Postagem em destaque

GUARDAS PORTUÁRIOS PARTICIPAM DE CURSO DE CAPACITAÇÃO PARA ADESTRAMENTO DE CÃES NO PARÁ

As instruções teóricas foram realizadas tanto em espaços ao ar livre quanto em sala, com apresentações em slides e considerações impor...

sexta-feira, 10 de janeiro de 2014

0

CONPORTOS ALTERA REGRAS EM AUDITORIA DE INSTALAÇÔES PORTUÁRIAS



As não conformidades deverão ser sanadas em 90 dias



Na última quarta-feira (08), foi publicada no Diário Oficial da União (DOU), a Portaria nº 50, de 23 de outubro de 2013 da Comissão Nacional de Segurança Pública nos Portos, Terminais e Vias Navegáveis (CONPORTOS), que alterou a redação do art. 6º da Resolução nº 47, de 7 de abril de 2011.

A partir de agora a CONPORTOS ou as CESPORTOS - Comissões Estaduais de Segurança Pública nos Portos, Terminais e Vias Navegáveis , quando esta presidir os atos da auditoria, após o recebimento e aprovação do parecer da equipe técnica, deverá dar ciência ao representante legal da instalação auditada da conclusão da auditoria, na hipótese de inexistência de não conformidades; ou notificar o representante legal da instalação auditada, na hipótese de remoção, alteração ou substituição de barreiras permanentes, inadequação do sistema e equipamentos de segurança e vigilância ou de qualquer outro requisito técnico ou exigência estabelecida, considerados como essenciais para manter a segurança da instalação.

A CONPORTOS ou a CESPORTOS deverá intimar o representante legal da instalação auditada para, no prazo de noventa dias, sanar as não conformidades identificadas na auditoria. Findo o prazo estipulado, a equipe técnica designada pela CONPORTOS retornará à instalação auditada para verificação in loco das correções efetuadas na instalação e procederá à elaboração de Relatório Final Circunstanciado a ser encaminhado à CONPORTOS e a Agência Nacional de Transportes Aquaviários (ANTAQ).

Não sendo sanadas as não conformidades, a ANTAQ, no exercício de suas competências, no caso de constatação de irregularidades em procedimento de fiscalização, poderá oferecer à instalação portuária a possibilidade de correção, por meio do estabelecimento de um Termo de Ajuste Conduta - TAC, ou lavrar Auto de Infração ou, ainda, instaurar Processo Administrativo Contencioso - PAC, designando a Comissão Processante.

Durante o prazo previsto, e enquanto não cumprido o firmado no TAC, ficarão suspensos os efeitos legais da Declaração de Cumprimento (DC) concedida pela CONPORTOS à respectiva instalação portuária, que ficará impedida de emitir a Declaração de Proteção prevista na Resolução nº 33, de 11 de novembro de 2004, da CONPORTOS.

O não saneamento das irregularidades no prazo fixado ou ajustado mediante TAC acarretará, por deliberação da CONPORTOS, o cancelamento da DC, sem prejuízo das penalidades aplicáveis pela ANTAQ.

Em qualquer das situações dispostas, a Comissão Coordenadora dos Assuntos da Organização Marítima Internacional, no Brasil - CCA-IMO, no Brasil, perante o Comando da Marinha do Ministério da Defesa, será imediatamente informada." (NR). 





Nenhum comentário:

Postar um comentário

LEGISLAÇÕES