Postagem em destaque

PF FLAGRA PORTUÁRIOS COM PACOTES DE COCAÍNA NO CORPO PARA EMBARQUE EM NAVIO

Trabalhadores do Porto de Santos tentaram levar carregamento até navio atracado no cais, que foi cercado pela Guarda Portuária. Tablete...

quinta-feira, 14 de agosto de 2014

0

ZONA ALFANDEGADA E O SEGURO DE TRANSPORTE



Área alfandegada é um espaço neutro sob o controle aduaneiro e classificado pela Receita Federal como zona primária ou secundária. Nesses locais, são efetuados os desembaraços de mercadorias e o acesso é restrito a quem exerça atividade profissional ou que tenha permissão da autoridade aduaneira.
A zona primária é a parte interna de portos e aeroportos, são recintos da alfândega e locais habilitados na fronteira terrestre para operações de carga e descarga de mercadorias. Compreende pátios, armazéns, terminais e outros locais destinados à movimentação e depósito de mercadorias importadas ou destinadas à exportação sob o domínio aduaneiro.
A zona secundária abrange armazéns alfandegados, entrepostos, depósitos, terminais, EADI/Porto Seco e outras unidades destinadas ao armazenamento e recebimento de cargas de importação ou de exportação. Nessa área está incluído o depósito de remessas postais internacionais sujeitas a controle aduaneiro.
O seguro de transporte internacional de importação cobre as mercadorias nas zonas alfandegadas após o desembarque, durante 60 dias no transporte marítimo, 30 dias no aéreo, e 30 dias depois da chegada do veículo terrestre à fronteira entre países. Esses prazos são reconhecidos para a regularização dos documentos necessários à nacionalização ou por motivos alheios à vontade do importador, como uma greve, por exemplo.
A simples armazenagem de mercadorias nas zonas alfandegadas por questões de logística, não está coberta pela apólice de seguro de transporte, bem como a permanência em entreposto aduaneiro, exceto se houver negociação com a seguradora para esta situação. Nas importações CIF e CIP, que já vêm com o seguro contratado pelo exportador, esses prazos não se aplicam, pois a cobertura termina com o desembarque no porto ou aeroporto.
Na exportação, quando houver cobertura para o percurso complementar até o local do importador, a permanência das mercadorias em aduana deverá ser negociada previamente com a seguradora.
Na hipótese da ocorrência de sinistro coberto por um seguro de transporte internacional de importação contratado, a seguradora indenizará o segurado (importador), inclusive os valores correspondentes aos tributos quando averbados na apólice. Ao fazer o pagamento do sinistro, a seguradora fica sub-rogada ao direito de agir regressivamente contra o depositário.
Não havendo o seguro de transporte, o importador deverá cobrar os prejuízos diretamente do depositário que acionará a sua seguradora. Caso o importador não obtenha sucesso por este caminho, restará promover uma ação judicial contra o depositário, que responde civilmente pela guarda, conservação e restituição das mercadorias nas mesmas condições que lhe foram entregues para depósito.
Como as mercadorias em passagem pelas zonas primária e secundária estão sujeitas a acidentes e perdas, a recomendação é sempre se prevenir com a contratação do seguro de transporte internacional.

Texto: Aparecido Mendes Rocha - especializado em seguros internacionais

Fonte: Net Marinha






Nenhum comentário:

Postar um comentário

LEGISLAÇÕES