Postagem em destaque

GUARDAS PORTUÁRIOS DENUNCIAM DIMINUIÇÃO DO EFETIVO E SUPRESSÃO DE POSTOS NO PARÁ

O quadro caótico vem comprometendo sensivelmente a segurança pública nos portos do Pará No dia 27 de janeiro, uma petição assinada...

quinta-feira, 1 de novembro de 2012

4

MULHERES DA GUARDA PORTUÁRIA


SEGURANÇA PÚBLUCA PORTUÁRIA / GUARDA PORTUÁRIA


                                                               GP Silvia Chaves e GP Renata Barcelos                                     

 
Também no último dia 22, na sede da CIA DOCAS do Rio, o Diretor presidente Dr. Jorge de Mello, empossou a GP Sylvia Chaves na condição de Supervisora de Segurança Portuária da CDRJ.
 
A GP Silvia, até onde se conhece, é a primeira Guarda Portuária mulher que assume esta posição estratégica no Brasil, sendo a CDRJ mais uma vez pioneira dentre as demais Cias Docas.
 
Para justificar a escolha, além do comprometimento e competência que esta colega demonstra no cotidiano laboral eis as qualificações desta Guarda Portuária:
 
Silvia Regina Chaves Alves tomou posse como Guarda Portuária desde o ano de 2005, é graduada em Licenciatura Plena e em Educação Física, participou do 9º Curso Especial de Supervisor de Segurança Portuária da CONPORTOS – Secretaria Nacional de Segurança Pública, pós-graduada em 2010 no curso de Segurança Pública e Cidadania pela Secretaria Nacional de Segurança Pública, cursou a Faculdade Latino-Americana de Ciências Sociais, Curso de mediação de Conflitos – Escola de Administração do Tribunal de Justiça. Coordenou a Secretaria da Superintendência da Guarda Portuária, sendo indicada pelo Superintendente Alfeu Cardoso ao cargo de Encarregada da Supervisão de Segurança Portuária e designada pelo Sr. DIPRE/CDRJ para ocupar o cargo a partir de 24/09/2012.
 
Para sua substituta, foi designada a GP Renata Barcelos dos Santos, lotada no Porto de Itaguaí.
Parabéns às colegas de farda.
 
Marco Jamil

Graduando Seg. Pública


 

 

4 comentários:

  1. Parabéns às colegas que conseguiram estes postos, graças à realização do curso de SSP. Pena que a oportunidade de realizar este curso não é dada a todos. O critério usado para indicar o GP, nem de longe passa por avaliação de mérito ou competência. Há muitos colegas capazes que nunca poderão almejar postos semelhantes pois, simplesmente, não estão em "sintonia" com as chefias. Infelizmente!

    ResponderExcluir
  2. Fico feliz por nós mulheres estarmos cada vez mais abrindo espaço na sociedade e no mercado de trabalho. Parabéns a todas nós!!!!

    ResponderExcluir
  3. A ATUAÇÃO DAS MULHERES NO QUADRO DAS GUARDAS PORTUÁRIAS JÁ É UMA REALIDAE E QUE PRECISA AUMENTAR AINDA MAIS JÁ QUE, DEPARTAMENTALIZANDO AS TAREFAS AFETAS À SEGURANÇA PORTUÁRIA, SE TORNA IMPRESCINDÍVEL A PRESENÇA DAS MULHERES NESSAS HORAS.

    QUANTO AO QUE FALOU O ANÔNIMO, TRATA-SE DA MAIS PURA REALIDADAE. O FATOR POLÍTICO PESA MUITO NA HORA DESSAS INDICAÇÕES E, DEPOIS, DAS NOMEAÇÕES E MANUTENÇÕES NA FUNÇÃO DE SSP, AINDA QUE HAJAM ALGUNS QUE POSSAMOS CONSIDERAR QUE MEREÇAM.

    NA VERDADE, PELO MENOS AQUI NO ÂMBITO DA CDP, A FUNÇÃO DE SSP ESTÁ BANALIZADA, SUB E MAL UTILIZADA, PAGANDO-SE MUITO POR PRODUTIVIDADE AQUÉM DESSES VENCIMENTOS, SEM AVALIAÇÃO NENHUMA DE DESEMPENHO, FICANDO, COMO DISSE O ANONIMO, SOMENTE OS QUE ESTEJAM EM "SINTONIA" COM AS CHEFIAS, E NÃO NECESSARIAMENTE COM O INTERESSE PUBLICO.

    ResponderExcluir

LEGISLAÇÕES