Postagem em destaque

CONPORTOS CASSA CERTIFICADO DE SEGURANÇA DOS TERMINAIS DA RODRIMAR NO PORTO DE SANTOS

Comissão Estadual de Segurança Pública nos Portos encontra falhas nos sistemas de segurança desde 2016 e a empresa não apontou soluçõe...

segunda-feira, 17 de março de 2014

0

JUSTIÇA ENCONTRA IRREGULARIDADES EM PORTOS DE MANAUS


Irregularidades em relação a segurança e saúde dos trabalhadores foram constatadas pelo órgão durante vistorias (Divulgação/MPT)


Fiscalizações ocorreram em 18 e 19 de fevereiro em três locais. No Porto Chibatão, por exemplo, procuradores consideraram situação 'alarmante' e constataram falta de sinalização, asfalto e manutenção de equipamentos precários e trabalhadores sem registro de carteira.

O Ministério Público do Trabalho (MPT 11ª Região) realizou as fiscalizações em três portos privados de movimentação de cargas em Manaus. Nos três locais, o Órgão Gestor de Mão de Obra (OGMO), Porto Chibatão e o Superterminais, o órgão inspecionou o cumprimento dos Termos de Ajuste de Conduta (TAC) firmados para garantir condições de saúde e segurança do trabalho. Em todos os portos foram encontradas irregularidades.

As fiscalizações foram realizadas em parceria com a Superintendência Regional do Trabalho e Emprego no Amazonas (SRTE/AM), com os Auditores Fiscais Francisco Edson Ferreira Rebouças e Marcelo Menezes de Souza Lima e quatro procuradores do trabalho.

O primeiro lugar inspecionado foi o Órgão Gestor de Mão de Obra (OGMO) localizado na Rua Travessa Vivaldo Lima, 25, Centro, Zona Sul de Manaus. Segundo a procuradora do Trabalho Andrea Gondim, as principais irregularidades constatadas estão na escalação de trabalhador e inadequação de vestiários e banheiros.

“Foi constatado o descumprimento da escalação rodiziária, ou seja, existe a preterição e beneficiamento de trabalhador, e escolha de função pelos trabalhadores portuários sem a punição adequada. O grupo móvel encontrou também a existência de banheiros inadequados e vestiários sem estrutura para os trabalhadores”, afirmou a procuradora.

Já no Porto do Chibatão, localizado na Rua Zebu, 201, bairro Colônia Oliveira Machado, Zona Sul, a situação encontrada pelos procuradores e auditores fiscais do trabalho foi alarmante. Sinalização vertical e horizontal deficiente, asfalto do píer precário ou quase inexistente, trabalhadores sem registro em carteira e falta de manutenção em guindastes e lanças.

De acordo com o auditor fiscal do Trabalho Marcelo Lima, a falta de manutenção das máquinas, põem em risco a vida dos trabalhadores.

“O Porto do Chibatão encontra-se em situação precária. Na parte superior dos guindastes, por exemplo, encontrou-se o acúmulo de uma grande quantidade de óleo nas escadas de acesso dos trabalhadores. Em função da chuva e durante a movimentação da máquina, essa substância se acumula na parte interna e, como não há manutenção preventiva, esse óleo escorre com a movimentação do guindaste, o que gera um risco de queda para os trabalhadores”, explicou o auditor.

O Ministério Público do Trabalho (MPT) deverá ajuizar uma ação civil pública (ACP) para pedir na justiça que o Porto Chibatão cumpra com as normas de segurança previstas, caso o Porto não comprove as correções das irregularidades até o dia da audiência administrativa.

“Como o Chibatão já tinha firmado um Termo de Ajuste de Conduta perante o MPT, nós vamos pedir a execução da multa estipulada nos TAC´s firmados em relação às condutas nele previstas e ainda ajuizar a ACP, cobrando a manutenção nos guindastes, a iluminação noturna e a sinalização das boias salva vidas. Se um trabalhador cair na água à noite, por exemplo, ele não será visto, porque a bóia não tem sinalizador”, justificou Andrea.

Outro Porto fiscalizado foi o Superterminais. Problemas pontuais como banheiros sem água e sem iluminação e em quantidade insuficiente para atender cerca de 80 trabalhadores que estavam fazendo o carregamento e descarregamento em dois navios enquanto aconteceu a fiscalização. Audiências administrativas estão marcadas para esta quinta e sexta-feira onde os procuradores ouvirão os envolvidos e tentarão dar uma solução para os problemas encontrados.

Segundo a assessoria do Porto Chibatão, em vistoria da Comissão Permanente Nacional Portuária, realizadas no Grupo Chibatão, em agosto de 2013, por equipes de até 20 profissionais do órgão, e mais inúmeras fiscalizações do MPT por todo o ano de 2013, nada das ocorrências agora apontadas em fevereiro foram sequer mencionadas ou registradas.

A empresa também informou que não existem colaboradores do Grupo Chibatão sem registro em carteira de trabalho, visto que empresas terceirizadas são contratadas para a execução do serviço e que a ISO (Organização Internacional para Padronização) comprova a qualidade da manutenção dos equipamentos.

Em nota, a assessoria do Porto completou informando que o Grupo Chibatão está investindo R$ 5 milhões em sinalização e asfaltamento especial. Todas as informações serão apresentadas em audiência.


Fonte: Critica.com
Edição: Segurança Portuária Em Foco 




Nenhum comentário:

Postar um comentário

LEGISLAÇÕES