para intervir em caso de necessidade.

Fonte: O Globo

Nenhum comentário:

Postar um comentário

LEGISLAÇÕES