Postagem em destaque

PF FLAGRA PORTUÁRIOS COM PACOTES DE COCAÍNA NO CORPO PARA EMBARQUE EM NAVIO

Trabalhadores do Porto de Santos tentaram levar carregamento até navio atracado no cais, que foi cercado pela Guarda Portuária. Tablete...

segunda-feira, 22 de setembro de 2014

0

ANTAQ ATUA E PORTO DO RIO COMEÇA A SER LIMPO




Na sexta-feira (19) estive no Porto do Rio de Janeiro e verifiquei que os lixos e as sucatas, que estavam armazenadas há anos naquele local, começaram a ser retiradas. Será que podemos considerar o dia 19 de setembro com um marco historio em que o Porto do Rio, um bem público, foi recuperado pelo interesse público? Desejo que as saídas das sucatas e dos lixos representem a imagem de uma nova etapa para o nosso porto, em todos os sentidos. Da mesma forma, espero que a operação de retirada não seja interrompida e que o porto se livre de uma vez por todas de atos e fatos como esse.
Precisou a Agência Nacional de Transportes Aquaviários (ANTAQ), através da Superintendência de Fiscalização e da Unidade da Agência no Rio de Janeiro, intervir no caso e exigir a imediata remoção do material para que a coisa andasse. Não fosse a ANTAQ, o escárnio poderia teria continuado por mais 60 dias, no mínimo. Infelizmente, vejo que a Companhia Docas do Rio de Janeiro (CDRJ) ainda não é capaz de cuidar do quintal da sua própria casa. Resta saber, se na casa dos que autorizaram esse absurdo existem tantas sujeiras. É certo que não, sempre lembrando que, segundo a CDRJ, o material pertence à arrendatária Triunfo Logística.

No dia 18 de setembro, recebi da Assessoria de Comunicação da CDRJ a informação de que a arrendatária obteve a bondade de mais 60 dias de prazo para retirada do material, o que causou grande revolta, principalmente, considerando que ela já tinha descumprido o excelente prazo de 84 dias anteriormente concedido. Da para imaginar que, se o tema não tivesse sido abordado pelo UPRJ e pela grande mídia, destaque-se, coma importantíssima intervenção da ANTAQ, outras tantas prorrogações, quantas fossem necessárias para atender interesses privados em detrimento do interesse público, provavelmente, pelos anos que o material ali estava, seriam concedidas, isso sem mencionar a estratégia de deixar o tema esfriar em banho maria.
Na mesma mensagem que recebi da Assessoria de Comunicação da CDRJ, baseando-me na Lei de Acesso à Informação, considerando que o Porto do Rio de Janeiro é um bem público, fiz algumas perguntas, as quais eu espero sejam respondidas de forma não evasiva e rápida, vez que são questões extremamente objetivas e simples de serem explicadas se, obviamente, a CDRJ tiver controle das suas atividades, comprometimento com a concessão pública e com o seu papel de Autoridade Portuária.
Seja como for, a saída do material não significa o fim dessa história, até porque, as oficinas mecânicas continuam no cais e diversos outros problemas e irregularidades ainda persistem, como por exemplo, operações de cargas e descargas de caminhões executadas por operador portuário em área de uso comum do porto (de circulação de veículos), fora do arrendamento.
Enfim, as responsabilidades precisam ser apuradas com rigor e com lavraturas de autos de infração. O exemplo deve ser dado, vez que, como o órgão que fará a autuação será a ANTAQ, gerará um precedente nacional no que diz respeito ao armazenamento de lixos e sucatas, bem como ao desordenamento dos portos públicos. Mais do que atuar, desejo ver a ANTAQ autuar.
A desunida Comunidade Portuária do Rio de Janeiro vive dizendo que a cidade não valoriza o seu porto. Porém, nem a própria Comunidade o valoriza, pois passa todos os dias e há anos na frente daqueles lixos e sucatas e nada fala, nada faz. Trata o caso como se fosse a coisa mais natural do mundo.
Sim, tomar atitudes é bem mais difícil do que ficar pelos cantos reclamando e criticando os outros, quando, na verdade, também somos cúmplices dos absurdos portuários nossos de todos os dias. Sim, cobrar, se expor, confrontar ideias e ferir interesses é complicado. Mas, acho que ter um porto mal gerido, desorganizado e com esse aspecto sujismundo e bagunçado, é muito mais complicado. Se, é nosso desejo que a cidade valorize o porto, que a prefeitura do Rio de Janeiro cuide da região portuária, será necessário que a postura da Comunidade Portuária mude radicalmente e que passe a valorizar e a fiscalizar o seu porto.
O Porto do Rio de Janeiro é um problema de cada um de nós. Da mesmíssima forma, devem ser tratados os portos de Itaguaí, Angra dos Reis, Niterói e Forno. Quando os portos perdem, também perdem os usuários, os transportadores rodoviários, os despachantes aduaneiros, os agentes marítimos, os agentes de cargas, ou seja, todos que deles dependem. Consciência portuária também é consciência social.

Fonte: UPRJ (André de Seixas)



Nenhum comentário:

Postar um comentário

LEGISLAÇÕES