Postagem em destaque

PF FLAGRA PORTUÁRIOS COM PACOTES DE COCAÍNA NO CORPO PARA EMBARQUE EM NAVIO

Trabalhadores do Porto de Santos tentaram levar carregamento até navio atracado no cais, que foi cercado pela Guarda Portuária. Tablete...

sábado, 10 de agosto de 2013

0

MPT VÊ FRAUDE NO SINDICATO DOS ESTIVADORES






O Ministério Público do Trabalho (MPT) apresentou denúncia à Justiça Trabalhista numa ação civil pública em que aponta esquema de fraudes operado pelo Sindicato dos Estivadores de Santos.

A acusação aponta que os dirigentes sindicais mantêm fiscais que manipulam diariamente a escalação de trabalhadores avulsos no Órgão Gestor de Mão de Obra (Ogmo). O esquema permite que membros do sindicato consigam remuneração entre 5 e 11 vezes maior que trabalhadores avulsos comuns, aponta a denúncia.

Levantamento do MPT, realizado entre junho e dezembro de 2012, mostra que a remuneração média dos profissionais da estiva foi de R$ 1 mil por mês. Esse grupo representa 90% da categoria, de aproximadamente 5 mil homens. A investigação identificou estivadores ligados ao sindicato obtendo remuneração entre R$ 5 2 mil a R$ 11 mil por mês.

“A escolha do trabalhador avulso privilegiado para o desempenho das funções específicas representa grande poder político nas mãos da entidade sindical”, acusa o MPT na ação.

O Ogmo, órgão que media a relação entre os terminais e os portuários, não quis comentar o assunto. Segundo a investigação, a interferência no rodízio de trabalhadores avulsos escalados para o trabalho tem gerado ganhos excessivos para membros do sindicato.

Fatia dos ganhos é paga ao sindicato em forma de contribuição. O valor arrecadado pela entidade, segundo o MPT, é de 7% do valor recebido pelos membros beneficiados pela escala. “A luta do Sindicato dos Estivadores de Santos contra a contratação direta de trabalhadores pelos terminais, via CLT, tem o objetivo apenas de manter o poder que este tem de escolher quem é escalado para trabalhar. Há uma interferência direta e ilegal no modelo de escalação”, afirma Gláucio Araújo de Oliveira, procurador do Trabalho e autor da ação que tenta quebrar o poder do sindicato.

Luta antiga

A tentativa de reforma do modelo começou em 1993, com a Lei de Modernização dos Portos. Na época, o governo Fernando Henrique Cardoso criou regras para estimular os investimentos privados.

Na difícil mediação com os portuários, o governo tentou acabar com o então chamado “sindicalismo patrão”, com o fim da prerrogativa de administrar a oferta de mão de obra avulsa para os terminais ao determinar que a missão fosse assumida pelo Ogmo.

Vinte anos depois, já com um novo marco regulatório, cujo objetivo é atrair R$ 54 bilhões em investimentos nos próximos cinco anos, o poder do sindicalismo ainda se sobrepõe à instituição criada para determinar regras e equidade na forma de contratação dos avulsos.

É o que revela a longa e detalhada investigação da Coordenadoria Nacional do Trabalho Portuário e Aquaviário (Conatpa), órgão do MPT. A investigação embasou a ação civil pública contra o Sindicato dos Estivadores de Santos. A ação não foi julgada em primeira instância e agora está no Tribunal Regional do Trabalho.

Sindicato

O presidente do Sindicato dos Estivadores, Rodnei Oliveira da Silva, réu na ação, nega qualquer esquema de fraude e diz que o MPT não conseguiu comprovar as acusações na primeira instância da Justiça. Em relação às contribuições pagas pelos estivadores à entidade sindical, o presidente do sindicato afirma que são desembolsos negociados e aprovados em assembleia e que, portanto são legais.

“Da forma como o MPT relata na ação, não existe. Há o desconto, mas esse é aprovado em assembleia. Quanto ao rodízio, não há qualquer tipo de ingerência na rotina de escalação dos trabalhadores”, afirma.

 

Fonte: Agência Estado
 
 
 

 

Nenhum comentário:

Postar um comentário

LEGISLAÇÕES